6 tendências de marketing para educação que você deve conhecer!

Em diversas áreas criativas, a busca por informações sobre tendências é importante. O mercado muda muito rápido, e com o marketing para educação não é diferente —  a cada nova tendência, abre-se um leque de possibilidades.

Neste post, você vai ver um pouco sobre quais são as tendências de marketing, como se relacionam com o mercado educativo e qual é a melhor forma de levá-las para a sua empresa. Preparado? Então vamos lá!

1. Exploração do machine learning

O machine learning é uma forma de tecnologia que tem sido cada vez mais explorada nas campanhas de marketing. Trata-se da capacidade de “aprendizado” de um software, trazendo inúmeros usos — entre eles, o de análise e previsão de padrões comuns no comportamento dos alunos.

Desse modo, as publicações se tornam mais personalizáveis e passam a ser exibidas apenas para o público mais propício a se interessar pelo conteúdo. Os algoritmos tendem a melhorar cada vez mais a capacidade de previsão e o acerto.

Nesse caso, o terreno ideal para explorar o mercado educativo com o uso do machine learning é a rede social. Por meio de anúncios, a mídia segmenta diversos tipos de público com base na forma de consumo.

Outra forma de usar o machine learning é por meio de um chatbot, ou seja, um software que se adapta às dúvidas mais comuns dos clientes e traz respostas automatizadas para agilizar e facilitar o atendimento.

2. Produção de vídeos

A produção de vídeos é quase um consenso na publicidade e não seria diferente no marketing para educação. Existe uma razão importante para isso — o consumo de vídeos tem crescido muito nos últimos cinco anos. Seja por vídeos longos no YouTube, seja por pequenos stories no Instagram, essa forma de conteúdo já está consolidada no cotidiano do público.

No mercado educativo, isso é ainda mais evidente. Afinal, uma videoaula costuma se mostrar como muito mais atraente para jovens alunos, às vezes até substituindo aulas tradicionais. Na web, torna-se possível pausar e voltar trechos no vídeo para que a exibição se adapte à velocidade de aprendizado de cada aluno.

Existem vários formatos de vídeos que podem ser explorados pela sua empresa: vídeo explicativo, vídeo institucional, vídeo tutorial, videoaula e por aí vai. É importante fazer um bom planejamento de marketing para encontrar os formatos mais agregadores e com maior potencial de viralização.

3. Mobile first

O mobile first é uma forma de corresponder a uma demanda importante — a de pensar a exibição dos sites com os smartphones em primeiro plano. E qual a razão disso? Se você acessasse um site há dez anos, certamente se depararia com algumas características da época — design robusto, textos feitos para exibição desktop e por aí vai.

Se, hoje em dia, você tentar acessar um site projetado daquela maneira por meio de um smartphone, provavelmente vai ter uma experiência ruim. Os textos serão de difícil leitura, o carregamento vai ser lento e a exibição das imagens não vai ser boa.

É para resolver esse tipo de problema que surge o mobile first, cada vez mais usado no marketing. A ideia é projetar a exibição do site e fazer com que o acesso por meio de smartphones tenha qualidade similar ao desktop.

Outra forma de fazer isso é por meio do design responsivo. E o que isso significa? Imagine que um mesmo site seja acessado por dois dispositivos com resoluções diferentes. A responsividade é a capacidade de uma página de moldar os elementos de forma a se adaptar às várias resoluções de diferentes telas.

4. Exploração do viral

O conteúdo viral é o que atrai mais visibilidade na web. A viralização acontece quando o post é compartilhado massivamente nas redes sociais, contando com inúmeros acessos e expondo a marca a vários possíveis alunos.

Se você já passou algum tempo nas redes, certamente reparou em como o conteúdo viral varia, desde memes até notícias. Nesse caso, o marketing viral é voltado a estudar o mercado, elaborar estratégias e produzir materiais que se espalhem facilmente na web.

Procure estimular os compartilhamentos e fazer diversas pesquisas de mercado para entender o tipo de conteúdo que ganha notoriedade na área educativa. Em alguns casos, uma forma mais criativa de post ganha espaço pelo retorno em compartilhamentos.

5. Automação

A automação de marketing é uma das formas de usar a tecnologia para executar ações de divulgação em larga escala. E o que isso significa? Na prática, que é possível mesclar a criatividade humana com os recursos das máquinas e ainda usar isso a favor da sua empresa.

Assim, torna-se possível disparar e-mails em grande proporção, nutrir leads, fazer uso de CRMs, organizar os seus times de marketing e vendas — favorecendo, principalmente, a economia de tempo.

Existem diversas plataformas que contam com uma série de recursos variados. O ideal é fazer a escolha de uma que se adapte às necessidades do marketing para educação.

6. Cloud computing

A cloud computing, ou computação nas nuvens, é a tecnologia responsável por dispensar hardwares pessoais e armazenar as informações direto na web. Assim, as possibilidades de envio e carregamento de dados se tornam maiores.

Entre as vantagens de optar pela nuvem, estão a redução de custos com compra e instalação de hardwares, a velocidade e o alcance amplo — com informações que podem ser acessadas no mundo inteiro.

Além de ser útil para o funcionamento interno da empresa, é possível, entre outras coisas, armazenar e disponibilizar cursos online e videoaulas graças a esse tipo de tecnologia, servindo como uma mão na roda para os alunos.

Acompanhar as tendências de marketing para educação, como você viu, pode trazer diversas sacadas sobre como melhorar as suas próprias campanhas e ainda conquistar novos alunos.

Lembre-se de que o ideal é contar com uma campanha completa de marketing, abordando o site institucional, a produção de conteúdo, os anúncios e por aí vai. As tendências são assimiladas para complementar a estratégia.

E você? Quer começar a sua estratégia com profissionais que realmente entendem do assunto? Então entre em contato com a gente!