Aplicativo mobile: benefícios, vantagens e porque sua empresa precisa ter um

Aplicativo mobile: benefícios, vantagens e porquê sua empresa precisa ter um
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 12 de agosto de 2017.

 

Quantas horas por dia você gasta em aplicativos mobile? Seja conversando com amigos, fazendo compras, consultando a previsão do tempo ou chamando um taxi, eles estão mais presentes em nossas vidas do que geralmente nos damos conta. E se você os utiliza com frequência, provavelmente os seus clientes também.

Os ganhos em ter um aplicativo para sua empresa são óbvios e, como no mercado brasileiro ele ainda é novidade, as empresas que derem o primeiro passo em direção a essa tendência obterão grande vantagem competitiva.

Neste artigo, você entenderá melhor como a sua micro, pequena ou média empresa pode se beneficiar com essa novidade.

 

Quais vantagens sua empresa terá ao adquirir um aplicativo próprio?

Um aplicativo não é uma extensão do site de sua empresa. Ele deve oferecer uma série de recursos e benefícios extras ao seu cliente. Um grande diferencial é a possibilidade de utilização dos recursos do smartphone – como ligações, GPS e notificações – para oferecer uma experiência ainda mais interessante.

Veja alguns benefícios que o aplicativo pode trazer para sua empresa e seus clientes:

 

Divulgação de promoções, eventos e lançamentos em tempo real

Com o aplicativo, sua empresa pode disparar mensagens instantâneas para todos os usuários com o app instalado e notifica-los sobre um novo lançamento de produto ou serviço, uma oferta especial ou um cupom de desconto. É possível até mesmo utilizar o aplicativo como cartão de fidelidade, melhorando a retenção dos clientes.

Dessa forma, sua empresa mantém um poderoso e estratégico canal de negócios e marketing, que engaja os clientes e melhora as vendas.

 

Reconhecimento da marca

Com o aplicativo instalado no smartphone, seu cliente não precisará mais abrir o navegador e digitar a URL de seu site para ter contato com sua empresa. Sua marca ficará acessível a um toque. Quem baixar seu app, sempre se lembrará da sua empresa durante a navegação pelo smartphone ou quando precisar dos seus serviços.

 

Praticidade para seus clientes

Sua empresa trabalha com atendimento com hora marcada? Você pode utilizar o aplicativo para gerenciar isso para você. Dentro dele, seus clientes marcam facilmente seus compromissos, como agendamento de consultas, horários no salão de beleza, reservas em restaurantes, etc.

Dessa forma sua marca oferece praticidade, atendimento diferenciado e ainda fideliza os clientes, que dificilmente abrirão mão desta facilidade.

 

Vantagem competitiva

O aplicativo oferece diversas informações essenciais para seu cliente de maneira rápida e prática. Horário de funcionamento, particularidades da empresa, descrições dos serviços, cardápios, preços, informações de contato, etc. Tudo pode ser acessado instantemente! E com o recurso de geolocalização o seu cliente pode traçar rotas de sua localização atual até seu estabelecimento. No mercado competitivo atual, isso faz toda a diferença.

 

Melhoria expressiva no atendimento

Para 76% dos consumidores, o atendimento ao cliente é o principal demonstrativo do quanto uma empresa se importa com seus clientes. Com um aplicativo é possível manter um canal de relacionamento direto com seus clientes e melhorar o atendimento. Você pode, por exemplo, utilizar um sistema de chamados para 24/7 para abrir tickets de chamados para a sua central de suporte.

 

Quanto custa desenvolver um aplicativo com a ReachLocal?

Com todos os benefícios descritos acima você deve estar esperando um investimento muito alto, certo? E se eu te disser que é bem menos do que você imagina? Quer saber um pouco mais sobre as funcionalidades e recursos do Aplicativo? Clique aqui e descubra!

O que você achou deste artigo? Se inscreva em nossa newsletter para receber mais conteúdo como esse!

Planeta Digital se une à ReachLocal

Planeta Digital se une à ReachLocal
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 10 de janeiro de 2017.

 

Planeta Digital se une à ReachLocal

A Planeta Digital, empresa do Grupo Estado com mais de 30 anos de experiência na oferta de soluções de marketing digital para micro e pequenas empresas, firmou uma aliança estratégica para o atendimento deste público no Brasil com a ReachLocal, companhia do grupo americano Gannett, proprietário do jornal USA Today e de mais 200 sites de notícias no mundo.

 

Aliança estratégica

Com essa parceria, os clientes da Planeta Digital passam a ser atendidos pela ReachLocal. A aliança integrará a oferta das duas empresas, que passarão a oferecer sites mais inteligentes, além do ReachSearch, solução tecnológica que otimiza anúncios online, premiada pelo Google. As ferramentas, que poderão ser usadas por empresas, agências de publicidade e de comunicação, permitirão que o usuário mantenha um painel de controle relativo às campanhas, com a possibilidade de analisar resultados e ajustar estratégias em tempo real, de forma mais rápida e transparente.

Veja a matéria completa no Estadão clicando aqui.

Para conhecer mais sobre a Reachlocal, acesse aqui: clicando aqui.

Os 5 erros mais comuns ao anunciar no Google

Os 5 erros mais comuns ao anunciar no Google
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 29 de novembro de 2016.

 

O Google Adwords se tornou uma das ferramentas de marketing digital mais importantes da atualidade, principalmente devido a sua acessibilidade e facilidade. Porém, não se engane. Uma campanha mal gerenciada pode fazer com que seus resultados evaporem, assim como seu orçamento.

Com anos de experiência gerenciando campanhas, vemos constantemente esses 5 erros acontecendo em contas de iniciantes em Google. Vamos a eles:

 

1 – Direcionar o usuário para a página inicial ao invés de utilizar uma Landing Page

Esse é certamente um dos erros mais comuns. Quando se cria um anúncio no Google, geralmente ele é direcionado para uma oferta específica. Quando o usuário clica nesse anúncio, ele espera ser levado a uma página que contenha somente o produto ou serviço que o link prometia. Por exemplo, se o usuário abre um anúncio sobre “SmartTV  40 polegadas”, você não deve enviar esse usuário para a home page de seu site e esperar que ele encontre a TV que ele procura por lá.

O correto é criar uma Landing Page, uma página específica para aquela oferta. Uma Landing Page é construída com foco em fazer com que o visitante se inscreva ou compre o que o anúncio está ofertando, sem distraí-lo. Por conta disso, elas apresentam um índice de conversão muito maior.

 

2 – Escolher mal as palavras-chave

A escolha correta das palavras-chave vai determinar se o seu anúncio irá gerar potencias clientes ou cliques desnecessários que irão consumir seu orçamento rapidamente. As palavras-chave precisam representar exatamente o que sua empresa está oferecendo e quanto mais específica ela for, melhor.

Por exemplo, se sua empresa comercializa semi joias, a palavra-chave “comprar semi joias” é melhor do que simplesmente “semi joias”. Já palavras que invalidam seus anúncios podem ser adicionadas como palavras-chave negativas, como “revender semi joias”, caso sua empresa não trabalha com revenda. Vale a pena investir um bom tempo pensando em quais termos representam melhor o seu negócio, sob a perspectiva do seu público.

 

3 – Não acompanhar os resultados e melhorar os anúncios

Uma das maiores vantagens do marketing digital é a sua possibilidade de mensuração e acompanhamento. O Google Adwords oferece inúmeros relatórios que permitem obter todos os tipos de informações e análises a respeito de seus anúncios. É possível integra-lo ao Google Analytics e obter ainda mais informações comportamentais sobre seu público.

Mesmo assim, muitos empreendedores não tem tempo para entender essas métricas e utiliza-las para conhecer melhor seu público e melhorar o anúncio. Como consequência, a conta fica abandonada e os resultados e a performance são prejudicadas.

 

4 – Errar na segmentação

Que tal tentar atrair clientes do Rio de janeiro para almoçarem em seu restaurante em São Paulo? É bem improvável que alguém vá, certo? Um erro comum com iniciantes no Google é errar na segmentação do anúncio e tentar vender produtos e serviços para um público pouco relevante.

Vamos supor que você tenha um restaurante no bairro da Liberdade, em São Paulo. Para segmentar seu anúncio, o mais indicado é escolher um raio de 25 km do local para exibição desse anuncio, com horário das das 11h até as 13h, pois são esse é o período em que as pessoas mais costumam procurar por restaurantes para almoçar. Logo, a probabilidade de que seu anúncio seja relevante para um público nesse horário é muito maior.

 

5 – Investir pouco e esperar muito

Como qualquer outro tipo de investimento, os resultados são do tamanho de seu investimento. Se sua empresa investir pouco, o retorno será tímido. Nós recomendados um investimento mínimo de R$ 500,00 para que seja possível distribuir essa quantia em um mês e assim conseguir fazer com que seus anúncios sejam exibidos diversas vezes por dia para muitos potenciais clientes.

Além disso, existe os fatores “dedicação” e “tempo”. Criar a campanha e esperar que ela gere resultados sozinha é, no mínimo, muito equivocado. Para que haja um retorno realmente positivo, é preciso dedicar muitas horas por semana testando e aprimorando novas abordagens de anúncio.

Esperamos que esse artigo tenha te ajudado. Se inscreva em nossa newsletter para receber mais dicas valiosas como essa!

4 coisas que podem estar freando o crescimento da sua empresa

4 coisas que podem estar freando o crescimento da sua empresa
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 26 de outubro de 2016.

 

Mesmo sendo as maiores impulsionadoras da economia brasileira, as micro e pequenas empresas têm dificuldades para se manterem abertas. A maioria não consegue chegar nem a cinco anos de vida antes de fecharem as portas. Boa parte deste problema vem de falhas de gerenciamento, desorganização financeira e erros de comunicação e divulgação da marca. Veja nesse post 4 situações que podem estar ocorrendo dentro de sua empresa e impedindo o crescimento da sua empresa.

 

1 – Não conhecer seus clientes e concorrentes

Preste muita atenção às necessidades e desejos de seus clientes e exercite sua mente para buscar sempre a inovação. Estar por dentro das tendências em seu segmento é indispensável. Com os mercados tradicionais em transição para os espaços digitais, as empresas precisam mudar seu foco para esse público, que possui comportamentos diferentes dos clientes que vão até a loja física.

Os concorrentes são uma importante fonte de informações que tornam mais fácil o processo de descoberta de novas maneiras de atender seus clientes. Pode ser que algum concorrente tenha notado uma nova tendência e descoberto uma nova forma de atrair o público e sua empresa pode aprender e se beneficiar com isso. Não tomar um tempo para olhar as mudanças no mercado e entender o impacto disso em seus clientes pode paralisar o seu negócio.

 

2 – Não investir em marketing digital

Com milhões de potenciais clientes na internet, aparecer para esse público é essencial para qualquer negócio que deseja crescer. Ter presença na internet já deixou de ser um diferencial, hoje é quase um pré-requisito para qualquer empresa.

Sua empresa pode começar com um site, e em seguida evoluir para outras formas de aquisição e relacionamento com o cliente, como e-mail marketing e anúncios no Google e Facebook. Porém, é importante ter um site profissional e adaptado para dispositivos móveis, pois ele será a porta de entrada para novos clientes e por isso, precisa refletir a qualidade do serviço que sua empresa prestará.

 

3 – Ter liderança fraca e equipe desmotivada

O líder precisa ter visão de negócio clara, objetiva e ser capaz de tomar boas (e rápidas) decisões. Uma liderança pobre nesses aspectos pode impedir que a empresa alcance todo o seu potencial de crescimento. Negligenciar a inovação e a melhoria contínua também são aspectos perigosos para seu negócio.

Outro aspecto importante é ser capaz de motivar as pessoas para que, em conjunto, todos os funcionários envolvidos no negócio possam ser protagonistas do crescimento da companhia. Pouco adianta apenas o próprio dono estar motivado se as pessoas com a capacidade de fazer a empresa evoluir não estão em sinergia com as mesmas ideias.

 

4 – Não acompanhar devidamente as finanças da empresa

Mesmo que sua empresa gere um bom lucro, seu crescimento pode ser prejudicado caso esse dinheiro não seja bem administrado. Existem diversas situações que podem limitar a capacidade de sua empresa de funcionar caso ela não esteja preparada financeiramente, como um processo de um ex-funcionário ou mesmo perdas por desastres ou roubos.

Além de emergências financeiras, manter um controle financeiro apropriado permite que mais investimentos possam ser feitos, seja em aumento da produção, em pesquisas, treinamento em novas técnicas de vendas ou em novas estratégias de marketing. Se sua empresa almeja crescer, será necessário alto investimento.

O que você achou dessas dicas? Compartilhe nas redes sociais!

5 coisas que você precisa saber antes de enviar
e-mail marketing

5 coisas que você precisa saber antes de enviar e-mail marketing
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 26 de outubro de 2016.

 

O e-mail marketing é uma das ferramentas de marketing digital mais antigas e, mesmo tendo passado por anos de mal uso pelas empresas, ainda figura como uma potente ferramenta de relacionamento com os clientes.

Se você quer começar a investir em e-mail marketing ou mesmo já investe, vale a pena conferir essas dicas de essenciais que vão te ajudar a fazer um melhor uso da ferramenta e melhorar seus resultados.

 

1 – Não compre suas listas de e-mail

Apesar de ser uma prática muito comum, comprar lista de e-mails é muito ruim para a imagem de seu negócio. Como o cliente não optou por receber essas comunicações, elas pode ser vistas como mensagens indesejadas, e assim, causar uma má impressão.

Além disso, listas compradas costumam ter endereços de e-mail de má qualidade, sem segmentação e com uma grande quantidade de contatos que já foram desativados. Isso prejudica a reputação de seu endereço IP e diminui a capacidade de entrega de seus e-mails, que vão direto para a caixa de SPAM.

 

2 – Linhas de assunto concisas e claras obtém taxas de abertura melhores

Um estudo feito pela MailChimp – software de gestão de e-mail marketing – mostrou que títulos que contém entre 28 e 39 caracteres obtém maiores taxas de abertura. Sendo assim, procure não ultrapassar os 50 caracteres em seus títulos.

Seja específico e tenha clareza. Quando o leitor visualizar a mensagem, o recomendado é que ele já saiba do que se trata, ou ao menos fique muito curioso para saber. Vale a pena fazer testes para entender quais tipos de títulos funcionam melhor para seu público.

 

3 – Use CTA’s fortes como: Leia, clique, compre, registre-se…

O CTA – Call-to-Action – funciona como um direcionamento para que o usuário saiba exatamente qual ação ele deve tomar, seja clicar em um link para um artigo, comprar algo ou se registrar. Em uma campanha de e-mail marketing o CTA é fundamental.

Destaque visualmente os CTA’s do restante do conteúdo, para que o leitor o identifique rapidamente. Utilize verbos no imperativo como “compre agora” ou “baixe agora mesmo”. Por fim, sempre faça testes para descobrir quais tipos de CTA’s alcançam melhores resultados.

 

4 – Use os formatos de texto HTML e evitar o uso de apenas uma imagem

Quando se envia um e-mail com apenas uma imagem grande como conteúdo, vários problemas podem acontecer. O primeiro deles é que a maioria dos provedores de e-mail bloqueia a exibição automática de imagem, solicitando que eles a autorizem a exibição.

Também é comum ocorrerem problemas no servidor, que faz com que a imagem nem mesmo apareça. Além disso, quando visualizadas pelo smartphone, boa parte das imagens ficam muito pequenas, o que prejudica a visualização. Por essas razões, mescle texto e imagens no HTML de seus textos.

 

5 – Tenha personalidade ao escrever

Não tente impressionar seus leitores com uma linguagem sofisticada e formal. Ao invés disso, adote uma linguagem mais simples e direta, sem soar tão corporativo. Melhor deixar o “Caro senhor cliente” de lado e pensar em “Olá [nome do leitor]”, para que suas mensagens adquiram um tom mais pessoal.

Buscar passar uma impressão mais pessoal é importante para causar aproximação e engajar seu público. Mas tome cuidado: evite gírias e ser informal demais a ponto de perder a credibilidade para o negócio.

Agora que você já sabe como enviar um e-mail de sucesso, compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais!

6 erros comuns de E-mail Marketing que você pode estar cometendo (e como corrigí-los)

6 erros comuns de E-mail Marketing que você pode estar cometendo (e como corrigi-los)
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 24 de outubro de 2016.

 

Enviar e-mail marketing é algo simples, certo? Errado! Uma estratégia de resultado precisa ser pensada com cuidado para evitar erros básicos que podem fazer com que seu e-mail nunca seja lido.
Separamos alguns erros comuns E-mail Marketing que você pode estar cometendo em suas campanhas e apresentamos dicas de como resolvê-los.

 

Enviar e-mails apenas com imagens

Como a maioria dos serviços de e-mail bloqueia automaticamente todas as imagens, ao enviar uma mensagem sem nenhum texto, o usuário precisará clicar em “Exibir imagens” para conseguir visualizar o conteúdo. Dessa forma, é criada uma etapa a mais entre você e seu potencial cliente, o que certamente impactará muito os resultados de suas campanhas.

Para resolver esse problema, utilize em seu código HTML somente as imagens necessárias, mantendo sempre algum conteúdo em texto para chamar atenção do leitor. Utilize a tag “alt” em seu código para adicionar legendas para as imagens, assim, caso elas não apareçam, seu usuário saberá sobre o que seu e-mail se trata.

 

Enviar e-mails sem valor para o seu público

Muitas empresas desperdiçam todo o potencial do e-mail marketing enviando conteúdo sem nenhuma relevância para o público. Emails muito “vendedores”, que tentam “forçar” as vendas, costumam ter resultados baixos. A venda em si é só uma parte da estratégia, que precisa também criar um relacionamento com o cliente.

Invista em conteúdo relevante criando materiais que despertam o interesse de seu público e gerem valor para sua marca. Isso pode ser feito de diversas formas. Se sua empresa for um e-commerce, ofereça ofertas personalizadas baseadas no comportamento do usuário dentro de seu site, além de cupons de desconto e promoções de aniversário. Para outros segmentos, artigos, e-books e palestras costumam oferecer bons resultados.

 

Disparar o mesmo e-mail para toda a base de contatos

As chances de todas as pessoas em sua base de contatos se interessarem pelos mesmos assuntos é muito pequena, sendo assim, enviar uma comunicação única para todos não costuma ser uma estratégia muito eficiente. Uma base não segmentada aumenta as chances de sua empresa oferecer produtos ou serviços inadequados ou menos interessantes para uma grande parcela de usuários.

Sendo assim, segmente sua base e crie uma mensagem específica para cada grupo. As opções de segmentação dependerão do quão completa é a sua base de e-mails. Quanto menores e mais segmentados os grupos, melhores serão os resultados de sua campanha.

 

Não dar atenção à escolha do título

O título é a primeira informação que o usuário vê ao receber o e-mail e, portanto, é um dos fatores que mais influenciam as taxas de abertura. Se o seu título não for chamativo, mesmo que seu conteúdo tenha extrema qualidade, ele não será lido.

Uma boa dica para criar títulos mais interessantes é reservar mais tempo para pensar, sob a perspectiva de seus clientes, no que chamaria mais atenção. Crie no mínimo 3 títulos diferentes e peça a opinião de terceiros para determinar o mais eficiente. Certifique-se de que cada ele seja claro e desperte a curiosidade do seu público.

 

Enviar e-mails demais (ou de menos)

Erros de frequência no envio são capazes de atrapalhar bastante a eficiência de sua campanha. Se enviar e-mails demais, você perturbará seus usuários, que não demorarão para cancelar a assinatura de suas comunicações. O contrário também é um problema, pois a ideia do e-mail marketing é criar relacionamento, e a falta de frequência pode fazer com que você seja esquecido.

Para determinar a frequência correta, estude a rotina de seus usuários, analisando quais os dias e os horários geram mais picos de acesso e fique sempre atendo a quantidade de cancelamentos da assinatura, pode ser um indicador de erro de frequência. Faça testes A/B, disparando emails em horários e dias diferentes para grupos distintos e analise quais obtém o melhor resultado. Outra maneira é solicitar ao usuário que defina a frequência que deseja receber e-mails no momento da inscrição.

 

Não acompanhar os resultados

Uma campanha de e-mail marketing não termina quando o e-mail é enviado. Sem medir os resultados e saber exatamente quantos e-mails foram visualizados e links clicados, é impossível saber se o resultado foi positivo ou negativo.

Analisar as métricas é a única maneira de melhorar as próximas ações, conhecendo melhor o comportamento de seu cliente e entendendo quais ações geram bons resultados e quais não.

O que você achou dessas dicas? Ficou alguma dúvida? Deixe seus comentários abaixo!

5 motivos para sua empresa investir no Google Adwords

5 motivos para sua empresa investir no Google Adwords
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 14 de outubro de 2016.

 

O jeito de se fazer marketing mudou, e um dos grandes responsáveis por essa mudança é o Google Adwords, uma das plataformas de publicidade mais eficazes atualmente. Utilizada por milhões de empresas no mundo, essa ferramenta possibilita encontrar os potenciais clientes que buscam exatamente os produtos e/ou serviços que sua empresa oferece.

Se você ainda não usa o Google AdWords, veja aqui 5 motivos para adota-lo hoje mesmo.

 

1 – Alcança as pessoas certas no momento certo

Um dos aspectos mais vitais para qualquer ação de marketing seja ela dentro ou fora da internet, é a capacidade de atingir o público certo. O Adwords permite criar segmentações para direcionar os seus anúncios apenas para as pessoas que você deseja.  Você pode criar segmentações por país, estado, cidade, interesses, horários, dispositivo, entre diversas outras opções.

Imagine que você tem um restaurante e deseja atrair mais consumidores no horário de almoço. Com o Adwords você consegue criar uma campanha para ser ativada apenas no horário de almoço, por exemplo, das 10 horas da manhã até o meio dia. Você pode ainda limitar o alcance de seu anúncio apenas para as pessoas num raio de 3 km de seu estabelecimento. Dessa forma, seu anúncio aparecerá apenas para pessoas mais próximas e no horário com mais probabilidade de estarem buscando um restaurante para almoçar.

 

2- Orçamento controlado: você só paga se o cliente clicar em seu anúncio

No Adwords, o seu orçamento fica sob seu controle. Você pode decidir exatamente o quanto deseja investir por dia e não há valor mínimo. Outra grande vantagem do Adwords é seu modelo de cobrança. O mais comum é o CPC (Custo por Clique) onde o anunciante só paga quando o usuário clica no link do anúncio.

Existem outras modalidades de cobrança, como o CPM (Custo por Mil impressões), onde o valor é debitado a cada mil impressões que seu anúncio recebe. Com base nestas modalidades, a sua empresa pode realizar o cálculo do CPA (Custo por
Aquisição) a cada conversão de vendas e/ou o CPL (Custo por lead), que se dá quando você recebe os dados de contato de um potencial cliente, com grande propensão de venda.

 

3 – Os resultados são facilmente mensuráveis

Diferentes de outras formas de marketing, o Google Adwords permite saber exatamente quais os resultados seus anúncios estão gerando. Através de relatórios detalhados, o anunciante consegue saber exatamente quantas pessoas clicaram no link, quantas visualizações seu anúncio recebeu e até mesmo quantos clientes finalizaram o processo de compra do seu site.

Integrando o AdWords ao Google Analytics, software de análise e métricas, você recebe relatórios ainda mais completos, que possibilita descobrir quanto tempo o usuário permaneceu em seu site, quais páginas receberam mais cliques, a taxa de rejeição, entre muitas outras métricas.

 

4 – O Google Adwords fornece insights valiosos sobre o seu mercado de atuação

Compreender seus clientes é a chave para descobrir quais são suas reais necessidades e direcionar seus esforços para atendê-las da melhor maneira possível. Nos meios tradicionais, isso é difícil de ser analisado, e questionários e entrevistas com consumidores geram apenas resultados limitados.

O Google Adwords, por outro lado, produz informações valiosas sobre os hábitos dos clientes, desde a localização, os dispositivos que utilizam, os horários e dias que buscam informações, entre outras análises essenciais para qualquer empreendedor. Essas informações podem ser utilizadas para melhorar seus produtos e serviços e torna-los mais relevantes para seus clientes.

 

5 – Seu concorrente já está anunciando

O Adwords já se tornou uma ferramenta quase obrigatória para qualquer empresa que deseja ter presença na internet e provavelmente seus concorrentes já entenderam isso. Se você ainda tem dúvida, digite no Google os serviços que sua empresa oferece e veja os resultados que aparecem.

E aí, o que você achou desses tópicos? Sua empresa já investe em Google Adwords?

Aprenda como anunciar no Google e aumente as suas vendas (Guia Completo)

Aprenda a anunciar sua empresa no Google e aumente as suas vendas (Guia Completo)
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 14 de outubro de 2016.

 

O Google recebe cerca de 2.3 milhões de pesquisas por segundo. Esse dado revelador mostra a importância que essa plataforma adquiriu nos dias de hoje, tanto para o usuário como para as empresas que desejam atrair para si uma fatia desses potenciais clientes. Aprenda agora como anunciar no Google e comece a aproveitar todas as oportunidades que essa plataforma oferece para aumentar suas vendas.

 

Como o Google funciona

Os resultados de uma pesquisa no Google são gerados de duas formas, através de resultados orgânicos e links patrocinados. Entenda como cada um funciona:

Resultados orgânicos

Os resultados orgânicos, ou resultados naturais, são os sites que o algoritmo do Google julga como sendo mais relevantes para as palavras-chave que o usuário digita na caixa de pesquisa. A posição desses sites nos resultados é definida através de diversos critérios, que envolvem ter conteúdo original, fazer um bom uso das palavras-chave, ser adaptado para dispositivos móveis, entre outros fatores que aumentam o grau de relevância e melhora o site no ranking.

Os sites que aparecem na busca orgânica são definidos exclusivamente pelos algoritmos do Google, sendo assim, a única maneira de melhorar a posição de seu site é investindo em técnicas que esses algoritmos valorizam. Esse processo é conhecido como SEO, – do inglês Search Engine Optimization – um conjunto de técnicas que busca adicionar ao seu site as funcionalidades que o Google valoriza.

Links patrocinados (Google Adwords)

Os links patrocinados funcionam através de um sistema de gerenciamento de anúncios chamado Google Adwords, na qual as pessoas ou empresas pagam para adicionarem seus links nas páginas de resultado. O Adwords opera através do sistema de PPC (Pay-per-Click), ou seja, quando o internauta clica no anúncio um pequeno valor é descontado.

Os links patrocinados possuem algumas vantagens sobre os resultados da busca orgânica, como a possibilidade de acrescentar diversos recursos, como telefones, links para baixar aplicativos, mapas, etc. Essa modalidade, ainda permite segmentar os links para que eles apareçam para públicos específicos, em horários e localidades predeterminados, elevando muito as chances de efetividade do anúncio. Portando, os links patrocinados são a forma mais rápida de sua empresa aparecer no Google no momento em que seu cliente estiver procurando pelos seus serviços.

 

Como anunciar no Google: primeiros passos

O primeiro passo é realizar o cadastro no Google Adwords. Feito isso, é hora de estruturar sua campanha de marketing.

 

Como estruturar sua campanha

Estruturar corretamente a sua campanha é uma das melhores maneiras de garantir um melhor aproveitamento do seu investimento.

A estrutura do Google Adwords segue essa forma:
• Conta: Onde ficam seus dados de acesso e controle do faturamento;
• Campanhas: Abaixo da conta ficam as campanhas. Aqui é onde você definirá a segmentação de seu anúncio, ou seja, para que tipo de público ele deve aparecer. Entre as opções de segmentação, há algumas possibilidades: por país, idioma, localização, horários, entre outros.
• Grupos de anúncios: Aqui é onde seus anúncios serão efetivamente criados e as palavras-chave que o ativarão serão escolhidas.

Para ilustrar o funcionamento dessa estrutura, veja o infográfico abaixo, que exemplifica como uma campanha para uma loja de sapatos poderia ser estruturada:

Como anunciar no Google

 

 

Rede de pesquisa ou Rede de Display?

Ao criar sua campanha no Google Adwords você deverá escolher entre a Rede de Pesquisa ou a Rede de Display. Conheça a diferença entre eles:

Rede de pesquisa

São os famosos anúncios em texto que aparecerem na página de pesquisa. Esses anúncios também podem aparecer em diversos portais parceiros do Google, além do próprio site do Google. A principal vantagem da Rede de pesquisa é que seus anúncios só aparecerem para os usuários que pesquisam pelas palavras-chave, o que aumenta muito as chances de seus anúncios serem relevantes, já que o cliente já demonstra interesse no que sua empresa oferece.

Rede de Display

A rede de Display são os banners que podem ser vistos em diversos portais pela internet. Os seus anúncios aparecerão em portais parceiros do Google, que podem chegar a milhões de sites sobre diversos assuntos diferentes e relacionados com o conteúdo do seu anúncio. A principal vantagem deste tipo de anúncio é que ele se torna mais atrativo para o usuário, pois podem ser criados com diferentes formatos, desde imagens, vídeos e até anúncios interativos.

Qual utilizar?

Você pode utilizar ambos para maximizar seus resultados. Os clientes de uma oficina mecânica, por exemplo, só procuram os serviços quando precisam de consertos para seu carro, portando, faz sentido anunciar na rede de pesquisa. Contudo, o Google, ao identificar esse interesse do usuário, pode passar a exibir os banners da rede de display para o usuário, maximizando a eficiência do anúncio.

 

Qual modelo de cobrança escolher?

O Google Adwords possui diferentes modelos de cobrança e a melhor opção dependerá do tipo de anúncio de sua empresa. Conheça alguns:

• CPC (Custo por Clique): Você pagará apenas quando seu anúncio receber um clique.
• CPM (Custo por Mil Impressões): Esse formato é ideal para anúncios em grandes portais, pois você só paga a cada mil visualizações que seu anúncio aparece.

 

Investimento

Nós recomendamos iniciar seu investimento a partir de R$ 500,00/mês, pois esse valor permite uma boa exibição de seus anúncios e é capaz de trazer um bom retorno. Porém, quanto maior o valor investido, melhor o retorno para o seu negócio.

 

Quer ter ainda mais sucesso com seus anúncios? Contrate uma equipe profissional

O Google Adwords é uma ferramenta muito completa capaz de trazer ótimos resultados para qualquer tipo de negócio, porém, qualquer equívoco pode fazer com que seu orçamento não alcance o potencial máximo. Por isso, contar com uma equipe profissional pode fazer toda a diferença para maximizar os ganhos de seus anúncios e a receita de seu negócio.

O que você achou desse guia? Ficou alguma dúvida sobre como anunciar no Google? Se inscreva em nossa newsletter para receber mais conteúdo de marketing digital para melhorar sua empresa.

Um dos maiores inovadores do mundo te ensina como ser mais criativo

Tom Kelley - Um dos maiores inovadores do mundo te ensina como mais criativo
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 13 de outubro de 2016.

 

O que você faz quando é obrigado a encontrar uma solução criativa? Escolhe a primeira e mais fácil alternativa que vier à cabeça? Ou decide insistir em tentar entender o problema e em buscar uma solução fora da caixa? Afinal, como ser mais criativo? Acredite se puder, mas apenas 25% das pessoas acreditam estar exercendo todo o seu potencial criativo. Esse foi o resultado de uma pesquisa realizada pela Adobe com 5 mil adultos. O dado foi citado em uma palestra do especialista em inovação Tom Kelley.

Kelley é um dos inovadores mais respeitados em todo o mundo. Ele é autor do best seller A arte da inovação e gerente-geral de inovação da IDEO, a empresa de design mais famosa do Vale do Silício – e que foi fundada pelo irmão dele, David Kelley. A IDEO é conhecida por promover o conceito de “design thinking”, um método para inovação e solução de problemas de forma criativa focado no consumidor.

Em sua palestra, Kelley cita os principais passos para qualquer pessoa tornar-se mais criativa. Segundo ele, não existe ninguém incapaz de ser criativo. Você se lembra de quando era criança e toda hora inventava algo novo? Kelly afirma que você não perdeu essa capacidade, apenas precisa aprender a desbloquear o seu potencial criativo.

 

Confira as dicas de David Kelley:

1. Escolha ser criativo

Kelley cita o pesquisador Robert Sternberg, da Universidade de Yale, que estudou criatividade por 30 anos e identificou que todas as pessoas conhecidas por serem muito criativas escolheram ser criativas em algum momento. “Se você quer ser extraordinário, pare de se comportar de forma ordinária”, diz Kelley. O problema, segundo ele, é que ao nos tornarmos adultos, o “modo criativo” deixa de ser padrão no nosso cérebro.

Escolher a criatividade conscientemente é a forma de criar a coragem necessária para tomar os próximos passos rumo à criatividade. Sim, porque todos sabemos, conseguir apoio em uma empresa ou da família, por exemplo, para executar uma ideia inovadora e inesperada, não é lá a coisa mais fácil do mundo. Não desista! Escolha o caminho mais criativo.

2 . Capture suas ideias

Seja em um caderno ou no celular, anote as ideias que passam pela sua cabeça. Não importa o quanto elas pareçam bobas ou insignificantes inicialmente. A sua memória recente é curta, diz Kelley, e é anotando que você será capaz de guardar algumas ideias que não fazem sentido inicialmente, mas podem gerar associações inesperadas e ideias originais no futuro.

Dê uma chance para as suas ideias mais malucas. E tenha sempre algo onde anotar suas ideias perto de você. Às vezes, o seu momento mais criativo no dia pode ser enquanto está no transporte público ou naqueles 5 minutinhos a mais que você fica na cama depois que o relógio desperta pela manhã.

3. Aprenda a se distanciar dos problemas

A melhor forma de encontrar uma solução criativa quando você está envolvido em um problema é, ironicamente, se distanciar do problema que você deseja resolver. O segredo para fazer isso é tentar pensar no problema em um outro contexto. Imagine como você resolveria o problema se fosse outra pessoa. Ou daqui a dez anos. Ou se estivesse em outro País.

Só de pensar no problema em outro contexto, com alguma distância mental, você será capaz de gerar ideias mais rapidamente, garante Kelley, que já testou o método centenas de vezes na IDEO. Na hora de pensar nas soluções, diz ele, não esqueça também de sempre questionar o status quo.

4. Quando o problema for desconhecido, tenha empatia

Quando em vez de muito próximo, você se sente muito distante do problema, a chave para encontrar uma solução criativa é exercer empatia. Se coloque no lugar de outras pessoas, dos seus clientes… literalmente! Vivencie a rotina do seu público-alvo por um dia. Por exemplo, se você quer vender um produto para pessoas que usam o transporte público, passe um dia andando de transporte público, observando e experimentando as dificuldades e facilidades de usar esse tipo de transporte.

Entenda o que esse público realmente precisa e em qual contexto usaria o seu produto. Você também precisa conversar com o seu público-alvo e entender suas motivações. Observe como o seu público realiza as atividades cotidianas. Ao entender a lógica por trás da forma como as pessoas se comportam, você será capaz de criar melhores soluções para as necessidades delas. “Trate a vida como um experimento. Aprenda a observar e ouvir as outras pessoas sem julgar”, disse Kelley.

5. Teste as suas ideias

Depois de seguir os passos acima e ter uma ideia criativa, o que você faz? Teste a sua ideia! Se possível, em menos de uma hora. A ideia é fugir da auto-censura e obter um retorno rápido sobre a sua ideia. Se você sonha em criar um blog ou um canal no YouTube, por exemplo, sente agora, crie o primeiro conteúdo e coloque no ar. Veja como as pessoas reagem. E continue melhorando seu projeto a partir do retorno que receber.

Pensou em criar um produto? Crie o primeiro protótipo da forma mais simples possível, com o que você tiver disponível. Mostre para um possível cliente. Veja como ele reage. Entenda se construir o que você pensou é viável. Aprenda com o retorno das outras pessoas e eventuais falhas. Kelley diz que as pessoas que consideramos incríveis e geniais em algo não são necessariamente melhores do que nós. Elas apenas tentaram mais vezes. O dado é científico.

O psicólogo americano Dean Simonton estudou grandes nomes como Picasso, Einstein, Beethoven e Shakespeare e identificou que apesar de todos terem obtido reconhecimento, cada um produziu centenas de trabalhos na sua área até algumas obras tornarem-se especialmente bem-sucedidas. Eles passaram anos criando obras que passaram despercebidas até serem reconhecidos. Uma das melhores formas de aprender, segundo Kelley, é tentando e falhando.

Felippe Scozzafave, Redação

Wearables: um sonho próximo da realidade

Wearables: um sonho próximo da realidade
Originalmente publicado por ReachLocal Brasil, em 6 de outubro de 2016.

 

O que são “Wearables”?

Presente em todas as tendências de marketing digital, no início do ano, os wearables realmente são fascinantes e apresentam infinitas oportunidades.

Wearables, que numa tradução para o português poderíamos entender como ‘vestíveis’, seriam basicamente tecnologia aplicada em acessórios, roupas e tudo que se possa vestir. Ou seja, a tecnologia móvel utilizada de forma cômoda para comunicar, informar e entreter ainda mais os indivíduos.

Com possibilidades que podem integrar ainda mais o ser humano a internet, os wearables a cada dia que passa vai deixando de ser algo distante para se tornar algo mais concreto. Mais real.

 

Novos lançamentos a cada dia

Os wearables, que fazem parte do conceito da internet das coisas, já conta com uma série de produtos interessantes no mercado. Sem dúvida, o produto mais conhecido é o Apple Watch. O relógio inteligente da Apple conta com recursos semelhantes ao smartphone.

Lançado em abril de 2015, o produto é um sucesso de vendas. De acordo com a matéria publicada no Wall Street Journal, baseada em dados liberados pela própria Apple, foram vendidos mais de 12 milhões de smartwatches no 1o ano do seu lançamento. O resultado é superior ao Iphone, se comparado os primeiros 12 meses de vida de cada produto.

 

Experiências no Brasil

Aqui pelo Brasil, os patrocinadores dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Visa e o banco Bradesco, prometem novidades wearables também. É a pulseira Bradesco Visa, que permitirá que os consumidores possam efetuar compras por meio da tecnologia de aproximação, o NFC (Near Field Communication). Basta o consumidor aproximar o acessório no terminal de leitor, que a compra é realizada. Sendo que compras com valores de até R$50,00 não será necessário digitar a senha.

Tal novidade divide opiniões: há quem se entusiasme e há também aqueles que se sintam inseguros com esta solução. O fato é que o produto ainda é tratado como um piloto e, por isto, estará restrito a 3 mil pessoas, pré-selecionadas pelas próprias empresas para utilizar o produto durante os jogos olímpicos.

 

Protótipos  em testes

Pela internet, encontramos produtos interessantes, como o IOptik, da empresa Innovega. É uma lente de contato usada juntamente com óculos especiais, permitindo imagens incríveis de realidade aumentada – abaixo, um vídeo demonstrativo. No mesmo segmento dos óculos, destaco também o Google Glass.

Ainda sem data prevista para o novo lançamento, o produto causa grande expectativa no mercado. Os óculos do Google permitiriam as pessoas fazer ligações, gravar vídeos e até tirar fotos em um piscar de olhos – literalmente.

 

Possibilidades futuras

Acredito que os wearables serão úteis em diversos segmentos e setores. Há projetos de luvas que atendem ligações, jaquetas que possuem fones de ouvido e muito mais. Parece que estaremos num filme do 007. Outro dia, correndo no parque, imaginei como este conceito poderia salvar vidas se aplicado na saúde.

Considere que os wearables pudessem monitorar o individuo: 24 horas por dia e 7 dias por semana, por meio de um simples acessório. Um monitoramento realmente completo. Uma alteração na saúde ou até mesmo um acidente repentino poderia ser rapidamente detectado e socorrido, evitando maiores problemas ou até salvando uma vida.

Para concluir, acredito que os wearables estarão mais presentes na sociedade, fazendo parte do nosso dia a dia, de 1 a 2 anos, assim como a internet das coisas. As marcas já sabem disto: se articulam, investem ou estão atentas a este novo mercado. Seja como criadoras, seguidoras e ou até mesmo patrocinadoras.

E a tecnologia continua fascinante. Nos permite sonhar como se tudo fosse possível. Como se tudo pudesse fazer parte de uma simples realidade.