Como é o comportamento do consumidor no mercado imobiliário?

Comportamento-mercado-imobiliario-reachlocal-brasil

É importante entender que o comportamento do consumidor no mercado imobiliário mudou. Assim, quando uma empresa não se adequa ao perfil do novo consumidor, ela se torna ultrapassada e tem menores chances de atrair novos clientes.

Portanto, compreender quais são os gatilhos mentais que estimulam o consumo é fundamental para saber como atuar e direcionar estratégias eficazes para a geração de demanda nas imobiliárias. Quer saber mais sobre o assunto? Então continue a leitura!

O que é gatilho emocional no comportamento do consumidor no mercado imobiliário?

Os gatilhos emocionais são todas as reações, boas ou ruins, que uma pessoa tem mediante a alguma situação que aconteceu durante o seu dia. Ou seja, eles são as emoções construídas a partir de experimentações vividas pelo indivíduo e, em sua maioria, desenvolvidas durante a infância.

Como diariamente as pessoas recebem diversos estímulos, esses gatilhos emocionais influenciam diretamente no comportamento humano. Por exemplo, em consequência a alguma emoção positiva, pessoas podem tomar ações impulsivas, como comprar algum produto ou serviço que complemente a sua experiência.

Com a nova realidade do mercado, na qual os consumidores têm à disposição praticamente todas as informações necessárias, é preciso entender quais são os novos fatores que os levam à decisão de compra. Afinal, dados demográficos como idade, sexo e faixa salarial, não têm a mesma representatividade de compra como antes.

Além disso, podemos afirmar que, hoje, as experiências e emoções, que são ou serão, vividas pelo consumidor também são aspectos bastante relevantes no momento da decisão de compra.

Dessa forma, é preciso que empresas e profissionais do setor imobiliário se adaptem, garantindo que as emoções que serão experimentadas pela aquisição de um imóvel gerem oportunidades e favoreçam às vendas.

Quando compreendido esses gatilhos é possível criar estratégias que despertem emoções conscientes e subconscientes, podendo ser a chave de sucesso das empresas do setor imobiliário.

Qual o comportamento do consumidor no mercado imobiliário?

Tem maior senso crítico

De acordo com dados da revista Exame:

Perfil-do-consumidor-do-Mercado-imobiliario-reachlocal-brasil

Ou seja, eles têm uma alta capacidade de questionar e analisar todas as informações disponíveis para tomar decisões mais racionais e inteligentes.

Sendo assim, podemos dizer que os consumidores do mercado imobiliário desenvolveram o comportamento de avaliar os aspectos qualitativos e quantitativos antes da tomada de decisão. Além disso, com a maior consciência socioambiental, as pessoas que antes buscavam imóveis amplos e luxuosos, hoje preferem a simplicidade, praticidade e autenticidade.

É mais seletivo

Antigamente, a maior demanda era por imóveis espaçosos e confortáveis para a família, localizados em bairros nobres da cidade. Hoje, a localização ainda é um gatilho emocional importante na hora da decisão da compra de um imóvel. No entanto, a ideia agora é que quanto mais estruturada for a região, melhor será a experiência vivida.

Nesse sentido, a comodidade de estar próximo a escolas, supermercados, shoppings e farmácias proporcionam a experiência de ter mais qualidade de vida, somado à segurança da região e a distância do local de trabalho —, que também são fatores avaliados no momento da decisão de compra ou locação.

Sendo assim, é possível perceber que o comportamento do consumidor está diretamente ligado à praticidade experimentada durante seu cotidiano, e não apenas na luxuosidade do imóvel. Prova disso é que imóveis menores, porém bem localizados, têm maior demanda se comparado com os mais amplos e em regiões mais afastadas.

Busca mais informações

Atualmente, encontrar informações para sanar quaisquer dúvidas é muito mais simples. Sites de pesquisas, como o Google, redes sociais, blogs e e-mails marketing são as principais fontes de informações do novo consumidor. Assim, antes de qualquer tomada de decisão são feitas diversas pesquisas para garantir que a melhor escolha seja feita.

Além de buscar informações sobre os imóveis, o consumidor incluiu no seu comportamento a procura por empresas que têm melhores avaliações e reputação. Agora, a opinião de antigos clientes, também são relevantes.

Os novos compradores tendem a optar por aquelas empresas que se preocupam com o atendimento. Por isso, as experiências de compra não podem mais se encerrar no momento da assinatura do contrato. O relacionamento da empresa com o cliente deve acontecer antes, durante e depois da compra.

Tem maior ascensão econômica

Antigamente o consumidor comprava seu primeiro imóvel com aproximadamente 40 anos. Ele, normalmente, pertenciam à classe média alta, e desejava proporcionar conforto e comodidade à sua família.

Porém, segundo a Revista Exame, a idade média de compra atual reduziu para 33 anos. Além disso, existem outros estudos que mostram o crescimento do público com idade entre 21 e 25 anos que estão adquirindo o seu primeiro imóvel.

Ou seja, apesar das incertezas políticas e econômicas, a capacidade e intenção de compra de imóveis está diferente. Não é mais seguro criar segmentações exclusivamente de público conforme a faixa etária visto que, cada vez mais, jovens têm interesse em nesse mercado, e buscam o setor imobiliário como meio de aplicação de seus investimentos.

Por que acompanhar a evolução deste comportamento?

Diversas mudanças no comportamento do consumidor marcaram o mercado imobiliário, principalmente pela popularização da internet e a facilidade de adquirir imóveis. Por isso, as empresas desse segmento devem estar atentas ao novo comportamento, para identificarem os gatilhos emocionais que levam os clientes a tomarem as decisões de compra.

Além de utilizar as informações demográficas e sociais, saber se conectar com os clientes, mostrando as experiências que podem ser vividas ao adquirir um imóvel, despertam emoções de felicidade, compromisso, satisfação e segurança. Ou seja, identificar os gatilhos emocionais que influenciam a decisão do comprador é uma “carta na manga” para as empresas.

Portanto, lembre-se que o comportamento do consumidor no mercado imobiliário está voltado e direcionado para a busca por experiências — e cada indivíduo tem a sua. Assim, é possível adaptar as estratégias e as abordagens dos corretores, para atrair mais clientes.

Viu só como o comportamento do consumidor no mercado imobiliário mudou? Que tal aproveitar para compartilhar este post no Facebook, Twitter e LinkedIn para que mais pessoas também fiquem informadas acerca do assunto?

Por que investir na qualificação de leads da imobiliária?

Será que a sua imobiliária está aproveitando da melhor forma possível as oportunidades de mercado? Como é a qualificação de leads na sua empresa? Essas duas perguntas estão interligadas. Se você ainda não sabe o que é essa qualificação, certamente está deixando passar muitas possibilidades de gerar vendas.

Neste conteúdo, vamos mostrar o que são leads, a importância de qualificá-los e como fazer isso. Com essas informações você poderá ter mais sucesso no seu negócio. Confira!

O que são leads?

Sabe quando você está muito interessado em comprar um produto ou contratar um serviço e busca informações sobre isso? Na internet é bem comum que as lojas peçam seus dados, como nome e e-mail, para enviar notícias, promoções, novidades e outros conteúdos relevantes.

Na verdade, quando as marcas captam suas informações, elas estão lhe transformando em um lead, ou seja, você deixa de ser somente um desconhecido para ser um potencial cliente, com dados conhecidos para manter contato.

Então, podemos dizer que lead é um potencial cliente que demonstrou interesse em adquirir um produto ou serviço e forneceu à marca os seus dados de contato.

Qual é a diferença entre um lead bom e um lead ruim?

É claro que todas as marcas investem em diferentes estratégias para fazer essa captação de leads. Afinal, quanto maior for a base de leads, maior será a probabilidade de converter em vendas, certo? Na verdade, não é bem assim.

Para transformar os visitantes de um site em leads, as empresas utilizam algumas técnicas, tais como:

  • landing pages, páginas de conversão em que a companhia oferece algo em troca do cadastro;

  • pop up, aquelas mensagens surgidas na tela do computador ou dispositivo móvel na tentativa de que o usuário tome uma ação, normalmente de cadastro;

  • assinatura de newsletter, é quando o visitante deixa o seu e-mail para receber notificações da empresa;

  • entre outros meios.

Porém, nem sempre o lead que se cadastra em uma dessas técnicas possui o real interesse em adquirir a solução ofertada. No caso de imobiliárias, muitas pessoas sonham em ter a casa própria ou alugar o apartamento dos sonhos, mas ainda não estão preparadas para isso e estão apenas querendo obter informações. Isso gera leads bons e ruins.

Os leads bons são aqueles que se cadastram no interesse de receber mais informações, eles realmente querem avaliar um imóvel na intenção da compra. Esses leads merecem a atenção dos times de marketing e vendas para gerar os negócios.

Já os leads ruins não têm a intenção de compra, ou até têm, mas não são clientes ideais para a marca.

Como criar a qualificação de leads?

Diante de leads bons ou ruins, como criar essa distinção e focar os esforços somente para aqueles que podem ser convertidos em vendas? Por meio da qualificação.

Você pode pensar que o melhor a se fazer é atender todos os leads. Em um negócio que está em fase inicial, com uma base de leads pequena e precisando escalar rápido, atender o máximo de leads pode ser interessante, até mesmo para conhecer o público.

Porém, quando o negócio cresce e o número de leads se torna maior do que a capacidade de atendimento do time de vendas, as coisas devem ser priorizadas. Não basta só contratar mais vendedores, uma vez que eles não terão sucesso com os leads ruins. O foco é gerar a distinção, ou melhor, a qualificação de leads.

Para efetuar isso, é preciso estudar o ponto em que o lead está:

  • se ele tem interesse de compra, mas ainda está em fase inicial, buscando informações;

  • se ele é qualificado e já está pronto para comprar;

  • ou se ele não é um bom lead.

Distingua a fase do lead

Encontrar qual é a fase em que o lead está é importante para saber qual é a tratativa com cada um. Se um potencial cliente busca informações iniciais sobre um imóvel, ele deve ser alimentado com dados sobre tal, sem pular etapas, ou seja, os vendedores não podem, ainda, tentar fechar a venda.

Já se o lead está totalmente interessado e possui as informações necessárias para concretizar o pedido, aquela venda se torna prioridade.

Crie uma rotina de nutrição

O segundo passo é criar uma nutrição de leads. Depois que eles se cadastrarem em uma das técnicas de conversão, a empresa deve criar estratégias para mandar os conteúdos certos, nos momentos adequados.

Podemos falar que a intenção de compra passa por quatro estágios:

  • aprendizado e descoberta;

  • reconhecimento de um problema;

  • consideração da solução;

  • avaliação e compra.

Crie materiais para cada um desses estágios e, no momento da conversão, tente buscar não só dados como nome e e-mail, mas também informações que ajudem a classificá-los nessas fases.

Insira pontos de venda na jornada

Por fim, lembre-se de sempre inserir pontos de venda na jornada do lead. De etapa em etapa utilize uma CTA, ou Call To Action, que significa chamada para ação.

A CTA é basicamente um indicativo do que o lead deve fazer, como conferir um novo conteúdo, passar informações sobre os locais dos imóveis, seguir a marca nas redes sociais ou outros diversos.

Como a tecnologia pode ajudar no processo?

Você viu que todo o processo de qualificação de leads tem várias etapas, desde a conversão, classificação em estágios, nutrição e tratamento para o fechamento da venda. Isso, projetado em uma empresa que tem alto tráfego no site, pode gerar um enorme trabalho. Por isso, contar com a tecnologia é fundamental.

Existem sistemas que possibilitam automatizar todo o processo, gerando mais autonomia ao seu time e aumentando a eficiência. Na imobiliária, não seria interessante que os vendedores ligassem para todas as pessoas que deixassem seus e-mails, mas se o sistema avisa quando esses leads estão realmente prontos para fechar um negócio, esse trabalho tem um rendimento muito maior.

Um sistema desenvolvido para esse tipo de trabalho pode aumentar bastante as vendas, mostrando aos envolvidos quais são os leads que devem ser priorizados.

O ideal é contar com a ajuda de empresas especializadas, que têm experiência e conhecimento necessários para desenvolver essas soluções em seus clientes.

Portanto, nunca ignore a qualificação de leads na sua imobiliária. A definição dos leads bons ou ruins pode fazer toda a diferença no seu negócio, gerando mais vendas e lucratividade, otimizando o trabalho e tornando a empresa uma referência.

Agora que já sabe como trabalhar a qualificação de leads, continue aprendendo e leia nosso conteúdo sobre o comportamento dos consumidores no mercado imobiliário!

6 tendências de marketing para educação que você deve conhecer!

Em diversas áreas criativas, a busca por informações sobre tendências é importante. O mercado muda muito rápido, e com o marketing para educação não é diferente —  a cada nova tendência, abre-se um leque de possibilidades.

Neste post, você vai ver um pouco sobre quais são as tendências de marketing, como se relacionam com o mercado educativo e qual é a melhor forma de levá-las para a sua empresa. Preparado? Então vamos lá!

1. Exploração do machine learning

O machine learning é uma forma de tecnologia que tem sido cada vez mais explorada nas campanhas de marketing. Trata-se da capacidade de “aprendizado” de um software, trazendo inúmeros usos — entre eles, o de análise e previsão de padrões comuns no comportamento dos alunos.

Desse modo, as publicações se tornam mais personalizáveis e passam a ser exibidas apenas para o público mais propício a se interessar pelo conteúdo. Os algoritmos tendem a melhorar cada vez mais a capacidade de previsão e o acerto.

Nesse caso, o terreno ideal para explorar o mercado educativo com o uso do machine learning é a rede social. Por meio de anúncios, a mídia segmenta diversos tipos de público com base na forma de consumo.

Outra forma de usar o machine learning é por meio de um chatbot, ou seja, um software que se adapta às dúvidas mais comuns dos clientes e traz respostas automatizadas para agilizar e facilitar o atendimento.

2. Produção de vídeos

A produção de vídeos é quase um consenso na publicidade e não seria diferente no marketing para educação. Existe uma razão importante para isso — o consumo de vídeos tem crescido muito nos últimos cinco anos. Seja por vídeos longos no YouTube, seja por pequenos stories no Instagram, essa forma de conteúdo já está consolidada no cotidiano do público.

No mercado educativo, isso é ainda mais evidente. Afinal, uma videoaula costuma se mostrar como muito mais atraente para jovens alunos, às vezes até substituindo aulas tradicionais. Na web, torna-se possível pausar e voltar trechos no vídeo para que a exibição se adapte à velocidade de aprendizado de cada aluno.

Existem vários formatos de vídeos que podem ser explorados pela sua empresa: vídeo explicativo, vídeo institucional, vídeo tutorial, videoaula e por aí vai. É importante fazer um bom planejamento de marketing para encontrar os formatos mais agregadores e com maior potencial de viralização.

3. Mobile first

O mobile first é uma forma de corresponder a uma demanda importante — a de pensar a exibição dos sites com os smartphones em primeiro plano. E qual a razão disso? Se você acessasse um site há dez anos, certamente se depararia com algumas características da época — design robusto, textos feitos para exibição desktop e por aí vai.

Se, hoje em dia, você tentar acessar um site projetado daquela maneira por meio de um smartphone, provavelmente vai ter uma experiência ruim. Os textos serão de difícil leitura, o carregamento vai ser lento e a exibição das imagens não vai ser boa.

É para resolver esse tipo de problema que surge o mobile first, cada vez mais usado no marketing. A ideia é projetar a exibição do site e fazer com que o acesso por meio de smartphones tenha qualidade similar ao desktop.

Outra forma de fazer isso é por meio do design responsivo. E o que isso significa? Imagine que um mesmo site seja acessado por dois dispositivos com resoluções diferentes. A responsividade é a capacidade de uma página de moldar os elementos de forma a se adaptar às várias resoluções de diferentes telas.

4. Exploração do viral

O conteúdo viral é o que atrai mais visibilidade na web. A viralização acontece quando o post é compartilhado massivamente nas redes sociais, contando com inúmeros acessos e expondo a marca a vários possíveis alunos.

Se você já passou algum tempo nas redes, certamente reparou em como o conteúdo viral varia, desde memes até notícias. Nesse caso, o marketing viral é voltado a estudar o mercado, elaborar estratégias e produzir materiais que se espalhem facilmente na web.

Procure estimular os compartilhamentos e fazer diversas pesquisas de mercado para entender o tipo de conteúdo que ganha notoriedade na área educativa. Em alguns casos, uma forma mais criativa de post ganha espaço pelo retorno em compartilhamentos.

5. Automação

A automação de marketing é uma das formas de usar a tecnologia para executar ações de divulgação em larga escala. E o que isso significa? Na prática, que é possível mesclar a criatividade humana com os recursos das máquinas e ainda usar isso a favor da sua empresa.

Assim, torna-se possível disparar e-mails em grande proporção, nutrir leads, fazer uso de CRMs, organizar os seus times de marketing e vendas — favorecendo, principalmente, a economia de tempo.

Existem diversas plataformas que contam com uma série de recursos variados. O ideal é fazer a escolha de uma que se adapte às necessidades do marketing para educação.

6. Cloud computing

A cloud computing, ou computação nas nuvens, é a tecnologia responsável por dispensar hardwares pessoais e armazenar as informações direto na web. Assim, as possibilidades de envio e carregamento de dados se tornam maiores.

Entre as vantagens de optar pela nuvem, estão a redução de custos com compra e instalação de hardwares, a velocidade e o alcance amplo — com informações que podem ser acessadas no mundo inteiro.

Além de ser útil para o funcionamento interno da empresa, é possível, entre outras coisas, armazenar e disponibilizar cursos online e videoaulas graças a esse tipo de tecnologia, servindo como uma mão na roda para os alunos.

Acompanhar as tendências de marketing para educação, como você viu, pode trazer diversas sacadas sobre como melhorar as suas próprias campanhas e ainda conquistar novos alunos.

Lembre-se de que o ideal é contar com uma campanha completa de marketing, abordando o site institucional, a produção de conteúdo, os anúncios e por aí vai. As tendências são assimiladas para complementar a estratégia.

E você? Quer começar a sua estratégia com profissionais que realmente entendem do assunto? Então entre em contato com a gente!

E-mail marketing para instituição de ensino: vale a pena investir?

O e-mail marketing para instituição de ensino é um dos meios mais efetivos para a captação e fidelização de alunos. Apesar disso, ainda é um recurso pouco utilizado no cenário escolar. Essa estratégia é uma grande aliada para se relacionar não só com quem está matriculado, mas também com as pessoas interessadas que chegam por meio das ações de divulgação.

Atualmente, existem mais de 6 bilhões de contas de e-mail registradas globalmente e esse fenômeno é uma grande oportunidade de negócio para organizações de todos os nichos. Isso acontece porque já foi comprovado que as campanhas de e-mail segmentadas recebem 100,95% mais acessos que as sem segmentação.

Assim, as estratégias de e-mail marketing são um ótimo investimento com diversos benefícios que são essenciais para o crescimento do negócio. É difícil encontrar campanhas similares com essa eficácia e que apresentem o mesmo ROI.

Quer alavancar os seus resultados e destacar a sua instituição de ensino no mercado? Então, continue lendo este texto e veja o porquê de investir nessa estratégia. Boa leitura!

Quais as vantagens do e-mail marketing para as IE?

Adotar uma estratégia de e-mail marketing para a instituição de ensino pode fazer os resultados obtidos com as campanhas de comunicação decolarem. Isso se deve a uma série de praticidades obtidas por meio dos disparos e que, consequentemente, trazem bons frutos para o negócio.

Tem baixo custo

As estratégias de e-mail marketing oferecem um grande benefício para instituições de todos os tamanhos, que é o seu baixo custo de implementação e utilização. As ferramentas de disparo costumam trabalhar com um modelo de pagamento mensal proporcional à base de contatos e à frequência dos envios.

Essa mensalidade possibilita ainda acesso a diversas funções, como agendamento dos disparos, resposta automática, edição de templates, informações sobre o desempenho das campanhas, segmentação da base etc.

Permite mensagens automatizadas

Os disparos das campanhas de e-mail marketing podem ser automatizados, gerando mais produtividade com essa estratégia. Assim, o conteúdo certo chega à pessoa certa no melhor momento.

Desse modo é possível criar automatizações com base nas ações praticadas previamente pelos leads, como baixar um slide com o conteúdo de determinada aula e, também, nas ações realizadas no próprio e-mail, abrindo a mensagem ou clicando em algum link.

Facilita o processo de nutrição e conversão

O e-mail marketing é uma forma eficiente para a instituição nutrir a sua base de leads e, ainda, direcioná-los para a etapa de conversão, elevando os lucros do negócio. Assim, essa estratégia é eficaz para criar relacionamento com alunos em potencial e gerar aproximação com aqueles já matriculados.

Dessa forma, é possível oferecer mais conteúdos relevantes e com mais oportunidades de interação, abordando diversos assuntos de maneira direcionada e personalizada.

As ferramentas oferecem um grande poder de segmentação, o que possibilita direcionar conteúdos variados para a mesma base de contatos, de acordo com o perfil, região, gênero, idade e estágio do funil de captação de alunos, otimizando a eficácia das campanhas.

Além disso, a possibilidade de personalizar o conteúdo de cada e-mail gera proximidade com os contatos, trazendo mais engajamento para os disparos e para a instituição. Assim, é possível nutrir os alunos em potencial e guiá-los por todas as etapas do funil da educação até o momento de se matricularem.

Como implementar o e-mail marketing nas instituições?

Primeiramente, é muito importante contar com uma ferramenta e a estrutura corretas. Ainda, é necessário elencar questões como qual é o seu público-alvo, qual linguagem utilizar etc.

Crie a sua persona

A decisão fazer uma matrícula nem sempre vem dos alunos. É comum no ensino fundamental que os pais decidam esse assunto. Já no ensino médio, a opinião dos jovens pesa um pouco mais, principalmente por causa de grupos de amigos ou do interesse em determinados assuntos.

Com a riqueza de informações sobre o público, as ações de e-mail marketing passam a ganhar maior eficácia devido a um perfil mais segmentado e detalhado e que possibilita personalizar ainda mais o contato. Desse modo, a instituição faz com que o investimento nas ações seja mais direcionado e com maior velocidade de resposta sobre os resultados.

Por isso, elabore uma persona rica em detalhes que possam fortalecer a comunicação com o seu público e direcionar melhor as campanhas de e-mail marketing.

Avalie a linguagem da instituição

Sabemos que a elaboração de uma persona é muito importante devido à sua capacidade de alinhar as estratégias da instituição. Saber quais são as características dos estudantes com os quais deseja se relacionar permite nortear o planejamento das campanhas.

O que move a instituição de ensino são os serviços que ela oferece para a sua audiência. Conhecer os hábitos dos alunos possibilita desenvolver cursos e otimizar os métodos de ensino para serem mais eficazes.

Assim, saber com quem está se relacionando permite adotar uma linguagem comum e focar no desenvolvimento de novos serviços de educação, tornando mais prático encontrar maneiras de captar e reter estudantes.

Como o monitoramento de e-mail marketing pode ajudar?

As ferramentas de e-mail marketing são capazes de gerar diversos dados valiosos para a instituição reavaliar o seu planejamento estratégico de acordo com os resultados apresentados. As informações obtidas dão clareza sobre a efetividade das campanhas, fornecendo a porcentagem de e-mails disparados que foram entregues e abertos, e os que foram abertos e receberam cliques nos links.

Assim, é possível avaliar se a segmentação está correta, o quanto as campanhas estão melhorando em relação às anteriores e o que precisa ser aprimorado nas estratégias para otimizar ainda mais os resultados.

Vimos que implementar o e-mail marketing para instituição de ensino é uma tática valiosa quando se trata de captar e reter alunos e é muito acessível para todas as escolas e faculdades.

É essencial ter uma ferramenta que automatize o marketing e a gestão de leads, com conteúdo segmentado e mais efetivo. Além disso, é importante contar com a consultoria e assistência de um profissional especializado no assunto.

Para tanto, entre em contato conosco e conheça mais as nossas soluções que oferecemos para alavancar o seu negócio!

Aprenda a importância do fluxo de nutrição para imobiliárias

Todo profissional de marketing — ou dono de empresa — deve ser familiarizado com o conceito de fluxo de nutrição. Esse fluxo de nutrição para imobiliárias é uma técnica que está inserida na automação de marketing, que permite aproveitar melhor as oportunidades.

Nas imobiliárias, é fundamental saber trabalhar cada potencial cliente, uma vez que o comportamento dos consumidores mudou e, agora, as empresas precisam apostar na experiência completa e agradável.

Se você ainda tem dúvidas e quer saber mais sobre a importância do fluxo de nutrição para sua empresa, confira este conteúdo e veja como construir estratégias de resultados!

O que é fluxo de nutrição?

O fluxo de nutrição, basicamente, é um caminho lógico construído pela equipe de marketing e vendas para fazer com que os interessados em um produto ou serviço consigam ter as informações necessárias, avançar na jornada de compra e finalizar o pedido.

Essa jornada é criada com e-mails estratégicos. Cada mensagem contém as informações necessárias para que o lead avance no sentido de fechar a compra.

Nem sempre um lead está pronto para ser convertido em cliente. Mesmo que ele se cadastre em um formulário, peça informações no site ou entre em contato com um dos responsáveis, é bem provável que ainda precise de informações para embasar melhor a sua decisão de compra.

Para os vendedores, o contato direto com cada um dos leads interessados para passar essas informações se torna desinteressante, além de ser um processo muito caro.

Então, pensando nisso e utilizando os recursos da automação de marketing, cria-se o fluxo de nutrição.

Por que os fluxos são importantes para as imobiliárias?

O mercado imobiliário acena com um bom ano em 2019. Depois de um período de baixa, as empresas estão otimistas com um cenário político de maior estabilidade, além de uma recuperação na economia.

Essas informações mostram a grande importância que as empresas do setor veem em trabalhar melhor as oportunidades e buscar boas vendas. O fluxo de nutrição é uma estratégia essencial para isso.

Um ponto que deve ser analisado é que o fluxo permite trabalhar várias pessoas ao mesmo tempo, oferecendo o conteúdo adequado em uma mensagem personalizada. Isso, se fosse feito por vendedores, seria muito caro e ineficiente.

Quais são as principais dicas para criar o fluxo de nutrição?

Vejamos, agora, boas dicas de como criar o fluxo de nutrição, com um passo a passo.

Saiba o objetivo da campanha

O primeiro passo é identificar o objetivo da campanha. O que você quer alcançar com os e-mails? Qual é o caminho que os leads devem percorrer?

Essas questões são fundamentais para que você construa uma estratégia sólida e que gere resultados.

Faça uma análise do seu processo atual, identifique quais são os gargalos, quais as principais dúvidas de seus leads, as reais necessidades e como você pode oferecer conteúdo para sanar essas questões.

Determine a sua persona

O segundo passo é essencial na criação do fluxo de nutrição e, se você errar aqui, pode colocar tudo a perder!

Uma das características mais marcantes do fluxo é a possibilidade de criar toda uma estratégia de automação para uma grande quantidade de pessoas, mas, mesmo assim, ainda ter um contato personalizado.

Para isso, você precisa conhecer quem é seu público-alvo e determinar uma persona. A persona é a personificação do seu cliente ideal. É a projeção das características do cliente ideal da sua empresa em um personagem semi-fictício. Quando você escrever os e-mails do fluxo, deve imaginar que está criando as mensagens para esse personagem. Definir a persona é de extrema importância na hora de definir o seu fluxo de nutrição para imobiliárias

Pense em todos os estágios do funil de vendas

A jornada de compra tem diferentes estágios. Podemos separar todo o caminho em quatro fases:

  • aprendizado e descoberta;
  • reconhecimento de um problema;
  • consideração da solução;
  • decisão de compra.

Esses quatro estágios formam o funil de vendas. Na criação do fluxo, é fundamental pensar no modelo do funil para fazer com que os leads caminhem na direção da decisão da compra.

Você deve buscar informações do potencial cliente para, primeiro, inseri-lo na fase correta em que ele está, e, então, oferecer as mensagens certas.

Crie indicadores de desempenho

Para avaliar se suas ações estão tendo um bom desempenho ou não, você precisa criar indicadores. Os indicadores de desempenho, também chamados de KPIs (Key Performance Indicators), são capazes de demonstrar a performance da estratégia.

Por exemplo, se você criou o fluxo de nutrição, com uma sequência de e-mails para enviar aos leads, é interessante que acompanhe as taxas de abertura desses e-mails. Se essas taxas estiverem baixas, pode-se tentar alterar os títulos das mensagens para buscar melhores resultados.

Esse é só um exemplo para mostrar como os indicadores ajudam a otimizar as estratégias.

Faça um monitoramento constante

Não basta criar os indicadores se você não os acompanha regularmente. Por isso, o último passo para ter um bom fluxo de nutrição é o monitoramento constante.

Avalie seus indicadores e como as ações estão gerando vendas e resultados. Faça testes para validar hipóteses e buscar melhores efeitos.

Quais são os benefícios em contar com a ajuda de uma agência para definir o fluxo de nutrição para imobiliárias ?

O fluxo de nutrição está diretamente ligado com os resultados de sua imobiliária. Se as mensagens forem bem formuladas, pensando em toda a jornada de compra e no funil de vendas, mais oportunidades serão aproveitadas.

Além disso, a experiência gerada aos clientes pode ser aprimorada, tornando o atendimento mais personalizado e eficiente, com as informações necessárias para cada pessoa, no momento certo.

Com toda essa importância, contar com a ajuda profissional de uma agência especializada é a melhor solução. Os profissionais têm todas as ferramentas necessárias para otimizar o trabalho e aumentar as vendas rapidamente.

Como todo esse trabalho é mensurável, você acompanhará os efeitos trazidos pela agência, comprovando a eficiência e mantendo-se no controle das ações.

Portanto, vimos que trabalhar o fluxo de nutrição dentro de uma imobiliária é o caminho certo para atrair mais clientes e aumentar as vendas. O cenário atual é atraente e o mercado está se aquecendo. Agora, é hora de acertar as estratégias para buscar os melhores resultados.

Avalie cada uma das dicas que fornecemos e não deixe de contar com a ajuda de uma agência nessa caminhada. Entre em contato agora com um de nossos especialistas para ver como podemos ajudá-lo!

E aí, pronto para desenvolver o seu fluxo de nutrição para imobiliárias.

Como funciona a captação de alunos pela internet?

O processo de captação de alunos pela internet é indispensável para as instituições de ensino que desejam se manter competitivas no mercado. Redes sociais, sites ou mesmo plataformas podem ser meios de contato com os futuros alunos, ambientes cada vez mais destacados entre os jovens e de uso rotineiro por muitos.

Dessa forma, para que todas as estratégias de marketing digital garantam o retorno efetivo para as instituições, é importante saber como estruturar ações e implementar um planejamento efetivo. Para facilitar, separamos 6 dicas valiosas para aumentar a sua geração de oportunidades. Vamos lá!

Conheça a persona da instituição de ensino

Antes de começar, você sabe quais pessoas deseja alcançar? A persona é o perfil de um comprador com as características que representam um cliente ideal. Por isso, baseado em dados reais, além dos dados demográficos como idade, escolaridade, sexo e renda, você pode definir um nome, comportamentos, desafios e objetivos que a persona enfrenta no seu dia a dia. Assim, com todas essas informações, fica mais simples a instituição de ensino entender quem são e como se aproximar dos seus potenciais clientes.

Conhecer a persona é o primeiro caminho para facilitar a comunicação com o seu público. Afinal, é muito mais simples se aproximar de uma pessoa do que de um grande grupo! Ou seja, quando o objetivo é o de captação de leads, este personagem funciona como um guia na definição das estratégias do marketing educacional, garantindo que as pessoas certas serão alcançadas.

6 dicas para a captação de alunos na internet

1. Desenvolva estratégias de marketing digital

O marketing, hoje, deve ser planejado de maneira diferente se comparado com modelos de anos passados. Apesar de investimentos em ações offline ainda serem aplicáveis, como banners, outdoors e flyers por exemplo, é preciso pensar em estratégias de marketing digital associadas. Isso porque, com o aumento da concorrência no mercado educacional, é fundamental realizar campanhas de captação nos canais digitais para alcançar resultados eficazes e mensuráveis na captação de alunos e receber resultados concretos. além de se destacar entre os concorrentes.

Uma pesquisa feita pela EduTrends mostrou que 81,3% das instituições de ensino investem em marketing digital, e que o ROI por meio deste canal é de 82,4%. Ou seja, não ter uma estratégia online significa aceitar ficar atrás da concorrência. Por isso, conheça sua persona, entenda quais são as etapas da jornada de compra que ela percorre e planeje e execute ações que aumentem a sua captação de leads.

2. Mantenha seu site atualizado

Imagine um potencial cliente que chega no seu site e não consegue entendê-lo, que tem dificuldades em navegar por ele ou que não encontra a informação buscada. Muito provável que ele desista, abandone sua página e procure outros lugares, concorda?

O site é a vitrine digital da sua instituição de ensino. Garantir que ele tenha um design agradável, com páginas otimizadas e com conteúdos relevantes permite que os visitantes conheçam e obtenham todas as informações que buscam.

Por isso, trabalhe para mantê-lo atualizado e otimizado sempre, dessa forma você garante que o potencial aluno navegue mais, por mais tempo, ganhe confiança na instituição de ensino e aumente a probabilidade de fechar negócio.

3. Tenha conteúdos relevantes

Quando alguém tem uma dúvida, qual a primeira coisa que ela faz? Uma busca na internet. Sendo assim, a melhor maneira de conquistar a confiança de novos alunos e manter a credibilidade com os atuais, é fornecendo conteúdos relevantes. Se sua instituição se mostra sempre presente, entregando as respostas às dúvidas da sua persona, com certeza ela conquistará maior credibilidade nos canais digitais.

Por isso, por mais tentador que seja divulgar apenas informações dos curso, lembre-se que o usuário tem outras dúvidas antes de decidir comprar. Tenha em seu site um blog com informações que sanem os desafios na hora de escolher o curso ideal, por exemplo. Esses conteúdos do topo do funil da jornada de compra aproximam e aumentam a confiança do seu público, facilitando a captação de alunos.

4. Use as redes sociais e invista em mídia

De acordo com os dados do relatório do We Are Social, o brasileiro passa em média três horas e meia por dia navegando nas redes sociais. Então nem precisamos explicar muito, certo? Usar as redes sociais para a captação de alunos é indispensável. Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn são as redes mais utilizadas.

Mas, atenção! Não é porque existem muitos canais que sua instituição necessariamente precisa estar presente em todos. Como você definiu a sua persona e sabe qual o comportamento dela, entenda quais são as redes sociais que ela mais utiliza. A partir dessas informações, você pode estruturar campanhas, fazer investimentos em mídia paga e aumentar o público alcançado.

5. Use e-mail marketing

Quando um potencial aluno se interessa por assuntos que o blog está oferecendo e está disposto a manter uma comunicação, é preciso criar uma estratégia de relacionamento. Como exemplo, campanhas de e-mail marketing são excelentes para manter seu público engajado, acompanhar o comportamento dos usuários e entender ainda mais o interesse de cada um.

Isso porque o uso do e-mail marketing permite versatilidade na comunicação. Sua instituição de ensino pode enviar desde newsletter para alunos atuais e novidades para alunos potenciais, até oferecer ofertas e promoções. Sempre lembrando de entregar o conteúdo certo, para a pessoa certa e no momento ideal.

6. Utilize ferramentas de automação

Quando a sua instituição de ensino começar a captar mais alunos, precisará de ferramentas para auxiliar na gestão desta base de contatos.

Com certeza você não quer fazer campanhas aleatórias, entregando qualquer tipo de conteúdo para qualquer pessoa. Isso só prejudicaria a imagem da sua instituição e não traria o resultado de captação de alunos esperado. Dessa forma, é importante investir em uma ferramenta de automação que permita maior organização da sua base de contatos, assim como colocar em prática as estratégias de marketing digital desenhadas, analisar e otimizar suas campanhas. Além de facilitar o trabalho, você tem a possibilidade de coletar dados para construir uma base de conhecimento sobre o que funciona ou não e replicar sempre as melhores ações.

Concluindo, a captação de alunos por meio do marketing digital é essencial para as instituições de ensino que desejam se manter competitivas no mercado. Saber quem são suas personas, estruturar a estratégia de marketing digital – como otimizar o site, criar campanhas em redes sociais – e manter a comunicação por e-mail marketing simplifica o processo de geração de oportunidades de vendas. Então, para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Faceboook, Twitter, Instagram, LinkedIn e Youtube e fique por dentro das melhores estratégias do mundo digital!

OS BENEFÍCIOS DA DIVERSIDADE NO TRABALHO

Uma empresa é muito mais que um CNPJ ou apenas uma entidade que visa o lucro acima de tudo. Uma empresa tem um papel social importante. Em uma sociedade com tanta multiplicidade cultural, é importante que as organizações desenvolvam uma postura madura para encarar as diferenças. A diversidade no ambiente de trabalho é um fator que merece bastante atenção e que pode gerar uma série benefícios, se você desenvolver uma boa abordagem da questão.

Pensando nisso, confira algumas vantagens que podemos conquistar quando trabalhamos a diversidade da melhor maneira possível.

Melhores resultados

A diversidade nas organizações contribui para que a equipe alcance resultados mais positivos. Isso acontece porque o ambiente de trabalho é cooperativo, estimulante e acolhedor. Assim, os colaboradores se sentem mais motivados e engajados para realizarem suas atividades.

Com a melhor qualidade de vida da equipe, todos trabalham melhor e com mais efetividade. Esses fatores contribuem para que os resultados sejam melhores na corporação. Com essas consequências benéficas, a equipe fica mais estimulada, gerando um ciclo positivo no negócio.

Diminuição de Conflitos

Em organizações em que há uma cultura de respeito à diversidade, os conflitos são bem menos recorrentes. Como há uma política de boa convivência entre as diferenças, os colegas de trabalho podem ter mais facilidade para lidar com divergências entre eles. A política de respeito e tolerância estimula a capacidade de escuta e de buscar acordos dos profissionais.

Dessa forma, diferenças de opinião não desencadeiam em desentendimentos, rompimentos ou atritos. Elas são estímulos para a formação de uma construção cooperativa e para a busca de um consenso.

Diminuição da rotatividade

Quando há muita exclusão na equipe devido às dificuldades de convivência com diferenças, é comum acontecerem desligamentos da empresa. Às vezes, por não suportarem a dinâmica de segregação entre os colegas, alguns membros do time preferem sair do emprego. Esse processo é muito problemático. Equipes intolerantes tendem a ter um alto índice de rotatividade porque os profissionais não dão conta da exclusão.

Com um grupo diversificado e que acolhe as diferenças, os colaboradores se sentem mais seguros e acolhidos. Isso contribui para a cooperatividade e o senso de pertencimento. Assim, o turnover é bem menor na companhia.

Aumento da criatividade no ambiente

Em um ambiente que valoriza a diferença e que coloca a diversidade como um elemento que acrescenta para o negócio, os colaboradores sentem que têm mais liberdade para ter autenticidade e genuinidade no trabalho. Esse fator contribui para que haja mais originalidade na produção.

Além disso, o ambiente diversificado propicia condições para que novas ideias circulem entre os membros do time. Os profissionais ficam mais engajados e criativos, prontos para liberarem os seus potenciais.

Melhoria da imagem da empresa

Uma corporação que valoriza a diversidade está cumprindo com seu papel social. Isso contribui para que a organização seja bem-vista. Afinal, é uma postura de responsabilidade para com a sociedade.

Além disso, o aprendizado sobre a multiplicidade que os colaboradores têm na companhia é difundido no meio social pelos próprios profissionais. Quando vão para outros espaços, eles reproduzem os comportamentos de tolerância aprendidos no trabalho. Com isso, se tornam exemplos para as outras pessoas.

 

4 DICAS PARA SUA EMPRESA APROVEITAR O DIA DOS NAMORADOS

O dia dos namorados está chegando e é umas das datas que mais movimentam o mercado no Brasil. Em 2018, a data gerou R$ 1.8 bilhões e mais de 3.8 milhões de compras para o E-commerce. Em 2019, pesquisas do Google apontam que 62% dos internautas estão em algum tipo de relacionamento, destes, 52% pretendem presentear o seu parceiro no dia 12 de junho. Este ano promete trazer resultados acima da média. Sua empresa precisa aproveitar o dia dos namorados!

Pensando nisso, reunimos algumas ideias de como a sua marca pode aproveitar o Dia dos Namorados para conquistar mais clientes.

 

1- Use as redes sociais para celebrar e compartilhar o amor

Utilize o Facebook e o Instagram para promover produtos, posts de blog, sorteios, promoções e até compartilhar histórias de amor e cases de sucesso dos seus clientes. Datas comemorativas tendem a aumentar significativamente o engajamento de posts nas redes sociais. Aproveite esse momento e traga mais visibilidade para a sua marca.

Desenvolver anúncios de presença e performance podem ser uma ótima opção para a sua empresa, principalmente se você trabalha com produtos e serviços de viagens, reservas em hotéis, cestas, roupas e restaurantes. Confira a dicas que preparamos sobre como otimizar anúncios no Facebook e Instagram clicando aqui

2- Desenvolva conteúdo rico explorando a data

Você pode desenvolver posts sobre ideias exclusivas e românticas para celebrar a data, aproveitando o momento para conseguir bons posicionamentos na pesquisa do Google. Algumas sugestões são “as melhores surpresas para o Dia dos Namorados”, além de locais e experiências para a data. Conteúdos ricos com certeza é uma ótima forma para aproveitar o dia dos namorados da melhor forma possível.

 

3- Crie promoções com e-mail marketing e landing pages personalizadas

Datas comemorativas são oportunidades perfeitas para o envio de ofertas imperdíveis com um curto período de duração para a sua base de clientes e leads.

Caso você trabalhe com produtos específicos é importante que você segmente seus contatos em grupos para oferecer ofertas por afinidade. A segmentação aumenta as chances de as pessoas receberem e abrirem as mensagens que você envia.

Quando os clientes são impactados, por ações ou mensagens que não têm nada em comum com o seu perfil, a reação é de rejeição. Eles se incomodam com a sua comunicação e podem até bloquear o seu endereço.

Desenvolva um Call to Action que induza ao clique para aumentar as suas chances de conversão. Deixá-lo em destaque com um design chamativo e usar textos como “Eu quero” e “Aproveitar promoção” costumam trazer bons resultados.

Aproveite a data para personalizar a sua Landing page com o tema. Crie títulos simples e diretos e a menor quantidade de texto possível para que ela seja prática. Coloque sempre o formulário de contato em destaque com o menor número possível de informações necessárias. Landing pages precisam ser rápidas e práticas para aumentar as suas chances de prospecção.

 

4- Envie um e-mail de fidelização para os seus clientes

Aproveite o momento para fazer relacionamento com os seus clientes. Prepare um e-mail tematizado falando sobre o relacionamento entre empresa e consumidor, declare o seu amor em atendê-lo e exalte a sua importância para a empresa.

Seguindo essas dicas com certeza sua empresa poderá aproveitar o dia dos namorados

E aí, gostou das nossas dicas? Quer contar as ações que você já fez e deram certo? Escreva pra gente aqui nos comentários!

Entenda a importância dos diretórios de busca no marketing digital

Os mecanismos e diretórios de busca são ferramentas que os usuários usam para encontrar determinado site. A maioria dos usuários que navega na web usa mecanismos de pesquisa para encontrar um site, como o Google. Outros usuários chegam ao seu site a partir de diretórios.

Conhecer a diferença entre um mecanismo de pesquisa e um diretório é fundamental para qualquer pessoa que queira melhorar a visibilidade de seu site na web. Muitas vezes, alguns diretórios são definidos como motores de busca e, por vezes, alguns mecanismos de pesquisa são definidos como diretórios.

A principal diferença é técnica, a qual tem importantes repercussões durante a indexação (termo usado preferivelmente para os motores de busca) ou inserção (termo usado para diretórios). Entenda como realmente funcionam os diretórios de busca e qual sua importância no marketing digital. Continue lendo nosso artigo.

1. O que são diretórios de busca

Os diretórios de busca nada mais são do que sites que distinguem, coletam e descrevem outros sites. O Yahoo, por exemplo, nasceu como um diretório, embora sempre tenha sido chamado por muitos de mecanismo de busca, já que o objetivo dos mecanismos de pesquisa e dos diretórios é o mesmo (por isso a confusão).

Os diretórios de busca têm duas vantagens bem definidas:

  • para o usuário: permitem fácil acesso a sites úteis de acordo com suas necessidades;
  • para o cliente: fazem com que seu site seja o mais visível possível na web, dentro de um universo de várias bilhões de páginas, e que seja visível para palavras-chave específicas, e não genericamente para usuários que podem também não estar interessados em produtos ou serviços do site ou das publicidades.

O Yahoo atualmente pode ser considerado tanto um diretório quanto um mecanismo de pesquisa (os resultados estão integrados), mas originalmente era apenas um diretório. O Dmoz, ou ODP (Open Directory Project) provavelmente tenha sido o diretório mais conhecido e renomado existente. Infelizmente, depois de 19 anos no ar, seus criadores decidiram fechar as portas a partir de março de 2017.

2. Qual a diferença entre motores e diretórios de busca

Uma vez que o propósito do mecanismo e do diretório é o mesmo, como já dissemos, a principal diferença reside no fato de que os diretórios são coleções de sites reunidos com grande ajuda da mão de obra humana (por meio dos denominados editores). Já nos motores de busca, a coleção e a organização dos sites e páginas web é resultado do trabalho inteligente de softwares, comumente referidos como spiders, crawlers ou robots.

Essa distinção é fundamental para aqueles que desejam aparecer nos resultados dos diretórios e motores de busca. Para aparecer nos resultados de um diretório, você precisa relatar o seu próprio site para o diretório e solicitar que ele seja inserido. Obviamente, como o diretório distingue e organiza sites para permitir que os usuários encontrem o que estão procurando rapidamente, o pedido de inserção do site deve seguir as diretrizes do diretório em questão.

Por exemplo, você precisa prestar atenção na hora de escolher a categoria correta na qual vai inserir seu site. Se um site que fala sobre automóveis vem proposto como um site que fala de viagens, é evidente que há pouca possibilidade de ser aceito. Ao mesmo tempo, é importante que a descrição seja relevante e consistente com o conteúdo do site que deseja inserir. Descrições vagas, imprecisas ou mesmo falsas são o pior cartão de visita que se pode apresentar aos editores dos diretórios de busca.

3. Como os diretórios de busca ajudam as pequenas e médias empresas na obtenção de tráfego referencial

Os diretórios geralmente têm menos tráfego (em termos de usuários mensais únicos) que os mecanismos de pesquisa. Portanto, têm um público potencial menor do que os motores como o Google.

No entanto, deve-se notar que, embora sejam menores do que os de um mecanismo de busca, os acessos oriundos dos diretórios são de uma qualidade muito mais alta, uma vez que um usuário que acessou o site geralmente teve que procurar algumas páginas do diretório antes de acessá-los.

Isso significa que há maior intenção por parte do usuário, e essa maior intencionalidade (não apenas na internet) se traduz quase sempre em maiores taxas de conversão, ou seja, mais interesse nos produtos ou serviços anunciados no site.

Além disso, não se deve esquecer que os diretórios normalmente não possuem spam ou sites de baixa qualidade. Ou seja, ao contrário dos motores de busca, que apresentam uma infinidade de sites pobres e sujos (muitos realizados por black hat SEO para geração de grande tráfego), os diretórios de busca somente contêm sites que aparentemente podem satisfazer às exigências e necessidades do usuário. E isso se dá graças ao trabalho dos editores desses diretórios.

Por fim, é bom notar que estar nos diretórios também é crucial para obter uma boa indexação e boa colocação, mesmo nos motores de busca. Isso ocorre porque a maioria dos mecanismos de pesquisa — como o Google, principalmente — usa esses diretórios como ponto de partida para a navegação na web, além de também usá-los como termos de comparação para avaliar a qualidade de um site e depois decidir seu posicionamento.

4. Qual a relação dos diretórios de busca com a indexação no Google

Como destacamos há pouco, um diretório é simplesmente um site que contém uma listagem categorizada de links de toda a web. Eles ajudam os usuários a localizar os melhores e mais informativos links para uma categoria específica.

Desse modo, os diretórios são ferramentas importantes na criação de popularidade do link e, como resultado, ajudam a melhorar o ranqueamento e indexação dos mecanismos de pesquisa. Eles são uma excelente fonte de linkagens de entrada (inbound link), o que acaba gerando tráfego naturalmente para seu site, ajudando no ranqueamento do Google.

Quem conhece o básico de SEO sabe que o Google usa como um dos seus critérios de indexação a linkagem de outros sites que já estejam ranqueados em suas páginas de busca e que apontem para o seu site. Isso é problemático para domínios novos, pois é preciso construir aos poucos esse link building. E é justamente nesse ponto que um diretório de busca pode ser favorável para sites que ainda não estão indexados no Google.

Uma vez que os diretórios de busca são analisados por editores humanos, se o seu site for de qualidade, provavelmente será aceito. Isso vai contar pontos para, consequentemente, ser aceito também na indexação do Google, que busca sempre por sites de qualidade (e usa os diretórios de busca como referência para sua indexação).

É preciso também atentar para o fato de que existem dois tipos de diretórios: os gratuitos e os pagos. Nos gratuitos, os editores geralmente trabalham como voluntários, e podem levar muito tempo para analisar um site. Já nos pagos, o seu site é listado rapidamente, embora algumas taxas cobradas possam não valer a pena no caso de links caros que não sejam rentáveis.

5. Como os diretórios ajudam as PMEs a terem um bom posicionamento no ranking de busca do Google

Muitas pessoas já entendem o termo e o conceito de SEO, principalmente de que sua ideia gera tráfego (visitas) aos seus sites. Mas os diretórios de busca — embora menos conhecidos — são outra ferramenta importante para conduzir visitantes aos sites. Sendo assim, é fundamental saber que um diretório não é um serviço de SEO, mas é extremamente importante para o SEO, ou seja, para o ranqueamento no Google.

Os diretórios de busca podem dar maior visibilidade ao site e fornecer links de fontes confiáveis que podem impulsionar o ranqueamento no Google e em outros motores de busca.

Isso também pode ter o efeito de aumentar a quantidade de tráfego que vai para um site específico. Como a quantidade de links — sejam de saída, sejam backlinks — é crucial para o ranqueamento de sites nos motores de busca, é sempre importante que as empresas considerem a inserção nos diretórios de busca como opção complementar para aprimorar sua estratégia de link building.

Inclusive, as inserções em diretórios de busca têm se tornado uma prática cada vez mais comum, especialmente para as PMEs, que a adotam como forma de aumentar sua competitividade, pois é uma maneira útil de retornarem links para o seu site (o que vai gerar mais tráfego e melhorar seu posicionamento nas SERPs).

O fato de um site ter que ser aprovado por uma pessoa no diretório, e não por um robô ou software (como acontece nos motores) já é uma vantagem adicional. Automaticamente, isso dá ao site uma maior credibilidade e, portanto, aumenta a chance de classificar mais nos motores de busca.

6. O diretório de busca é uma estratégia cada vez mais presente no marketing digital das empresas

Aos poucos, o marketing digital vai substituindo as tradicionais técnicas de SEO. Ou melhor: vai aperfeiçoando-as. Nos dias atuais, é muito comum que, antes de encontrar a localização física de um lugar, uma pessoa procure-a em aplicativos como o Google Maps e em diretórios como o Yelp. Ignorar essas tecnologias é dar um “tiro no pé” em termos de marketing digital.

No mundo online em que vivemos, é necessário incluir esses elementos em uma estratégia de marketing digital, pois isso vai ajudar a aumentar sua presença online e a impulsionar o tráfego ao máximo. Mais ainda, isso deve ser conduzido de forma a garantir que os resultados sejam alcançados tanto online quanto offline.

A internet é um espaço gigantesco, cheio de negócios de todos os gêneros. Quando uma empresa é pequena, fica mais difícil ser vista por trás de todos os peixes grandes nesse mar que é o mercado online. Tendo isso em vista, as pequenas empresas precisam ser mais criativas com seus planos de marketing.

Um lugar inteligente para começar é justamente nos diretórios de busca. Como vimos até aqui, eles podem ser uma excelente estratégia de marketing para impulsionar uma pequena ou média empresa. Eles podem até mesmo ser considerados uma versão digital e aprimorada das antigas páginas amarelas das listas comerciais. Porém, é preciso ser proativo para conseguir chegar aos clientes. Veja algumas estratégias para usar os diretórios de busca:

6.1. Visibilidade com linkagem de entrada (inbound links)

Na maioria dos casos, você terá várias listagens dentro de vários diretórios comerciais locais. O negócio deve ter uma declaração simples sobre sua missão e produtos ou serviços.

Por causa desses links de entrada, os motores de busca tomam conhecimento. Seu ranking mudará à medida que mais pessoas clicarem e reconhecerem os links. As estratégias de marketing digital não podem ser muito mais simples do que usar os links extras para construir sua reputação no mundo virtual.

6.2. Categorização específica com marketing digital

Sua empresa não vai ser somente listada como uma entidade localizada em ordem alfabética. Embora existam alguns diretórios com essa configuração básica, você também vai poder incluir uma categorização.

Por isso, considere seu nicho no mercado e liste sua empresa em várias categorias que realmente descrevam seu negócio. Essas categorias podem ser amplas e específicas, uma vez que existem várias delas.

6.3. Benefícios da geolocalização

A sua categoria comercial também pode se estender à sua localização geográfica. Certifique-se de listar todas as cidades em que você presta serviço, incluindo os locais próximos. Quando os visitantes procurarem por uma empresa local, eles receberão seu nome no topo da lista. As geolocalizações estão organizando o mundo virtual comercial.

6.4. Geração de tráfego de diversos diretórios

Você só tem um site comercial para um propósito: conquistar seu cliente. Por isso, o tráfego (isto é, o volume de visitas ao site) é tão importante. Ao usar diretórios de busca, você tem vários sites para divulgar a sua empresa.

Cada listagem permite que você direcione os leitores e incentive-os a experimentar seus produtos ou serviços. Você verá aumentar o tráfego para seu site à medida que mais listas o adicionarem aos seus diretórios.

6.5. Práticas essenciais de SEO

Uma vez que você esteja tentando uma estratégia única no mercado, é fácil renunciar a práticas alternativas. Não esqueça de acompanhar a sua estratégia de SEO. Escolha palavras-chave e frases que pertençam ao seu setor. Adicionalmente, mude o texto em seu site e diretório com frequência. Não tenha dúvidas: o SEO tradicional ainda é uma maneira viável de ser visto em qualquer plataforma virtual.

6.6. Avaliações e depoimentos

É fato que seus concorrentes serão listados nos mesmos diretórios que a sua empresa. O tráfego de entrada vê todas essas listagens, e os usuários escolherão com base nas opiniões e avaliações de sua empresa.

O ideal, então, é ser uma empresa de imagem perfeita, adicionando tantas avaliações quanto possível à sua listagem. Essas avaliações também não podem ser relatos fictícios de seu trabalho. Incentive seus clientes a deixarem depoimentos para que os novos visitantes vejam o progresso que sua empresa fez ao longo dos anos. As avaliações geralmente se tornam impulsionadoras do seu site e de vendas subsequentes.

7. Quando usar diretórios de busca é a melhor estratégia

Durante um bom tempo, os diretórios de busca desempenharam um importante papel na evolução da web. Antes do Google e dos complexos algoritmos de busca, a maioria dos sites da internet estava categorizada em diretórios como o Yahoo. Embora muitos pensem que os diretórios de busca tenham morrido, eles ainda se constituem em uma estratégia eficaz de várias formas em campanhas digitais.

O mais importante é não ver os diretórios apenas como uma estratégia de SEO para aumentar a indexação e ranqueamento do seu site. Veja de que forma os diretórios ainda são as melhores opções de uso:

7.1. Marketing local

Um dos grandes benefícios que os diretórios de busca trazem é conseguir impulsionar o ranqueamento de um website em buscas locais.

Ter seu site no Google Local Guides (antigo Google Places) é essencial e vai atar sua localização à sua conta associada ao Google Plus, o que o ajudará a classificar para pesquisas locais. Tenha em mente ainda que o Google Local Guides não é o único diretório que o ajudará a se classificar para pesquisas locais. Há uma abundância de bons diretórios locais que podem ajudar a levantar os rankings para pesquisas locais.

Além de links, citações em diretórios de qualidade também podem desempenhar um papel excelente, então não ignore um diretório apenas porque ele não está oferecendo um link para o seu site. É importante lembrar que os diretórios reais foram criados como ferramentas de referência para pessoas reais que procuram empresas locais, e devem ser vistas como tal.

7.2. Nicho

Os diretórios que contêm apenas listagens de negócios genuínos em seu setor ou nicho merecem ser analisados. Embora a qualidade seja sempre um fator, é muito menos provável que esses sites tenham sido criados para fins de SEO.

Além de levar muito mais peso em termos de SEO devido à sua relevância, esses sites são muito mais propensos a direcionar o tráfego relevante para o seu site, pois os visitantes são muito mais propensos a procurar pelos seus serviços em primeiro lugar.

7.3. Sindicação de diretório

Diretórios digitais e listas de mecanismos de pesquisa são duas formas fundamentais para as lojas aumentarem a visibilidade locais pela disponibilização de informação, particularmente aquelas que possuem filiais ou franquias.

Os diretórios digitais funcionam como citações para cada local, com motores de busca contando cada citação individualmente e usando-as para verificar a precisão da informação e credibilidade do negócio. Por exemplo, uma loja que está listada em vários diretórios digitais principais teoricamente será classificada acima de uma loja similar que não possui uma estratégia de diretório digital.

As listas de mecanismos de pesquisa funcionam de forma semelhante aos diretórios, mas, pelo fato de elas serem gerenciadas diretamente pelo mecanismo de pesquisa individual, muitos acreditam que essas listas carregam mais peso nos resultados de pesquisa locais.

A chave é criar uma listagem de mecanismos de pesquisa para cada local separadamente e certificar-se de que cada listagem seja consistente com outras listas, informações fornecidas aos diretórios digitais e com o que está disponível no site da empresa. Se a informação for diferente, mesmo que sutil, entre várias fontes, os motores de busca podem considerá-lo não confiável e não apresentá-lo nos resultados da pesquisa.

8. Principais diretórios para promover um negócio online

Eis alguns diretórios de busca para serem analisados em sua estratégia de marketing digital:

  • Google Meu Negócio: obviamente, o Google vai liderar qualquer lista. Se você já pesquisou um tipo de negócio ou um nome, você terá visto algum aparecer em mapas locais. É isso que essa ferramenta oferece. Você pode mostrar às pessoas onde você está e o que tem a oferecer no topo da barra de pesquisa. É realmente fácil de usar: você só precisa ativá-lo, definir os detalhes e observar a consciência da sua marca crescer;
  • TripAdvisor: diretório para o nicho de viagens. É mais indicado para as pessoas que vivem fora de sua área, embora, por vezes, os locais o usem para descobrir âmagos escondidos em sua área. Ele também oferece às pessoas a opção de avaliarem seus negócios e criarem uma lista de desejos para adicionarem ao itinerário de viagem;
  • Yelp: bastante conhecido, é o segundo site de avaliações mais popular na web, tendo apenas o ranking de avaliações do Google na sua frente. Então, estar listado na Yelp é obrigatório, porque é onde os clientes potenciais são mais propensos a encontrar, revisar e ler sobre você;
  • Hotfrog: presente em diversos países, o Hotfrog é um diretório gratuito que tem crescido bastante, apresentando negócios de diversos segmentos;
  • Guis: é um diretório de serviços, também gratuito, mas que oferece a opção de criar um anúncio pago para destacar seu negócio;
  • NovoBR: também gratuito e com segmentos diversificados de negócios;
  • Lista Amarela: diretório gratuito para negócios, permite pesquisar por localidade.

Inserir seu negócio em diretórios de busca pode ser uma ótima opção para alavancar o marketing da sua empresa, como pudemos ver. Se seu negócio é local ou nichado, o uso desses diretórios é ainda mais estratégico, significando uma ferramenta valiosíssima para impulsionamento.

Muitos acreditam que os diretórios morreram ou foram substituídos pelos motores de busca, principalmente com a avalanche do Google, mas a verdade é que eles podem ser usados de forma absolutamente confiável para divulgar um negócio e se fazer presente no mercado competitivo.

Gostou deste conteúdo? Então conheça nossas soluções e entenda como uma estratégia de marketing digital completa pode levar seu negócio para outro nível!

Como é o comportamento do consumidor no mercado imobiliário?

Investir no marketing pessoal, como corretor, é imprescindível para melhorar a sua prospecção de clientes. Principalmente por conta da alta concorrência no mercado imobiliário, hoje é preciso ter um diferencial para se destacar, conquistar mais leads e fechar mais negócios.

Isso envolve desde técnicas de atendimento, como o preparo de um bom roteiro para abordagem do cliente, até a desenvoltura na oralidade, entre outros pontos. Pensando nisso, daremos a seguir 5 dicas para você trabalhar o seu marketing pessoal e prospectar mais clientes. Continue lendo e confira!

O que é a prospecção de clientes?

Engana-se quem acha que o mercado imobiliário funciona como antigamente, em que os clientes interessados vêm até sua empresa. A dinâmica agora é diferente — e ganham aqueles profissionais e corretores que são proativos, atentos a essas mudanças de comportamento.

Nesse sentido, a prospecção de clientes pode ser definida como um conjunto de ações que visa justamente atrair os consumidores potenciais — algo essencial, como dissemos, diante da alta concorrência no mercado atual. Tanto técnicas de marketing on-line e off-line quanto técnicas de marketing pessoal se tornam úteis aqui, visando desenvolver um bom relacionamento por meio do atendimento adequado (e aos clientes certos), para garantir a venda.

Quais técnicas de prospecção posso aplicar no dia a dia?

De fato, essa é uma tarefa que exige muita persistência, proatividade e força de vontade, mas seguindo algumas dicas práticas você consegue exercer um bom trabalho de prospecção. Vejamos as principais delas!

1. Saiba qual é o seu público-alvo

Em primeiro lugar, não adianta aplicar boas técnicas e gastar o seu tempo com um público desinteressado no que você tem a oferecer — para ter sucesso, é preciso atrair os clientes certos. Isso exige saber com quem você está conversando ou quem está mais propenso a fechar um negócio. Você pode, por exemplo, segmentar o público de acordo com o tipo de imóvel procurado, o valor, o local, entre outros.

O ideal é fazer pesquisas em suas redes sociais, com clientes que já compraram de você ou que estão interessados em um imóvel, para definir o perfil mais adequado. Assim, é possível trabalhar a prospecção de clientes de acordo com a faixa etária, o bairro, a idade, o poder aquisitivo, o cargo, entre outros aspectos que te ajudarão a ter mais sucesso nessa jornada.

2. Utilize as redes sociais

Como grande parte da sociedade está presente nas redes sociais, elas são hoje ótimos canais para prospectar clientes e desenvolver um bom relacionamento com seus leads. Mas não basta estar presente, postar algo de vez em quando ou se basear em curtidas e compartilhamentos. Para fazer um bom trabalho de prospecção é preciso criar conteúdos relevantes e se relacionar nessas redes.

Invista na produção de conteúdos que possam atrair os seus leads, contendo informações sobre, por exemplo, o tipo de imóvel ideal, como escolhê-lo, erros para se evitar na hora de adquiri-lo — entre outros que, de acordo com a sua segmentação, sejam relevantes para o seu público-alvo.

Além disso, é preciso conversar com aqueles que estão interagindo com a sua página, ou seja, responder a comentários e mensagens privadas de forma rápida e humanizada, para que esses clientes se sintam especiais.

3. Envie e-mail marketing

Apesar do que muitos pensam, o e-mail marketing ainda é uma estratégia que dá ótimos resultados. Quando utilizado corretamente, ele contribui não só para a prospecção de clientes, como também para fechar mais negócios.

Bom, todo mundo sabe que ficar recebendo muitos e-mails em um só dia, sem um conteúdo realmente interessante, é chato. Isso, inclusive, é o que pode levar ao seu lead a cancelar o cadastro em sua lista. Portanto, utilize o e-mail apenas para enviar conteúdos relevantes ao seu lead — não envie anúncios simples de imóveis, somente se ele solicitar.

No geral, envie informações que podem auxiliar o seu cliente durante o processo de escolha de uma imobiliária ou imóvel, como novas oportunidades, convites para eventos de que você participará, novidades da empresa, entre outros.

4. Participe de eventos

Por falar nisso, eventos relacionados ao setor imobiliário também são ótimas oportunidades de melhorar a sua prospecção de clientes! Isso porque eles garantem a possibilidade de ficar frente a frente com seu público, não apenas no contato digital.

Nesse caso, a partir de uma boa oratória e apresentação, é possível captar a atenção dos clientes e colher mais informações sobre eles, inclusive as suas informações de contato. Sabendo trabalhar corretamente com isso, você tem a oportunidade de conversar novamente com seus leads no futuro, obtendo mais chances de levá-los até o fim do funil de vendas.

Além disso, estar nesse tipo de evento e divulgá-lo nas suas redes sociais pode mostrar ao público como você está atento às tendências de mercado e ao que está acontecendo no setor imobiliário, passando mais credibilidade para aqueles que têm intenção de comprar de você.

5. Utilize o CRM Imobiliário

O CRM é uma ferramenta essencial para profissionais que lidam com muitos e diferentes tipos de clientes. Com ela você pode armazenar todas as informações do seu público — desde o início do relacionamento até o estágio em que eles estão no funil de vendas —, garantindo uma visão mais clara sobre o progresso de cada prospecção e o que precisa ser feito para que eles tomem a decisão de compra.

Além de ser útil por conta dessa visão estratégica, o CRM garante mais organização no seu dia a dia, eliminando o risco de se perder informações relevantes (como um telefone ou o que já foi trabalhado com um cliente), algo que sempre acontece quando elas são armazenadas manualmente em uma agenda ou tabela de Excel.

Seguindo todas estas dicas, você certamente vai melhorar a prospecção e diversificar a sua carteira de clientes! Afinal, você poderá investir no relacionamento com diferentes tipos de público, de acordo com cada tipo de imóvel que tem a oferecer. Vale lembrar, por fim, que essa é uma tarefa a ser exercida de forma contínua e bem monitorada. Se você constatar que não está captando clientes, ou que está captando os clientes errados, é necessário rever e ajustar as suas práticas.

Então, gostou das nossas dicas? Aproveite agora para compartilhá-las nas redes sociais e auxilie outros profissionais e colegas nessa prospecção de clientes!