Aprenda como o Google AdWords funciona

Sem dúvida, boa parte das estratégias de marketing digital tem o poder de gerar resultados expressivos somente em longo prazo. No entanto, o Google AdWords é uma das poucas soluções de publicidade online capaz de causar um efeito positivo de forma imediata.

A solução disponibilizada pelo Google permite que empresas dos mais variados tamanhos disputem entre si de igual para igual. Muitas delas utilizam a plataforma com o objetivo de aumentar o volume de tráfego de um site ou blog. Porém, o AdWords tem potencial para ajudar o seu negócio a elevar não somente os cliques da sua página, mas as conversões.

Sabemos que as conversões são ações que você deseja que o consumidor realize dentro do site, seja baixar um material, comprar um produto, assinar a newsletter ou solicitar um orçamento. Assim, o papel do Google AdWords é fazer com que empresas de diversos portes e segmentos conquistem seus objetivos de negócio, a começar pela visibilidade de marca até a geração de vendas. 

Se você quer garantir essas vantagens competitivas para o seu negócio, veja agora o que é preciso para implementar o Google AdWords no seu negócio!

Como funciona o Google AdWords?

Para começar a anunciar no AdWords, é preciso criar uma conta e configurar as opções de faturamento, que pode ser no boleto ou cartão de crédito. A partir daí, é possível escolher qual o tipo de campanha mais apropriado.

A rede de pesquisa é o formato mais utilizado entre as empresas — e, consequentemente, o mais concorrido. Os anúncios são exibidos na página de resultados do Google assim que uma pessoa digita uma determinada palavra-chave. Além disso, eles aparecem sinalizados como publicidade acima dos resultados orgânicos.

Uma das principais vantagens que esse formato oferece é poder alcançar as pessoas que têm interesse pelo seu produto ou serviço no momento ideal, ou seja, no instante em que os consumidores procuram pelo que o seu negócio oferece. A maioria dessas pessoas já está na fase da decisão e compra e, por esse motivo, investir nessa publicidade pode ser muito lucrativo.

É importante destacar que um bom anúncio na Rede de Pesquisa é muito eficaz na atração de visitas, mas, é preciso que o seu site esteja pronto para transformar cliques em clientes. Caso contrário, as pessoas serão direcionadas para a página de destino e abandonarão o site rapidamente. Por isso, é fundamental buscar sempre o aprimoramento da experiência do usuário dentro do site.

A cobrança acontece na modalidade de CPC (custo por clique), ou seja, é realizada apenas quando uma pessoa clica no seu anúncio.

Como é composta a estrutura do anúncio?

Um anúncio padrão será composto por 4 fatores básicos, e é preciso otimizar cada um para garantir a conversão. São eles:

Título

Começa na primeira linha do anúncio e deve conter, preferencialmente, a palavra-chave mais relevante. O título deve ter um tamanho máximo de 30 caracteres.

URL de visualização

É o link que será exibido logo abaixo do título. Seu objetivo é mostrar o destino que será acessado ao clicar no anúncio. As práticas atuais de SEO defendem a inclusão da palavra-chave também na URL, facilitando a leitura e garantindo mais credibilidade ao link.

Descrição

Em no máximo 80 caracteres, é preciso convencer o usuário de que ele precisa clicar no seu anúncio. Aqui, é interessante adicionar um call to action (chamada para ação) para incentivar o usuário a tomar alguma atitude ao ver sua publicidade. Mas atenção: é importante que nada tenha cara de spam.

URL final

A URL final corresponde ao endereço que de fato será visitado pelo usuário após clicar no anúncio. Muitas vezes, esse caminho pode ser mais longo e deve ser adicionado neste campo, pois não aparece na publicidade. Ou seja, somente a URL de visualização será vista no anúncio.

Exemplo: a URL que aparecerá no anúncio pode ser: www.meusite/produto.com.br e a URL final pode ser: www.meusite/produtomodelosoutonoinverno2017.com.br

Em 2016, foi anunciado pelo Google a otimização do formato de anúncios de texto para dispositivos móveis. O resultado é um segundo título e quase 50% mais espaço para anúncios em geral. Consequentemente, as empresas ganham mais visibilidade na divulgação dos seus produtos e serviços.

Quais são os principais formatos de anúncio?

Além da rede de pesquisa, existem outras estratégias possíveis ao anunciar pelo Google AdWords. São elas:

Rede de Display

Ao optar por este formato, o anúncio será exibido em websites parceiros do Google. Enquanto as pessoas estão navegando em algumas páginas, elas serão impactadas pela sua publicidade.

Nesse caso, é possível alcançar consumidores que estão em outras fases da jornada de compra. Como eles ainda não estão buscando por nenhuma palavra-chave, pode ser que não esteja na fase de adquirir os produtos que você oferece.

Mas o que é muito interessante nesse formato é que existe uma segmentação contextual. Com base nas palavras-chave selecionadas, o Google busca por sites relacionados ao seu negócio. Um exemplo disso é uma empresa que vende calçados esportivos, o anúncio dela pode aparecer em sites que falam sobre hábitos saudáveis e prática de exercícios.

Na Rede de Display também é possível anunciar no YouTube. Basta selecionar os canais desejados para exibir seu anúncio. Dessa forma, você pode aumentar ainda mais sua visibilidade em vídeos com milhões de visualizações nessa plataforma.

Além do CPC, nesse formato é possível escolher outra forma de pagamento chamada de CPM. Ela é cobrada a cada mil impressões que o anúncio recebe, com isso, você paga somente quando a publicidade tiver mil visualizações.

Remarketing

Outro formato de anúncio muito interessante é o remarketing. Com ele você pode impactar pessoas que visitaram o seu site, mas abandonaram em instantes. As campanhas de remarketing são muito efetivas para alcançar pessoas que já conhecem a sua marca e incentivar conversões.

Google Shopping

Para as lojas virtuais o Google, disponibiliza um formato muito eficiente que é o Google Shopping. Nele a empresa promove os seus produtos e intensifica cada vez mais o seu tráfego. A estrutura do anúncio é mais simples do que os anúncios de texto da Rede de Pesquisa. Aparece uma foto do produto, nome da loja, preço, dentre outras informações básicas.

Vídeos

Você ainda pode criar vídeos atraentes para divulgar no YouTube e em sites parceiros. Os formatos incluem: anúncios TrueView In-stream, anúncios TrueView video discovery e anúncios bumper.

O conteúdo do anúncio deve estar hospedado no YouTube, mas os anúncios em vídeo podem ser exibidos no YouTube. Também inclui a exibição em aplicativos e sites parceiros de vídeo na Rede de Display em dispositivos móveis (de acordo com o seu formato e configurações).

A cobrança é realizada cada vez que o usuário assiste a 30 segundos do seu vídeo ou ao vídeo completo, se ele possuir menos de 30s, ou interagir com ele.

Aplicativo Universal

Se o objetivo é promover um aplicativo este é o melhor formato. Nas campanhas universais para apps é possível divulgar aplicativos para Android ou iOS nos principais serviços do Google, incluindo a Rede de Pesquisa, Google Play, YouTube e Rede de Display.

O valor definido é cobrado cada vez que um usuário instala o aplicativo. O Google busca gerar o maior número de downloads com o valor determinado pelo usuário. Com certeza, o AdWords é uma excelente plataforma para anunciar os seus produtos e serviços. Porém, é preciso lembrar que apenas conquistar visitantes para o seu site não é o suficiente para gerar vendas.

Por isso, é preciso avaliar constantemente as métricas relacionadas às conversões e à conquista de novos clientes. Assim, a empresa terá condições de identificar os próximos passos para alcançar um ROI cada vez mais lucrativo.

E aí, entendeu como o Google AdWords funciona ou ainda tem dúvidas sobre o assunto? Conte pra gente aqui nos comentários e participe da conversa!

Estratégia de Inbound Marketing: entenda como fazer seus clientes irem até você!

Diferentemente do que acontecia há alguns anos, hoje os consumidores podem escolher o conteúdo que desejam ter acesso. Entre as diversas opções de informações disponíveis na internet, as pessoas decidem o que e quando consumir, deixando a era do marketing de interrupção com os dias contados.

Se as pessoas têm o poder de deletar a publicidade para se conectar com o que de fato interessa, as marcas precisam mudar a sua maneira de se comunicar. É aí que entra a importância de investir em uma nova metodologia para conquistar e reter clientes: a estratégia de Inbound Marketing.

Ainda não está por dentro desse conceito? No post de hoje, preparamos um guia completo para mostrar a você como fazer seus clientes irem até a sua empresa. Acompanhe!

O que é Inbound Marketing?

Esse novo modelo de marketing é baseado em um conjunto de estratégias que tem como objetivo atrair o interesse dos consumidores. Dessa forma, as pessoas é que procuram a empresa, e não o contrário. Ao lidar com consumidores predispostos a conhecer uma empresa, aumenta-se a chance de concretizar uma venda.

A maior diferença entre o Inbound e o Outbound Marketing é que o primeiro propõe o marketing de atração. Assim, são realizadas estratégias para atrair os potenciais clientes e criar um relacionamento para depois vender.

No Inbound, a abordagem comercial jamais é realizada como o primeiro passo. Por meio da produção de conteúdo, o foco é educar os consumidores até que eles estejam preparados para se tornarem clientes fiéis.

Entre as principais vantagens do Inbound Marketing, podemos destacar:

Aumento da visibilidade do negócio

O marketing de conteúdo é um aliado fundamental para o Inbound Marketing acontecer. Por meio da criação de conteúdo relevante, o seu negócio passa a ser amplamente conhecido no ambiente digital.

Isso significa que os potenciais clientes vão enxergar a empresa como uma referência, uma fonte confiável de informações no segmento de atuação. Consequentemente, uma marca que cria uma reputação positiva com o seu público aumenta as suas possibilidades de gerar negócios.

Redução do CAC (custo de aquisição de clientes)

É fato que toda empresa busca aumentar a sua lucratividade e diminuir ao máximo os seus gastos desnecessários. Com a aplicação do Inbound, é possível reduzir drasticamente o custo para captar novos clientes.

Como os consumidores são devidamente educados por meio de conteúdo informativo e relevante, quando os vendedores entram em contato as pessoas já estão mais propensas ao consumo. Consequentemente, é necessário empregar menos tempo para fechar a venda do que em uma abordagem convencional: uma equipe enxuta pode ser suficiente para gerar resultados mais expressivos e isso reduz bastante os custos.

Alcance do alvo certo com a estratégia de Inbound Marketing

Outro benefício que o Inbound oferece é a oportunidade de atrair para o seu negócio quem de fato tem potencial e interesse para consumir seus produtos e serviços. O próprio conteúdo já é um indicador importante de quem será atraído pela sua empresa.

Além disso, a tecnologia utilizada nesse marketing de atração permite entregar o conteúdo no momento perfeito. Sendo assim, o consumidor pode ser impactado por um artigo sobre a sua empresa no momento em que ele busca por uma solução que o seu produto oferece.

Etapas do Inbound Marketing

Toda estratégia bem-sucedida de Inbound Marketing deve considerar as seguintes fases: atração, conversão, relacionamento, venda e encantamento. A seguir, vamos detalhar todas e explicar quais são as melhores práticas em cada etapa.

Atração

Sabemos que apenas ter um site não é o suficiente para gerar negócios. É preciso criar uma audiência e é isso que a fase de atração propõe. O objetivo desta etapa é atrair pessoas que têm interesse em um determinado assunto para futuramente convertê-las em leads.

Neste primeiro passo o objetivo é aumentar o volume de visitantes qualificados do site. A estratégia mais recomendada para alcançar este resultado é ter um blog com a publicação regular de conteúdo.

No entanto, é importante se basear no perfil da persona antes de produzir um texto. Afinal de contas, é de suma importância que o seu público enxergue o conteúdo como relevante. Caso contrário, ele não vai se engajar com o seu texto e muito menos com o seu blog.

Outra estratégia fundamental é investir nas táticas de SEO para que o Google encontre a sua página. As pessoas que estão em busca de assuntos relacionados ao seu conteúdo precisam localizar o seu artigo. Por esse motivo, as técnicas de otimização são muito importantes para aumentar o tráfego.

As redes sociais também são excelentes canais de atração dos potenciais clientes para o seu blog. Compartilhe os textos publicados para incentivar cada vez mais visitas.

Apesar de muito eficientes, boa parte dessas ações geram resultados maiores em longo prazo. Por isso, o recomendado é sempre investir também em anúncios como forma de potencializar as suas estratégias. Seja no Google AdWords ou no Facebook Ads, existem várias opções para maximizar o seu ROI.

Conversão

De nada adianta ter um alto volume de acessos se a empresa nem imagina quem está por trás desses dados. Por isso, a geração de leads é muito importante, pois ela identifica quem são esses usuários.

Além disso, só é possível construir uma verdadeira estratégia de Inbound ao identificar o potencial cliente para conduzi-lo até o processo de compra. Desse modo, as ações mais indicadas são a criação de um material rico e de uma landing page, que é uma página de captura.

Ao criar um e-book com dicas valiosas do seu mercado, a empresa pode oferecer esse material apenas para as pessoas que disponibilizarem nome e e-mail em um formulário.

Outro elemento importante é o famoso CTA (Call to Action). Ou seja, é interessante criar chamadas para ação em todo o site para incentivar os visitantes anônimos a se transformarem em leads.

Relacionamento

É fato que boa parte das pessoas que estão na sua base de leads ainda não está preparada para comprar seu produto. Sendo assim, deve acontecer a nutrição dos leads por meio de conteúdos qualificados.

A melhor maneira de fazer isso é investir no envio de e-mail marketing estratégico. O e-mail ainda é um canal muito poderoso para alcançar o público, desde que seja utilizado de maneira correta.

É possível impactar todos os potenciais clientes de forma relevante e, sobretudo, de acordo com a fase da jornada de compra em que eles se encontram. Dessa maneira, é essencial segmentar (cargos de atuação, pessoas que já realizaram interação com algum conteúdo etc.) os seus contatos para enviar a mensagem certa, no momento oportuno.

Para nutrir os leads por meio do e-mail marketing de forma eficiente é recomendado contratar uma ferramenta de automação de marketing. Essa tecnologia permite trabalhar a gestão desses leads de maneira inteligente, proporcionando mais produtividade à equipe.

Vendas

Todo o trabalho de educação dos leads é necessário para gerar oportunidades de negócio mais qualificadas. Quanto mais complexo o produto ou serviço oferecido, mais consultivo tem que ser o processo de vendas.

A prática do Inbound Sales tem sido muito utilizada nas empresas que desejam economizar no processo de aquisição de clientes. Por meio deste método, a equipe de vendas trabalha dentro da empresa com o apoio total da tecnologia.

O resultado são custos de deslocamento eliminados, maior controle sobre a atuação da equipe e otimização do processo de vendas.

Encantamento

Sabemos que ainda é muito mais caro atrair do que reter clientes — por essa razão, investir em um pós-venda eficiente ainda é o melhor caminho. Lembre-se que a venda não termina com a compra, apenas começa.

Sem falar que um cliente encantado pode se tornar um defensor da sua marca e, com isso, indicar a empresa para a sua rede de contatos. Consequentemente, o seu negócio não só fideliza como conquista clientes qualificados.

Investir em um sistema capaz de organizar todas as informações dos clientes é indispensável. Um bom CRM pode ser integrado à ferramenta de automação de marketing e oferecer mais agilidade nesse processo.

Ao identificar facilmente o histórico de compra dos clientes, fica mais fácil interagir com eles. Seja para oferecer maiores informações sobre como extrair mais funcionalidades de um serviço ou para promover produtos complementares.

Agora que você está por dentro desse conceito do marketing digital, que tal começar a aplicar a sua estratégia de Inbound Marketing? Conte pra gente aqui nos comentários quais são os seus planos e debata com nossos especialistas!

7 estratégias de marketing recomendadas para o setor de turismo

As empresas de turismo têm buscado formas cada vez mais inovadoras de atrair clientes e aumentar o faturamento. Para isso, elas investem em estratégias de marketing para turismo, que permitem mostrar aos potenciais clientes todas as oportunidades que a empresa oferece e seus diferenciais, podendo torná-las referência no mercado.

As férias estão chegando! Você já criou sua estratégia para se posicionar para os viajantes? Se quer boas ideias, confira nosso post!

7 dicas para crescer no setor de turismo

Faça e-mails marketing segmentados

O e-mail marketing é muito utilizado no meio empresarial — e no turismo isso não poderia ser diferente. Essa é uma das estratégias mais tradicionais e eficazes de trabalhar a divulgação de conteúdos. Segundo uma pesquisa do Serasa, o e-mail marketing é o canal que apresenta a maior taxa de conversão nos e-commerces brasileiros: são 2,53% contra uma média de 1,44%.

Só esse dado já mostra a importância que essa estratégia tem, mas para usá-la de forma eficiente é preciso planejamento. Você deve coletar dados dos seus potenciais clientes para criar grupos distintos e, assim, poder enviar conteúdos relevantes para eles.

Imagine, por exemplo, que você fez uma lista de todos os seus contatos e, entre eles, identificou dois grupos: um que se interessa por destinos nacionais e outro que se interessa somente por locais estrangeiros.

Com essa informação em mãos, você pode criar uma nova segmentação, com as regiões pelas quais cada uma se interessa. A partir daí, será possível criar conteúdos específicos para cada segmento, com informações úteis e chamativas, atraindo o público para o seu site ou para o contato com vendedores.

Mas tome cuidado para não exagerar no envio de e-mails! Crie uma periodicidade que não canse seus leitores e tome cuidado na construção da mensagem para que ela não seja compreendida como spam.

Crie campanhas online

O marketing digital contém diversas estratégias interessantes para o setor de turismo. Com um alcance enorme e excelente retorno sobre investimento, as campanhas online vêm ganhando a preferência dos empreendedores.

Você deve aplicar as técnicas de SEO — Search Engine Optimization — no seu site. Dessa forma, os mecanismos de busca entendem que seu site é mais relevante e melhoram o posicionamento na busca orgânica

O Google Adwords também é uma ferramenta que deve ser explorada. O Google tem valorizado cada vez mais os anúncios como resultado de pesquisa e, assim, patrocinando links você obtém uma resposta rápida, atingindo boa visibilidade e atraindo novos viajantes.

Além disso, você deve considerar as redes sociais. Elas se tornaram parte do nosso cotidiano, e passamos horas navegando nesses canais diariamente. As empresas identificaram essa oportunidade e começaram a utilizar essas mídias para atrair novos clientes, mostrar as novidades, conhecer melhor o público e aumentar a visibilidade da marca, entre outros benefícios.

A dica é criar uma página nas principais redes — FacebookInstagram, LinkedIn, YouTube etc. — e estar sempre presente nelas. Mas cuidado: não basta simplesmente criar e não acompanhar! É preciso ter atenção, postar conteúdo interessante, responder aos questionamentos e estar sempre atento às oportunidades, procurando entender as especificidades de cada rede para otimizar seus recursos.

Se quiser ir além, você pode usar os recursos de publicidade, dentro das redes sociais. O Facebook Ads, por exemplo, é uma ótima maneira de promover o seu negócio, com um grande alcance e um investimento interessante.

Pense no mobile

Criar um site responsivo — ou seja, que se adapte à tela de um dispositivo móvel sem perder qualidade e facilidade de utilização — é um ponto importante fundamental para o seu sucesso online.

Com o avanço da tecnologia, cada vez mais as pessoas utilizam seus celulares para acessarem a internet e se manterem atualizadas. Portanto, uma empresa que não se preocupa em deixar o seu site responsivo está ignorando uma parcela significativa do mercado.

Ao criar um conteúdo para seu público-alvo — como uma série de fotos de uma praia paradisíaca, por exemplo —, lembre-se de que ele pode ser aberto em dispositivos móveis e, portanto, não deve perder a qualidade das imagens.

Invista em Inbound Marketing

Hoje, os clientes não aceitam mais uma venda forçada, empurrada. Eles buscam embasamento antes de tomar uma decisão de compra. Um potencial consumidor pesquisará bastante o local de destino antes de fechar um pacote: ele avaliará todos os diferenciais do local, o que fazer, o que visitar, onde se hospedar, entre outros. Por isso, é preciso fornecer essas informações.

O grande diferencial do Inbound Marketing, portanto, é o conhecimento. Você cria uma jornada onde seu potencial cliente terá acesso a todas as informações necessárias, desde o interesse inicial até a compra.

É fundamental criar e manter um blog com dicas, curiosidades e demais informações que serão utilizadas para atender às necessidades de quem busca uma grande viagem. Assim, você atrai o público para o seu site e gera autoridade, mostrando que sua empresa é especialista naquele mercado e que pode ajudar no que for preciso.

Desenvolva aplicativos

A utilização de aplicativos para atrair o público faz parte do marketing para turismo e é uma estratégia bem inovadora para interagir com clientes e disponibilizar informações úteis a eles.

Um bom exemplo disso é o Google Business View, um trabalho parecido com o Street View, mas que mostra a parte interna dos estabelecimentos. Essa é uma opção bem interessante para quem busca conhecer melhor os locais que deseja visitar em uma viagem.

Imagine que você está escolhendo um hotel em sua cidade de destino e ficou em dúvida entre duas opções. Que tal utilizar o aplicativo e fazer uma visita em 360° nos estabelecimentos? Assim, será possível identificar o que cada um tem de diferencial e embasar a sua escolha. Países como os Estados Unidos, Japão, Espanha e Austrália já utilizam o aplicativo, e as empresas que aderiram já apresentaram um aumento no número de clientes.

Você também pode investir no desenvolvimento de seu próprio app. Por meio dele, seus clientes e potenciais cliente poderão ter acesso aos seus conteúdos e produtos, facilitando a jornada de compra.

Valorize o relacionamento

Investir no relacionamento com seus clientes é primordial para manter o sucesso do seu negócio. Algumas empresas concentram suas ações em novos clientes e se esquecem de manter os já cadastrados. Esse é um erro grave!

Segundo Philip Kotler, uma referência mundial em marketing, conquistar um novo cliente custa de 5 a 7 vezes mais que manter um atual. Portanto, é preciso investir em marketing de relacionamento!

Uma ótima dica é avaliar como é a experiência do usuário. Confira como sua empresa se relaciona com os clientes, como é o processo de compra, o atendimento, a facilidade de encontrar as informações necessárias. Tenha uma visão de consumidor dentro da sua empresa e identifique os pontos fortes e fracos.

Mostre o depoimento de clientes

O último ponto da nossa lista é especial: para fazer a diferença em suas estratégias de marketing para turismo, invista no depoimento de clientes satisfeitos.

Ouça e compartilhe o que eles têm a dizer sobre as experiências vividas nos locais visitados, do que eles gostaram, dicas sobre o que fazer e conhecer, os melhores restaurantes, locais para diversão etc. Lembre-se de que pessoas confiam em pessoas, e o marketing boca a boca ainda é de grande valia para empresas do setor de turismo.

Você pode usar seu site, suas redes sociais e até seu aplicativo para criar uma espécie de mural com os depoimentos dos seus consumidores. Assim, novos clientes poderão ver o que esperar e encontrar no destino. Uma ótima dica, não é?

O marketing para turismo e o sucesso do seu negócio

Como você viu nesse artigo, há várias estratégias que podem potencializar o marketing para turismo. Por isso, é preciso estar sempre atento às novidades e utilizá-las para atrair o seu público.

Use o e-mail marketing para enviar conteúdos interessantes aos seus clientes, marque presença nas redes sociais, e não se esqueça de criar um site responsivo: isso é investimento em Inbound Marketing!

Com essas estratégias, você conquistará mais clientes e promoverá o seu negócio, aumentando as vendas e a lucratividade.

O que achou do nosso conteúdo? Conhece outras estratégias de marketing para turismo? Então deixe seu comentário no post e participe dessa discussão!

Guia Completo: entenda o que é Persona e como criar uma para o seu negócio

Antes de colocar em prática qualquer estratégia de marketing, é preciso ter alguns detalhes bem definidos. Um dos erros mais comuns ao começar a realizar ações de marketing é pular algumas etapas e acabar por ter uma estratégia rodando, mas sem objetivos claros.

Nesses casos, as consequências são fatais: ações sem bons resultados e um investimento que não gerou retorno positivo algum. Nenhuma empresa gostaria de passar por isso, não é mesmo?

Entre os passos mais importantes para implementar a estratégia de marketing está a descrição da Persona. Se você ainda não está familiarizado com esse conceito, pense da seguinte maneira: para conseguir passar uma mensagem com sucesso para alguém, é necessário conhecer a pessoa antes.

Caso contrário, é possível que vocês não consigam se comunicar de forma clara e alguns desentendimentos ou perdas de informação irão acontecer. Não concorda?

Continue a leitura e descubra o que é Persona e por que ela é essencial dentro desse exemplo!

1. Afinal, o que é Persona?

Pense no exemplo que demos na introdução. Já pensou em saber exatamente com quem falar na hora de desenvolver suas ações de marketing?

Uma Persona é uma representação fictícia dos clientes do seu negócio. Ela se baseia em características e dados reais dos clientes que você já possui, englobando especificidades de comportamento, dados demográficos e detalhes importantes de suas vidas.

A Persona é descrita como um personagem, com nome, idade, objetivos e problemas, todos baseados em pesquisas que você pode fazer com seus clientes e possíveis clientes para criar a representação mais fiel possível.

Definir a Persona é mais efetivo do que compreender as características do seu público-alvo — vamos falar mais sobre esse assunto a seguir! — porque ela facilita a criação de diálogo.

Afinal, é mais fácil imaginar uma conversa com uma pessoa real do que um grande recorte da população, não é mesmo?

A criação da Persona facilita, especialmente, os processos de marketing digital. Ela funciona como um norte para a criação de conteúdo, a definição do tom da marca e para outras ações que podem ser realizadas.

Nos próximos tópicos você compreenderá todos os detalhes da criação e da importância da Persona para seu negócio. Não deixe de conferir!

2. Qual a diferença entre persona e público-alvo?

Observe a seguinte descrição:

“Marcelo, 32 anos, empreendedor. Graduado em administração. Possui um negócio local no interior de Minas Gerais e as vendas andam baixas. Está procurando maneiras de melhorar a divulgação de seus serviços e conseguir mais clientes, mas não tem muitos conhecimentos sobre marketing e publicidade.

Seu objetivo é melhorar as vendas da loja, mas também conhecer mais sobre marketing para conseguir tocar as estratégias sozinho. Está em busca de especializações e cursos na área, e não se convence a contratar uma agência.

Seus problemas são a falta de tempo e falta de boas referências de cursos e especializações de marketing. Seus colegas de trabalho têm tanto conhecimento quanto ele, e Marcelo se mantém sempre ocupado com a gestão do negócio.

Apesar dos problemas com vendas, ele já é bem estabelecido financeiramente e vive bem. Valoriza o tempo com a família e sempre reserva os finais de semana para se divertir com todos em seu sítio.”

Bem detalhada, não é? Agora, dê uma olhada na próxima:

“Homens de 30 a 40 anos da região sudeste de Minas Gerais. Administram o próprio negócio, buscam conhecimentos sobre marketing para melhorar as vendas. Pertencentes à classe média alta.”

Viu como é uma definição muito ampla?

A primeira descrição é a descrição de uma Persona, e a seguinte do público-alvo. A diferença é bem clara, certo? Mas possuir dúvidas sobre cada uma das definições e sobre qual escolher é muito comum para quem está dando os primeiros passos no marketing.

Afinal, ambas possuem semelhanças: elas são estabelecidas para facilitar a criação de estratégias e garantir que a comunicação e os serviços sejam adequados, buscando o sucesso das vendas.

A função da definição do público-alvo é selecionar o segmento da população que mais tem potencial de se tornar um cliente da sua empresa. Ela funciona muito bem para serviços em grande escala — como aqueles oferecidos por multinacionais —, pois a Persona pode ser muito restritiva nesse aspecto.

Contudo, a Persona é ideal para negócios em menor escala, pois garante que a comunicação com clientes e prospects será eficiente.

Nesse caso, o que seria ideal para o Marcelo, empreendedor, e provavelmente para você, que está lendo este texto, será definir a Persona.

Continue nos acompanhando e confira ainda mais motivos para se dedicar a essa tarefa!

3. Por que devo criar uma persona para meu negócio?

Agora que você já entendeu o conceito de Persona e a diferença entre ela e o público-alvo, pode estar se perguntando quais são as vantagens que sua criação trará para sua empresa — e se o esforço realmente vale a pena.

Como falamos na introdução, é importante conhecer a pessoa com quem você está dialogando para conseguir um resultado verdadeiro e satisfatório. É com isso que o conceito de Persona se relaciona!

Atualmente, as ações mais efetivas de marketing e publicidade buscam uma conversa com os consumidores, indo na direção contrária das propagandas antigas, que procuravam passar uma mensagem de forma unilateral — e, inclusive, bastante intrusiva.

Conhecer a fundo os problemas, objetivos e características dos seus clientes é algo que só tem a acrescentar para sua empresa, especialmente se você está buscando investimento no marketing digital.

É um fato conhecido de que, ao ter uma presença consolidada nas redes, as marcas não podem ignorar a força que os públicos ali presentes possuem.

Nesse caso, cada conteúdo publicado deve cumprir um propósito e acrescentar conhecimento para os leitores, além de procurar iniciar uma conversa produtiva e vantajosa.

Assim, conhecer o cliente ideal do seu negócio — ou seja, a Persona — faz com que tais gatilhos para o diálogo sejam ainda mais certeiros!

4. Como criar uma Persona?

Você já sabe tudo sobre o que é Persona e como criá-la, certo? Agora, provavelmente, deve estar se perguntando outra coisa: “por onde começar?”.

Já contamos que sua definição é feita com base em dados e informações que sua empresa já possui sobre os clientes, mas organizá-los de maneira eficiente para a criação pode ser algo realmente desafiador.

A estratégia mais comum — e também a mais simples — é criar as Personas por meio de entrevistas com seus clientes. Se você possui seu próprio negócio, certamente já possui uma certa ideia de quem são eles.

As entrevistas o ajudarão a consolidar algumas informações e a adicionar outras, facilitando o processo de definir os problemas, objetivos e características do “personagem” em questão.

A seguir, listamos um passo a passo que servirá como guia neste processo. Confira!

12 questões que vão te ajudar a definir uma Persona

Uma das tarefas mais importantes do processo de criação de Personas é, certamente, encontrar as perguntas certas para realizar a entrevista com o cliente.

Lembre-se de que você pode fazê-las pessoalmente ou por e-mail. Caso a segunda opção seja escolhida, é importante redigir as questões de forma bem clara, para que você consiga as informações que precisa sem brechas para diferentes interpretações.

Além disso, a estrutura da entrevista vai variar de negócio para negócio. Cada um tem seus objetivos próprios a serem cumpridos, correto? Contudo, ela não pode deixar de abordar fatores-chave, como os principais problemas vividos pelos clientes e suas características socioeconômicas.

Antes de começar, apresente-se! O cliente se sentirá mais confortável para responder se entender do que se trata a entrevista. Em seguida, considere dividir as perguntas em alguns blocos da seguinte forma:

Objetivos

  • qual problema você buscava solucionar quando procurou por nossa empresa?

  • descreva a maior vantagem que a nossa empresa traz para você atualmente.

Escolhas

  • você considerou outras alternativas na época em que encontrou nossa empresa?

  • como você descobriu nossa empresa?

  • como você descreve o seu processo de compra? Foi satisfatório? Ou deixou a desejar?

  • quais meios de comunicação você costuma utilizar para se informar? Você encontrou nossa empresa por algum deles?

Uso do serviço/produto

  • o que mudou na sua rotina após adquirir nosso serviço/produto?

  • você indicaria nosso serviço/produto para um amigo, familiar ou conhecido?

  • com qual frequência você utiliza nosso serviço/produto?

Hábitos e características

  • quais outros produtos/serviços você comprou recentemente que se relacionam com o que nossa empresa oferece?

  • qual é o seu nível de conhecimento sobre o nosso produto/serviço?

  • você costuma realizar compras dentro deste segmento com frequência?

Após esse processo, é importante finalizar e se despedir com cordialidade, garantindo que as respostas serão usadas apenas para trazer benefícios — incluindo para o entrevistado, que já é cliente do seu negócio.

Como analisar as informações

Uma vez que a entrevista foi realizada, é hora de organizar as informações coletadas para estruturar a Persona. Nessa etapa, você deve identificar os pontos em comum dentre as respostas dos seus clientes.

Lembre-se de que o número ideal de entrevistados varia dependendo do objetivo de cada negócio, mas é sempre interessante buscar a maior quantidade de respostas possível.

Uma boa estratégia é utilizar ferramentas para identificar quais foram as palavras mais citadas nas entrevistas e se nortear por elas.

A partir da identificação desses pontos em comum, é possível ter uma visualização clara da proposta de valor que sua empresa apresenta — e o porquê de seus clientes a procurarem.

Após essa análise, tais informações importantes estarão claras e, a partir disso, será possível criar ações de captação de clientes tão valiosos quanto os que foram entrevistados.

Organizando a estrutura

Como você pôde conferir num dos exemplos anteriores, a Persona deve ter um nome, idade, sexo e escolaridade bem definidos. Essas informações são essenciais. Depois disso, é interessante separar as informações em:

  • caraterísticas gerais;

  • objetivos;

  • problemas.

Dedicar um tópico para a descrição de como sua empresa pode ajudar a Persona também é vantajoso.

É importante apontar que não existe um número certo de Personas para cada empresa. Você pode criar quantas quiser! Contudo, ter uma grande quantidade de personagens não é um facilitador para a estratégia.

Imagine que você está definindo um plano de ação de marketing digital: criando páginas da empresa nas redes sociais, publicando conteúdo no blog corporativo e se relacionando com clientes e prospects por e-mail marketing.

Produzir todo esse conteúdo para apenas uma Persona já é um grande desafio para muitos times. Imagine segmentar a produção para mais de 10 tipos de cliente? Parece quase impossível, certo?

Por isso, mantenha-se focado nas informações que você já possui e crie a descrição do cliente ideal para seu negócio. Direcionar suas estratégias de marketing para ele facilitará — e muito! — o processo das vendas.

5. Quais erros comuns na criação da persona que eu devo evitar?

Pronto: você já conhece todo o processo de criação de Personas e já quer colocar essa estratégia em prática no seu negócio.

Contudo, é preciso muito cuidado: existem alguns erros comuns no processo de criação de Personas que podem prejudicar uma série de ações de marketing. Você não quer cair em nenhuma delas, certo?

Veja, a seguir, 3 erros comuns na criação de Personas:

Criar Personas demais

Já contamos, no tópico anterior, que não existe um número ideal de Personas para cada negócio, certo? Afinal, cada empresa tem suas particularidades — e é natural que algumas delas possuam mais de um tipo de público.

Contudo, esse não é o caso de todas, e não pode ser um motivo para “abraçar o mundo”.

Além de dificultar a definição de estratégias, como já explicamos, ter Personas demais irá dificultar o foco da sua equipe de marketing — e acabar por prejudicar, também, a quantidade de novas vendas da empresa. Complicado, não é?

Ter foco em informações desnecessárias

Durante a fase de entrevistas, é possível  e até desejável  que seus clientes falem bastante e se delonguem nas perguntas. Isso pode ser ótimo na hora de recolher os dados, porém, é preciso ter cuidado para não se preocupar com detalhes irrelevantes.

Como você viu na descrição de Persona exemplificada nesse post, é importante descrever alguns pontos da vida pessoal do cliente, pois isso também facilitará a criação da sua estratégia de marketing.

No entanto, as possibilidades de personalização da descrição são muitas! Por isso, concentre-se em não se perder na fase da estruturação e acabar descrevendo a família, o gosto musical e todos os hobbies do seu cliente ideal.

Afinal, o que realmente importa para você, neste momento, é como ele se comporta no trabalho. Liste quais são os fatores que são decisivos ao realizar uma venda e concentre-se em descrevê-los para criar sua Persona!

Confiar em excesso na intuição

Se você já possui um negócio por muito tempo, naturalmente tem muito conhecimento sobre seus clientes e sobre qual é o processo de vendas mais eficiente.

Essa é uma grande vantagem e tem muito a ajudar durante a criação de uma Persona, mas é preciso atentar-se ao seguinte aspecto: criar Personas com base em “achismos” é cilada!

Por mais que sua intuição ou sua impressão sobre os clientes deem algumas pistas, é necessário pautar a definição do seu personagem em dados concretos.

É por isso que realizar entrevistas ou pesquisas com seus clientes é tão importante. Seus conhecimentos irão direcionar a criação para uma versão mais fiel é real, é claro  mas os depoimentos que você coletou são tão importantes quanto isso. Associe conhecimentos e alcance o sucesso!

6. Como ter uma Persona pode aumentar as vendas?

Você conhece a jornada de compra do cliente? Ela costuma ser definida da seguinte maneira:

  • aprendizado/descoberta: é a fase em que o comprador ainda não possui plena noção de que tem um problema a ser resolvido. O que as empresas devem fazer nessa etapa é despertar um interesse no indivíduo para que ele se atente a um produto ou uma solução;

  • consciência/reconhecimento do problema: neste momento, o consumidor já percebeu que tem uma questão a ser resolvida. Ele está pesquisando soluções e encontrando muitas empresas diferentes. O papel das empresas, nessa fase, é oferecer conteúdos educativos e que apresentam soluções;

  • consideração: o comprador já conheceu suas opções e está prestes a tomar sua decisão. Neste momento, ele levará inúmeras variáveis em conta: preço, estética, valores da marca, questões pessoais, e muitas outras. Uma boa prática, durante esta etapa, é apresentar um senso de urgência: isso contribuirá para que seu futuro cliente tome a decisão;

  • decisão: por fim, a última etapa. O comprador já analisou todas as possibilidades e decidiu em qual produto/solução investir.

É possível que você esteja se perguntando: tudo bem, mas o que isso tem a ver com Personas?

Tudo! Sua Persona é crucial para criar o conteúdo correto para cada etapa da jornada de compras. Como apresentamos acima, em cada uma das 4 fases o comprador está lidando com uma série de dúvidas e questionamentos.

Quem melhor do que a sua empresa para responder todas as dúvidas que ele possui? Veja, no próximo tópico, qual é o tipo de conteúdo ideal para cada uma das fases.

Aprendizado ou descoberta

Grande parte dos conteúdos criados por empresas na internet englobam esta fase da jornada de compras. Isso acontece porque o leque de informações que podem ser abordadas é bem maior, já que o comprador ainda está um pouco sem foco.

Nesse caso, concentre-se em alguns dos problemas que seu produto/serviço resolve e em dúvidas comuns da sua Persona.

Imagine que você possui uma loja de sapatos femininos, cuja Persona é uma mulher jovem, que gosta de saber das novidades do mundo da moda e passa muito tempo em blogs e nas redes sociais.

Nessa etapa, algumas possibilidades de conteúdo são:

  • blog posts com os assuntos “Confira as tendências para este inverno”, “Saiba quais são os modelos de sapato mais usados pelas famosas”, “Conheça as cores da estação”;

  • imagens divertidas sobre moda e tendências nas redes sociais.

Consciência ou reconhecimento do problema

Os conteúdos que devem ser abordados nessa etapa englobam, principalmente, soluções. Por isso, pense em quais são as grandes dúvidas da sua Persona e dedique-se a respondê-las da melhor forma possível.

Novamente, pensando ainda no exemplo anterior, as possibilidades de conteúdo seriam:

  • blog posts com temas como “Saiba como escolher o melhor sapato para casamentos”, “Descubra como combinar cores de sapatos e vestidos de festa”;

  • e-books sobre “cuidados para os pés”.

Consideração

Na fase da consideração, a Persona já conheceu muitas possibilidades de solução e está focada em decidir qual será a melhor escolha. Consegue imaginar quais conteúdos conseguirão solucionar suas dúvidas nessa etapa?

Considere as seguintes alternativas:

  • blog posts comparando diferentes tipos de sapato (incluindo aqueles que são vendidos em sua loja!);

  • posts com novidades e dicas exclusivas dos vendedores da sua loja nas redes sociais.

Decisão

Nessa etapa, que é crucial e decisiva — como o próprio nome sugere —, os conteúdos devem ser bem específicos, mas nunca com objetivo de ser imperativo com o cliente.

Esse estilo de “propaganda” pertence à publicidade antiga, e já não é tão efetivo hoje em dia! Por isso, considere conteúdos como:

  • blog posts mostrando os benefícios de um determinado modelo que é exclusivo do seu negócio;

  • consultorias e dicas de moda exclusivas com os profissionais da sua loja.

7. Conclusão

E então, o que achou de saber mais sobre o que é Persona? Se você está começando a desenvolver sua estratégia de marketing digital agora, use este artigo como um guia.

Você pôde conferir a definição de Persona, como estruturá-la, entendeu qual é sua importância e compreendeu quais são os erros mais comuns que ocorrem no processo de criação. Tudo o que você precisa para rodar essa estratégia com sucesso!

Lembre-se dos benefícios que a criação de Persona irá trazer para suas ações de marketing e não acabe por deixá-la de lado. Esse é mais um dos erros comuns da criação de Personas: realizar todo o passo a passo da criação e, no fim, não utilizá-lo.

Uma boa dica é fazer impressões com a definição da sua Persona e distribuir entre os funcionários da empresa que irão lidar diretamente com essa estratégia. Ter uma versão física facilitará o trabalho!

No mais, aproveite os benefícios que a criação da Persona trará para seu negócio e continue investindo!

Gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro de mais temas valiosos como este? Curta nossa página do Facebook e não perca nenhuma postagem

8 estratégias de Marketing Digital para potencializar os seus resultados

Nem rádio, nem TV: segundo a Pesquisa de Mídia Brasileira, publicada pela Secretaria de comunicação Social do Governo no final de 2016, o canal de comunicação preferido dos brasileiros é a internet.  

Os dados apontam que passamos cerca de 4 horas e 59 minutos por dia de olho na web. Esse número coloca o país entre os mais conectados do mundo, e entre os mais lucrativos para as empresas que investem corretamente em estratégias de Marketing Digital.

Sim, é isso mesmo: para as marcas que contam com um bom site responsivo, um ótimo conteúdo de blog corporativo, e até campanhas de e-mail marketing, aqui é um excelente terreno para se faturar com a web!

Quer saber mais sobre o assunto e entender como utilizar as principais estratégias de Marketing Digital para fazer sua empresa crescer? Confira nossas 7 dicas de sucesso:

Por que investir em Marketing Digital?

Lá no final dos anos 2000, quando o Google lançou a sua plataforma de AdWords (anúncios pagos), muitos especialistas diziam que a grande vantagem de se investir nesse tipo de marketing voltado para a internet é que isso sairia mais barato do que investir naquele marketing voltado para os meios tradicionais. E até que existe uma verdade nisso, mas o fator “custo” não é o único e nem o mais relevante do marketing digital.

Além de conseguir impactar mais pessoas por uma quantidade menor de verba do que nos meios off-line, o marketing digital tem outras características que fazem dele uma excelente escolha para o planejamento de comunicação da sua empresa. Mostraremos as principais delas a seguir.

Quais as vantagens dessa estratégia?

Velocidade

Ao contrário do que acontece nas campanhas de mídia tradicional, no meio digital não existe o envio de artes para uma gráfica, o agendamento de um horário para a veiculação de um anúncio no TV e nem mesmo a espera pela impressão de uma arte nos jornais. Assim que uma campanha é aprovada, ela já pode entrar em funcionamento na rede.

Fora isso, ainda existe o fato de que os resultados são acompanhados em tempo real, e toda tomada de decisão é feita de maneira mais rápida, tanto para aumentar a performance das ações quanto para solucionar algum problema. Falaremos melhor sobre isso mais adiante.

Ultra segmentação

Anunciar para apenas alguns bairros da cidade? Falar somente com homens ou mulheres de uma determinada faixa etária? Anunciar para homens ou mulheres de uma determinada faixa etária, em apenas alguns bairros da cidade e só a noite? No marketing tradicional, é praticamente impossível segmentar dessa maneira a sua campanha.

Porém, se você optar por estratégias de Marketing Digital para sua empresa, a história muda bastante. Aqui, é possível ultra segmentar o público, a região e até os horários em que seus anúncios serão apresentados. E isso, é claro, pode impactar positivamente os números do seu negócio.

Acompanhamento de resultados

Com a mídia off-line, é praticamente impossível acompanhar os resultados da sua campanha em tempo real.

Um outdoor foi colocado em uma esquina? Não existe alguém ali contando quantas pessoas viram aquele anúncio. Sua mensagem foi transmitida no intervalo do jornal? Também não dá para saber ao certo se o público estava de frente para a TV na hora em que o anúncio passou.

Com o marketing digital, acontece exatamente o contrário: é possível ver não apenas os números de impressões de um anúncio, mas também a quantidade de cliques e até o tempo de permanência dos usuários em uma página, tudo em tempo real.  

Facilidade em mudar o direcionamento

Seu blog corporativo não está recebendo tantos acessos quanto esperava? É possível mudar o tipo de conteúdo. Seu anúncio com determinada imagem não está performando bem? Troque a arte ou a cor do botão de ação e veja se os resultados também mudam.

Em uma campanha de marketing digital, é muito simples mudar o direcionamento para corrigir ou aprimorar um caminho. Basta realizar alguns testes e testar hipóteses até encontrar o que vai funcionar melhor para o seu negócio.

Geração de informações valiosas para o seu negócio

Por fim, outro ponto a favor do investimento em marketing digital é a geração de informações a respeito do seu próprio negócio — algo que ainda é pouco dito por aí.

O que acontece é que, ao planejar, colocar no ar e acompanhar os resultados de uma ação no ambiente digital, você entende o que realmente funciona ou não para a sua empresa, qual público tem mais interesse e até mesmo quais são as regiões mais interessadas no seu serviço ou produto. Ou seja, você coloca à prova o que pensava sobre a sua marca.

No entanto, mesmo com todas essas vantagens, ainda falta explicar como o seu negócio pode aproveitar todas elas na web, não é mesmo? Pois é aí que entram as 7 principais estratégias que você deve adotar para faturar de vez com o marketing digital!

As 7 principais estratégias que você deve adotar

Enquanto este post é publicado, novas estratégias de marketing digital surgem pela web afora. Por isso, é importante ter em mente que o que apresentaremos aqui não são as únicas chaves do sucesso na web.

No entanto, se você observar de perto os casos de sucessos de grandes marcas no meio on-line, provavelmente encontrará pelo menos um desses pontos presentes em suas estratégias digitais. Vamos às dicas:

Desenvolva um Site Responsivo

De acordo com uma pesquisa realizada em 2015 pelo IBGE e publicada pela Agência Brasil, pelo menos 92,1% dos domicílios brasileiros já acessam a internet por meio dos celulares. Trata-se de um número maior do que a quantidade de pessoas que acessa a rede por meio de computadores tradicionais (por volta de 70%, segundo a mesma pesquisa).

De olho nisso, não é de se estranhar que o Google, desde abril de 2015, vem priorizando em seus resultados de busca aqueles sites que sejam responsivos — ou mobile-friendly, como também são chamados —, rodando perfeitamente tanto em aparelhos móveis quanto em computadores.

Por isso, uma das principais estratégias de marketing digital que você precisa adotar é a criação de um site que seja responsivo e que tenha os 5 elementos principais do mobile-friendly, que já mostramos por aqui no blog anteriormente.

Mire na experiência do usuário

Bem, já que falamos sobre a necessidade do seu negócio ter um site que seja responsivo, não custa nada abordar outra importante estratégia do marketing digital bastante relacionada à esse tema: a boa experiência do usuário.  

De acordo com Jakob Nielsen, um dos maiores nomes em design de interação do mundo, essa experiência diz respeito “a todos os sentimentos tidos com a interação do usuário final com uma determinada empresa, seus serviços e produtos”. E aí, é claro, também vale a interação realizada no meio on-line. Mas o que seriam esses sentimentos?

Simples: se um usuário consegue entrar no site da sua empresa e encontrar facilmente o que procura, os sentimentos são positivos. Se ele acessa esse mesmo site por meio do celular e consegue carregar e visualizar as páginas tranquilamente, os sentimentos são positivos. Se as imagens e textos encontrados por ali são de qualidade, os sentimentos, novamente, serão positivos.

Em resumo: quando alguém consegue usar o seu site, encontrar o que procura e ainda se impressionar com um algo a mais, aquela pessoa tem sentimentos positivos a respeito da sua marca, garantindo uma experiência satisfatória. Isso é vantajoso tanto para a construção da sua marca quanto para o ranqueamento do Google, uma vez que o motor de busca também leva em conta o tempo de permanência dos usuários em uma determinada página.

Mas atenção: não é só de texto e imagem que é feita a experiência do usuário com um site. Veja adiante o que mais a sua página deve ter.

Não economize com servidor

De acordo com um levantamento feito pelos ingleses do HOBO, pelo menos 53% dos usuários de smartphones dizem abandonar um site se ele demorar mais de 3 segundos para carregar em seus aparelhos.

Para que um endereço na web tenha uma boa velocidade, além de uma excelente programação, é importantíssimo que ele esteja armazenado em um servidor com boa memória e um bom poder de processamento. Afinal, tempo de carregamento também faz parte da experiência do usuário!

Crie conteúdos de qualidade para o Blog Corporativo

Como já falamos por aqui, não ter um blog corporativo é um dos erros mais comuns de alguns sites, fator que prejudica também os resultados de SEO de qualquer negócio on-line.

No entanto, não basta apenas colocar um blog no ar com qualquer tipo de conteúdo e esperar que isso vá dar resultado para a sua empresa. É necessário ter um conteúdo de qualidade para que esta estratégia funcione. Mas o que teria de diferente nesse tipo de conteúdo?

Originalidade

Essa é a primeira grande regra: não tente copiar e colar o conteúdo de outro lugar. Além de correr o risco de um usuário ou do dono do texto original perceberem o plágio, o Google sabe muito bem quando seu blog está clonando posts de outro canto da internet. Caso isso aconteça com você, seu site certamente será punido.

Utilidade real para o leitor

Se o seu conteúdo não é de fato útil para o leitor, ele não vai querer continuar lendo aquilo, abandonando a página para ir em busca de algo mais relevante. Consequentemente, seus resultados orgânicos serão prejudicados.

Se você não quer que isso aconteça com o seu site, foque os esforços da sua equipe de produção em oferecer conteúdos interessantes para o usuário.

Interatividade

Links, vídeos, infográficos e até chamadas no texto que levem o leitor a se engajar com a marca são alguns dos pontos essenciais de qualquer bom conteúdo para blog. Lembre-se que a internet é um meio dinâmico, e quanto mais interativo for o seu conteúdo, mais tempo o usuário passará explorando o seu site.

Design

Além do design das páginas do blog em si, é muito importante cuidar do design do conteúdo veiculado. Insira imagens de qualidade no decorrer do texto, crie bullet points com pequenas listas e destaque alguns trechos em negrito para tornar a leitura do seu conteúdo mais confortável para o usuário.

Bom uso do português

Tenha em mente que o cuidado que você tem com os textos do seu blog corporativo demonstram também o cuidado que você tem com a sua empresa. Portanto, um conteúdo mal escrito, com ideias mal colocadas e português duvidoso pode não passar uma boa imagem da sua marca para o leitor.

Marque presença nas Redes Sociais

Não há dúvidas de que o bom uso das redes sociais é um dos pontos principais para transformar o seu site em um grande gerador de negócios no meio digital.  

Só para se ter uma ideia, de acordo com o Facebook, pelo menos 45% da população brasileira acessa mensalmente a rede criada por Mark Zuckerberg. São mais de 90 milhões de pessoas conferindo a timeline e subindo imagens todos os meses por ali!

Mas não é só de Facebook que vive o mundo das redes sociais. Escolher a rede social ideal para o seu negócio pode ajudar a sua empresa a criar engajamento com o público correto, além de permitir economizar um bom tempo que poderia ser gasto no ambiente errado. Por isso, nada melhor do que conferir as principais características das grandes redes que temos hoje disponíveis na web.

  • Facebook: de crianças a idosos, todos estão presentes no Facebook, a plataforma mais plural da web. No entanto, apesar de todo mundo ter um perfil por ali, é importante ter em mente que, para páginas profissionais, é preciso investir em impulsionamento de conteúdo para que a sua mensagem chegue a todos os seguidores (algo que iremos explicar melhor daqui a pouco).

  • Twitter: apesar de não ter mais o mesmo peso que o Facebook, o Twitter continua sendo a rede preferida para quem acompanha eventos ao vivo (como programas de TV, jogos esportivos ou até palestras) de olho no smartphone.

  • Instagram: empresas que trabalham com lifestyle, moda, gastronomia ou turismo tem muito o que aproveitar com o Instagram, a rede favorita de quem gosta de conferir boas fotos e vídeos curtos.

  • Youtube: se o seu negócio é do tipo que realmente investe em conteúdo e tem o que dizer para os clientes, o Youtube é uma excelente pedida.

  • Linkedin: mais voltada para os negócios, o Linkedin é uma rede social que pode ser bem importante para estreitar relações B2B e encontrar profissionais de qualidade para a sua empresa.

  • Whatsapp: apesar de ficar no meio do caminho entre rede social e aplicativo de mensagem, o Whatsapp é um importante meio de comunicação no Brasil — afinal, ele está presente em quase 80% dos celulares em uso no país. Isso torna o app uma excelente ferramenta para realizar atendimentos e até vendas, no caso de empresas prestadoras de serviços.

Depois de escolher a rede social ideal para o seu negócio, o segundo passo é planejar exatamente qual conteúdo será publicado por ali. Não se esqueça ainda que, nesse meio, é importante criar relacionamento com os usuários, então nada de produzir mensagens de mão única, onde só a sua empresa fala e o consumidor nunca é ouvido.

Invista em Links Patrocinados, Facebook Ads e Google Adwords

Resultados orgânicos: podemos dizer que este é o santo graal do Marketing Digital. Afinal, quem não gostaria de ter o maior número de conversão possível sem precisar pagar nenhum centavo por isso?

No entanto, atingir diferentes nichos com resultados orgânicos não é assim tão fácil, nem tão rápido. É aí que entram em cena os links patrocinados, aqueles anúncios em formato de texto do Google AdWords e do Facebook Ads.

Com a ajuda desses 3 elementos, você conseguirá, por exemplo:

  • ganhar mais destaque no Google e nas redes sociais;
  • trabalhar algumas palavras-chave que ainda não estejam funcionando corretamente para o seu negócio
  • direcionar a conversão para outros meios diferentes — como determinado telefone ou até uma loja física, por exemplo.

Ainda falando de Facebook Ads, existe outro bom motivo para você colocá-lo em sua estratégia de Marketing Digital: de acordo com um estudo feito pelo pessoal do Social Bakers, entre os anos de 2012 e 2014, o alcance orgânico dos posts do Facebook caiu de 16% para 6,5%. Logo, se você tem uma fanpage com 1000 seguidores, pouco mais de 50 deles iriam ser impactados por algum post de forma orgânica.

É daí que surge a necessidade de investir cada vez mais em impulsionamento de conteúdos que façam sentido para a sua empresa e para aqueles seguidores que já demonstraram interesse pela sua marca anteriormente.

Trabalhe com E-mail Marketing

Quem nunca ouviu por aí que “o e-mail marketing morreu” e que “todo mundo só olha mensagem de WhatsApp, e não de e-mail”? Esses boatos, espalhados aos quatro cantos, não passam de mitos. Na verdade, o e-mail marketing é uma ferramenta que está vivinha e vai muito bem, obrigado.  

Só para se ter uma ideia, estima-se que em 2016 a internet tenha chegado ao patamar de 4.3 bilhões de contas de e-mail criadas. Esse número impressionante se realça ainda mais quando observamos alguns estudos que apontam que as mensagens direcionadas para esses e-mails costumam ser até 40% mais efetivas do que aquelas direcionadas para redes sociais, como Facebook ou Twitter.

Mas não basta fazer uma imagem qualquer, colar no e-mail, disparar e esperar que ele faça sucesso com os clientes: é preciso saber como trabalhar com esse tipo de mecanismo corretamente. Aqui vão duas dicas essenciais:

Produza e-mails responsivos

Sim, da mesma maneira como acontece com os sites, os e-mails também podem ser abertos em diferentes tipos de aparelhos, com diferentes tamanhos de telas, e por isso eles também precisam ser responsivos.

Além de haver uma preocupação extra com a programação dos e-mails, é importante também pensar no peso que eles terão. Afinal, o usuário poderá abrir a mensagem tanto em casa, com uma internet de 20 megas, quanto na rua, com o 3G pré-pago.

Trabalhe com automação de marketing

Outro erro comum que acontece com algumas empresas em relação ao e-mail marketing é não investir em um sistema de automação para filtrar, disparar e analisar os resultados dessa estratégia.

Às vezes, um usuário pode entrar em contato com sua empresa para saber mais novidades a respeito de um produto. Em outros casos, porém, ele pode ter apenas efetuado uma compra e nunca mais aparecido na sua loja. Com isso em mente, não dá para produzir uma mesma mensagem para os 2 e nem esperar que o interesse deles em efetuar uma compra com a sua marca seja o mesmo. Nesse contexto, surge a automação de marketing.

Com esse tipo de sistema, você planeja os estágios do funil de venda em que determinado usuário pode estar e qual tipo de conteúdo é o melhor para ele naquele momento. A ferramenta entende tudo isso e dispara os e-mails na hora certa, criando relatórios importantíssimos para o seu negócio.

Utilize Landing Pages para aumentar a conversão

Por fim, temos as landing pages, aquelas páginas onde o foco principal é a conversão do usuário em cliente.

Ao contrário de uma página de site convencional, uma landing page não conta um vasto menu cheio de opções, nem botões que levam o usuário para fora daquele ambiente. Aqui, o interesse é um só: levar aquela pessoa à compra de um produto ou a um determinado cadastro.

Por isso, nada de levar os cliques da sua ação de marketing digital para um site tradicional. Invista em landing pages, turbine as conversões e aumente seus resultados na web!

Conclusão

Como você viu por aqui, hoje em dia as pessoas (especialmente os brasileiros) estão muito mais ligadas na internet do que em meios de comunicação tradicionais, como rádio, TV ou impressos. Por isso, usar a web como ferramenta de marketing é mais do que uma opção para o seu negócio: é uma necessidade.

No entanto, é preciso saber como atuar corretamente no meio on-line para obter sucesso. Ter um site responsivo, um blog corporativo com bom conteúdo e apostar no e-mail marketing são só algumas das formas de se conseguir ótimos resultados com as estratégias de Marketing Digital. Portanto, que tal começar a colocar tudo isso funcionando para o seu negócio a partir de agora?

Curtiu o nosso post? Então compartilhe em suas redes sociais e ajude seus amigos a se tornarem experts em marketing digital!

ReachLocal se junta à Gannett

A ReachLocal foi fundada em 2004, com a missão de ajudar as empresas locais a crescer. Começando com a introdução da ReachSearch e crescendo até se tornar um sistema total de marketing digital, somos agora líderes neste setor, aplicando soluções e serviços de mídia digital para ajudar a mais de 16.000 clientes nos cinco continentes. A parceria que temos com você tem sido essencial para nos fornecer feedback e percepções para desenvolver nossas soluções premiadas e alcançar os sucessos que temos obtido.

Continuamos empenhados em cumprir a missão de ajudar as empresas locais a crescerem e nessa busca estamos empolgados em anunciar que concordamos em ser adquiridos pela Gannett Co., Inc. A Gannett é uma empresa de mídia de próxima geração empenhada em fortalecer as comunidades em todo o país. Por meio de confiança, conteúdo atraente e alcance do local ao nacional inigualável, a empresa alcança as vidas de mais de 100 milhões de pessoas mensalmente. A Gannett é conhecida por suas redações vencedoras de prêmios Pulitzer, marcas poderosas como USA TODAY e propriedades de mídia especializadas.

A posição de liderança da Gannett permitirá também que a ReachLocal possa se concentrar na nossa missão de ajudar as empresas a crescer. A fusão com a Gannett aumentará a nossa capacidade de inovar e criar produtos e serviços líderes no setor que colocarão os negócios dos nossos clientes em uma vantagem competitiva.

Este processo ainda não foi concluído e a transação continua sujeita às condições habituais de conclusão. Nesse meio tempo, continuaremos trabalhando da maneira usual.

Estamos muito empolgados com o futuro!

Atenciosamente,

Sharon Rowlands
CEO

Aviso aos investidores
A Oferta descrita acima ainda não começou. Esta apresentação e seus anexos não são uma oferta de compra nem uma solicitação de uma oferta para vender nenhum título da Empresa. A solicitação e a oferta para comprar as ações da Empresa serão realizadas somente nos termos de uma declaração de oferta no Formulário TO, incluindo uma oferta de compra, uma carta de transmissão e outros materiais relacionados que Controladora e a Compradora pretendem apresentar à SEC. Além disso, a Empresa apresentará à SEC uma Declaração de solicitação/recomendação no Formulário 14D-9 com relação à Oferta. Uma vez arquivado, os investidores poderão obter a declaração de oferta no Formulário TO, a oferta de compra, declaração de solicitação/recomendação da Empresa no Formulário 14D-9 e materiais relacionados à Oferta e à Fusão gratuitamente no site da SEC em www.sec.gov e do agente de informações indicado nos materiais da oferta pública. Os investidores também podem obter, sem nenhum custo, todos os documentos arquivados ou fornecidos à SEC pela Empresa na seção “Investidores” do site da empresa em http://investors.reachlocal.com/. INVESTIDORES E DETENTORES DE TÍTULOS SÃO ACONSELHADOS A LER ESSES DOCUMENTOS QUANDO ELES FOREM DISPONIBILIZADOS, INCLUINDO A DECLARAÇÃO DE SOLICITAÇÃO/ RECOMENDAÇÃO DA EMPRESA E QUALQUER ALTERAÇÃO POSTERIOR, ASSIM COMO QUAISQUER OUTROS DOCUMENTOS RELATIVOS À OFERTA E À FUSÃO DE QUE FORAM APRESENTADOS À SEC, COM ATENÇÃO E NA SUA TOTALIDADE, ANTES DE TOMAR QUALQUER DECISÃO QUANTO AO FATO DE OFERECER SUAS AÇÕES DE ACORDO COM A OFERTA PORQUE ELAS CONTÊM INFORMAÇÕES IMPORTANTES, INCLUINDO OS TERMOS E CONDIÇÕES DA OFERTA.

Declarações Prospectivas
As declarações contidas neste relatório que não são uma descrição de fatos históricos são declarações prospectivas. Palavras ou frases tais como “acredita”, “pode”, “poderia”, “vai”, “estima”, “continua”, “antecipa”, “pretende”, “busca”, “planeja”, “espera”, “deveria”, “poderia” ou expressões similares são usadas para identificar declarações prospectivas, e são baseadas em crenças e expectativas atuais da empresa. Estas declarações prospectivas incluem, sem limitação, as declarações em relação à conclusão prevista da Oferta e da Fusão. Os resultados futuros reais da Empresa podem diferir materialmente das expectativas atuais da Empresa devido aos riscos e incertezas inerentes ao seu negócio. Estes riscos incluem, sem limitação: incertezas quanto ao momento da Oferta e da Fusão; incertezas quanto à percentagem de acionistas da Empresa ofertando suas ações na Oferta; a possibilidade de que as ofertas concorrentes sejam feitas; a possibilidade de que várias condições de fechamento para a Oferta ou a Fusão podem não ser satisfeitas ou renunciadas, incluindo que um órgão governamental pode proibir, atrasar ou recusar a aprovação para a consumação da Fusão; os efeitos da perturbação causada pela transação tornando mais difícil manter relacionamentos com funcionários, colaboradores, fornecedores e outros parceiros de negócios; o risco de que litígios de acionistas em relação à Oferta ou à Fusão possam resultar em custos significativos de defesa, indenização e responsabilidade; e riscos e incertezas relativos aos negócios da Empresa, incluindo aqueles detalhados na seção “Fatores de Risco” e em outros lugares em arquivamentos periódicos públicos da Empresa junto à SEC, assim como os materiais da oferta pública apresentada pela Controladora e a Compradora e a Declaração de Solicitação/Recomendação a ser arquivada pela Empresa em relação à Oferta.

O leitor é alertado para não depositar confiança indevida nessas declarações prospectivas, que são relacionadas somente até à data deste instrumento. Todas as declarações prospectivas são qualificadas em sua totalidade por esta declaração cautelar e a data deste instrumento. Todas as declarações prospectivas são qualificadas em sua totalidade por esta declaração cautelar e a Empresa não assume nenhuma obrigação de revisar ou atualizar este relatório para refletir eventos ou circunstâncias após a data deste documento, salvo conforme exigido pela legislação.

Veja os cinco erros mais comuns do seu site que prejudicam o SEO e o que fazer para melhorá-los

A falta de práticas adequadas de SEO (Search Engine Optimization ou Ferramenta de Pesquisa Otimizada) é considerada uma das grandes falhas que as empresas cometem ao criar um site. Ocorre que, sem um sistema de busca otimizado, o alcance é visivelmente menor para as pessoas que procuram o site, por maior que seja o volume de informações que ele tenha. Para que esses e mais alguns desafios sejam superados, abaixo estão relacionados alguns dos principais motivos de como os sites podem prejudicar o SEO, e o que fazer com eles.

1) Site desatualizado

Um dos erros mais comuns que as empresas cometem é não atualizar o site, tanto conteúdo quanto layout, pois esses detalhes fazem com que os sites se tornem obsoletos e já não sejam mais eficazes. Em resumo, se os sites estão parados, consequentemente não funcionam tão bem para um cliente que está fazendo uma busca na internet e também não se adaptam facilmente às mudanças frequentes em algoritmos de pesquisa. Além disso, sites em Flash podem acabar não aparecendo em ferramentas de busca porque eles não conseguem indexar o conteúdo neles.
Dica: Redesenhe seu website e certifique-se que ele está alinhado com as práticas atuais de SEO, que hoje inclui páginas com design profissional, imagens atraentes e novos conteúdos relevantes para os principais produtos e serviços que você deseja promover. Um site com conteúdo e imagens fáceis de atualizar, certamente vai trabalhar a seu favor em tendências de pesquisa que mudam com frequência.

2) Não é otimizado para celular

Quantas vezes você visitou um site por meio do seu smartphone, e não achou o que você está procurando? Esta é uma experiência muito comum para os visitantes de websites de pequenas empresas. Atualmente, os usuários móveis esperam uma versão simplificada de um site de pequenas empresas com todas as informações de contatos delas, e que também seja de fácil navegação. E como o uso de dispositivos móveis só tende a crescer, essas são as expectativas de consumidores que estão sempre se deslocando de um lugar á outro.
Dica: Se o seu site não possui essa mobilidade e agilidade, é importante investir em uma versão móvel amigável ou pelo menos uma página de destino móvel que os consumidores possam entrar quando clicarem em seus links orgânicos de um dispositivo móvel. Listamos abaixo alguns itens básicos para incluir em sites móveis:
• Nome da empresa e logotipo;
• Principais produtos e serviços;
• Localização com um link para um mapa ou direções;
• Horário de funcionamento;
• Número para função “click-to-call”;
As possibilidades são de que consumidores que buscam seu negócio via dispositivos móveis procurem um meio de te ligar ou de visitá-lo. Certifique-se de que eles possam fazer isso!

3) Ignorar seus metadados

Para muitos donos de empresas, o conceito de metadado é o lado de web-desenvolvimento obscuro e desconhecido de SEO. E, de qualquer modo, isso não faz muita diferença, certo? Errado. Os metadados encontrados no código de seu website – coisas como tags de título, meta descrições e texto alternativo – é crucial para seu SEO. Por um lado, é parte do que as ferramentas de busca irão procurar quando decidirem em quais sites mostrar nos resultados de busca quando as pessoas procurarem por termos relacionados. Além disso, os consumidores vêem metadados como descrições de página e títulos na listagem orgânica do seu site quando ele aparece em um resultado de pesquisa.
Dica: Sabe aquela página título e a descrição que você vê quando seu site aparece em resultados de busca? É tudo do metadado do seu site – então não deixe isso escapar! Verifique se seus metadados estão completos e otimizados com sua palavra-chave alvo. Você também deve se certificar de que os títulos de sua página, meta descrições, cabeçalhos da página principal e tags de todas as imagens claramente indiquem o que eles representam em seu site. Isso ajuda seu público alvo, a saber, exatamente no que estão clicando. Isso também ajuda esta informação a aparecer em resultados orgânicos de busca apropriados.

4 . Você não tem Blog

O abastecimento com conteúdos em seu site proporciona mais eficácia quando se trata de SEO, pois além de ajudar os motores de busca a determinarem a relevância nos resultados de pesquisa, também pode trazer conteúdo útil e informativo que ajuda os visitantes no contato com seu site, dirigindo mais ligações de seus esforços de busca orgânica. Um modo fácil e efetivo de publicar conteúdos sobre seus negócios, produtos e serviços é usando um blog, mas apenas ter um configurado em seu site não é o suficiente. Se você não tem tempo para publicar posts relevantes sobre tópicos-chave em seu blog, consumidores que poderiam estar interessados em seus produtos ou serviços podem não encontrar seu site quando procurarem.
Dica: Adicione um blog em seu site e publique conteúdo novo para que ele tenha uma base semanal. O texto não precisa ser longo ou excessivamente complexo, apenas certifique-se que o foco está em torno dos principais produtos e serviços que você quer para mostrar-se para o consumidor quando ele pesquisar, e incluir links relevantes para esses produtos e serviços, bem como recursos externos úteis. Além de posts escritos, postar conteúdo útil, como vídeos, infográficos e galerias de imagens, é certeza de sucesso com o seu público. Por fim, certifique-se que as mensagens são compartilhadas através de suas páginas de mídia social com um link para o seu blog e peça para seus seguidores e amigos compartilharem. O objetivo é sinalizar socialmente seu conteúdo, além de direcionar o tráfego para seu site e aumentar a relevância da página na pesquisa.

5. Não foi criado como serviço local

Como um negócio local, você quer que consumidores locais encontrem e visitem seu website. E o Google fez mudanças para ajudar consumidores a encontrarem mais facilmente e obterem informações sobre negócios locais que oferecem produtos ou serviços que eles procuram. Então, por que não otimizar seu website para atrair consumidores que procuram negócios em sua área?

Dica: Todo negócio local deve começar com otimizações locais básicas para que eles sejam descobertos em buscas locais. Por um lado, você deve incluir o nome da sua cidade juntamente com suas palavras-chave principais no conteúdo, para que quando consumidores pesquisem por termos locais como “florista Nashville”, seu negócio apareça nos resultados da busca. Também é importante incluir no website o seu endereço completo – e não só na página “Fale Conosco”. Listando-o em algum lugar como o rodapé, ele ajudará seu site a aparecer em resultados de pesquisas locais e dará auxílio aos visitantes a saberem que, de fato, eles encontraram os negócios que estavam procurando. Verifique se está escrevendo seu nome, endereço e outros detalhes de forma consistente, checando a grafia, pontuação, e abreviações, pois o Google checa a consistência e a precisão dessas informações através da web, do seu site e até suas listas locais. Finalmente, linkando sua listagem do Google Maps com seu website, os buscadores locais a encontrarão seu negócio, especialmente quando eles buscarem direto no Google Maps em seus computadores ou smartphones.
Essas atualizações de websites podem não só ajudar seu website a ganhar visibilidade nos resultados de busca, como também podem auxiliar os consumidores a encontrar a informação que eles procuram, para que entrem em contato com seu negócio. Não tem tempo ou expertise para fazer isso sozinho? Considere utilizar o ReachEdge™, um website inteligente e líder em gerenciamento de sistemas, e o ReachSEO™, uma abordagem única para SEO em negócios locais, ele ajudará você a conseguir mais visitantes, contatos e consumidores através dos resultados de busca.

Os clientes estão escolhendo os seus concorrentes ao invés de você?

“Só existe um chefe: O cliente. Ele pode mandar embora do faxineiro ao presidente simplesmente gastando seu dinheiro em outro lugar.” Sam Walton

Como empresário você sabe que atrair potenciais clientes e transformá-los em clientes fidelizados é o ponto-chave para o sucesso de qualquer empresa. Mas você já pensou porque alguém escolheria seu concorrente ao invés de você?
Existem vários fatores que podem fazer com que você perca um possível cliente para um concorrente (E isso pode acontecer com qualquer empresa).
Confira 5 motivos que podem fazer você perder clientes para seus concorrentes e o que fazer para reconquistá-los.

1. Estar mal ranqueado nos buscadores

Você sabe quais são as palavras mais usadas por quem procura o seu tipo de negócio em sites de buscas como o Google, Bing e Yahoo? Quando eles procuram por essas palavras sua empresa aparece bem ranqueada? Se você não sabe quais são as palavras ou termos que os clientes usam para buscar as empresas do seu ramo na internet, ou se os seus concorrentes estão mais bem ranqueados que você, provavelmente você está perdendo terreno para os seus concorrentes. Isso porque a maioria dos consumidores pesquisam apenas a primeira página dos sites de busca. A melhor estratégia para melhorar seu ranking é fazer otimização orgânica (SEO) e campanhas de Links Patrocinados. Então, crie uma boa estratégia de marketing online para que você seja encontrado pelos consumidores em potencial antes dos seus concorrentes.

2. Má reputação na Internet

Você sabe o que as pessoas estão dizendo sobre você e seu negócio na internet? Você sabe como está a sua reputação se comparado a dos seus concorrentes? Fazer o gerenciamento de sua imagem na internet é fundamental em um mundo conectado como o de hoje. Isso porque muitas vezes os clientes buscam informações sobre você em sites especializados e em redes sociais durante o processo de compra. Em 2013, 80% dos brasileiros pesquisaram produtos na internet antes de comprá-los. Então, não importa o quanto seus produtos ou serviços sejam bons, se os clientes deixarem avaliações ruins ou postarem comentários negativos em suas páginas nas redes sociais, você vai perder clientes para os seus concorrentes. A boa notícia é que existem estratégias “proativas” que podem te ajudar a reverter uma avaliação ruim ou um comentário negativo nas mídias sociais. Você pode ir além e trabalhar para construir uma boa imagem on-line, o que vai ajudar a melhorar a reputação do seu negócio. Se você não tem tempo para ficar monitorando tudo o que dizem sobre seu negócio na internet, existem serviços que monitoram o que está sendo falado sobre sua empresa na WEB.

3. Qualidades e características do seu site

Seu site é seu cartão de visita para o mundo, e muitas vezes é o primeiro lugar que os clientes vão procurar para saber mais sobre seu negócio e sobre sua empresa, mas se o seu site não tem um bom layout, não possui informações importantes como telefones de contato ou é difícil de navegar entre as páginas, os clientes simplesmente sairão do seu site e irão para o site de algum concorrente que seja mais intuitivo e fácil de navegar. Existem muitos recursos para deixar seu site mais atraente e funcional para clientes que estão acessando sua página. Características que inclusive podem converter esses potenciais clientes em clientes de fato. O dinheiro e o tempo que você vai investir para deixar seu site impecável será compensado quando ele atrair mais clientes e visitantes que podem se transformar em novos negócios.

4. Demorar para responder ou retornar um contato

Quando um lead entra em contato com várias empresas por meio de um formulário de contato on-line ou envia uma mensagem após o horário comercial, você tem que ser a primeira empresa a responder esse contato, pois boa parte desses contatos tem a possibilidade de se transformar em negócios. Pelo fato de já ter entrado em contato com você por telefone ou pela internet, isso já demonstra que esse prospect é um lead quente. Então, não perca a oportunidade de fechar um novo negócio por demorar a responder. Ser o primeiro a retornar o contato demonstra que você tem proatividade e profissionalismo. E isso te da a chance de estabelecer um relacionamento com seu possível cliente, responder as dúvidas e quem sabe agendar uma visita.

5. Atendimento ao cliente

No Brasil, 68% dos consumidores consideram o atendimento o fator mais importante na hora de fechar uma compra. Por isso, ter um bom atendimento é fundamental, tanto para um cliente em potencial quanto para um cliente da casa. Pense em si mesmo como consumidor na última empresa que você pesquisou algum produto ou serviço e responda: Como você foi tratado? Se você ligou para essa empresa, os atendentes foram cordiais e profissionais com você? Se você visitou esse negócio, foi dada a atenção necessária para você? Se você entrou em contato com essa empresa por e-mail, eles te enviaram uma resposta rápida e clara? Estes são apenas alguns exemplos para mostrar que um ótimo serviço de atendimento ao cliente faz muita diferença nas etapas iniciais de um ciclo de venda. Se você não está oferecendo um bom atendimento para seus clientes em potencial, provavelmente eles vão fechar negócio com o concorrente que oferecer um atendimento melhor. Portanto, dedique um tempo a fazer uma avaliação e saber como os seus clientes estão sendo tratados quando entram em contato com você. Se você pode ganhar a confiança de um cliente desse o primeiro atendimento, você terá uma grande chance de fidelizá-lo.

Um novo jeito de vender carros

Como vender para este novo consumidor informado e digitalizado.

por Lucas Cappellanes

O mercado automotivo em todo o mundo está se tornando irreconhecível em relação ao que era há vinte anos. A internet está reformulando o formato tradicional de vendas e serviços, ao mesmo tempo em que leva os clientes a mudar seus padrões de interação e comunicação, como resposta ao aumento das tecnologias móveis e mídias sociais.

Os consumidores de carros novos, por exemplo, que até alguns anos atrás percorriam inúmeras concessionárias em busca do modelo ideal, hoje fazem uma triagem inicial na web antes de decidir se deslocar para uma loja. Os empresários e profissionais do setor devem acompanhar essa reviravolta no comportamento do consumidor e utilizar as ferramentas digitais disponíveis para atrair o público até sua loja.

Essa tendência de fortalecimento do papel das mídias digitais é comprovada por pesquisas internacionais. Como o estudo da consultoria de mercado Frost & Sullivan, realizado em 2014, que indica que os fabricantes de carros pretendem adotar um novo modelo de varejo, conectados à necessidade de inovar para estar à frente e impulsionados por altos custos imobiliários. A análise mostra que muitas concessionárias de automóveis estão reduzindo em 20% o espaço nas lojas e optando pelo meio digital para interagir com potenciais clientes. Segundo previsão da consultoria, em 2020, entre 60% e 70% das novas oportunidades de vendas de carro devem ser geradas por uma plataforma digital, seja site, mídias sociais ou aplicativos.

Nesse cenário, migrar para o marketing digital torna-se uma necessidade. A elaboração da estratégia on-line mais indicada para seu negócio começa desde o chamado Momento Zero, quando o consumidor é estimulado a comprar um carro novo, seja pela publicidade ou influência de amigos, e começa a fazer sua pesquisa via internet. Essa pesquisa via web para orientar a decisão de compra já atinge 71% dos compradores de carro, segundo Think Insights do Google, artigo The Zero Moment of Truth Automotive Study, publicado na internet em abril de 2011.
É importante identificar alguns passos básicos para fechar o ciclo da compra, que vai desde o estímulo para que o consumidor decida iniciar sua pesquisa até a concretização do negócio.
cone
Como parte da estratégia de estímulo à compra e, ao mesmo tempo, como ferramenta para direcionar o cliente para a loja, a concessionária deve complementar sua divulgação com campanhas de mídia on-line. Elas devem utilizar displays (anúncios tipo banners on-line, que podem ser publicados em sites, mapas ou redes sociais) e soluções de redirecionamento (retargeting), para reforçar a busca para aqueles que não tomaram a decisão imediata de ir para o site.

No momento da pesquisa, assume importância a utilização dos links patrocinados, que destacam a posição da empresa ou marca nos sites de busca para atrair leads (consumidores) qualificados para as concessionárias. A expertise de uma consultoria especializada é fundamental para montar a estratégia mais adequada para que o investimento da concessionária em mídias digitais tenha o melhor retorno possível.

O site ideal

Quando a pessoa interessada na compra chega ao site, é preciso que suas demandas sejam atendidas. O site deve oferecer ao consumidor a opção de configurar seu carro, além de ter acesso ao estoque de modelos disponíveis da loja de carros novos e seminovos.

A possibilidade de realizar cotação de preços e de preencher formulário de financiamento para envio de proposta à concessionária também pode garantir a aproximação do cliente e aumentar suas chances de visitar a loja e concretizar o negócio, posteriormente.

Também é fundamental que existam alternativas para que o cliente entre em contato com a concessionária: aos tradicionais telefone e e-mail, é recomendado somar modernos canais para gerar demanda, como chats on-line, whatsapp e vídeos.

Pesquisa mundial realizada este ano pela consultoria Capgemini confirma a importância desses recursos no site. Quando perguntados sobre as principais informações que devem existir no site do fabricante ou concessionária, 71% dos entrevistados citaram ampla gama de informações sobre o produto e seleção de veículos; 57% querem tabela de preços, enquanto 44% esperam poder configurar o carro; 40% buscam opiniões de outros clientes, e 38% citaram ferramenta para calcular o custo total, o valor financiado e os pagamentos mensais.

Destacar os serviços de pós-venda, como venda de peças, acessórios e revisão, é outra orientação importante a ser seguida. Além de oferecerem boa margem de lucro, esses itens ajudam a movimentar a loja e podem ser o caminho para estimular o consumidor a comprar um carro novo da marca.

Ter uma versão móvel do site torna-se uma exigência para atender ao novo perfil do consumidor, o que pode ser comprovado por pesquisas. Segundo o Netpop Global Auto Study, de 2013, 81% dos potenciais compradores usam canais digitais para buscar conhecimento sobre os carros. Dentre esses, 50% usam os smartphones para obter diferentes informações: 68% utilizam o celular para decidir sobre marca ou modelo; 60% para saber preço e condições de financiamento; e 53% para escolher a concessionária.

Mantenha-se conectado a esse novo perfil de consumidor e não deixe passar oportunidades para gerar fluxo em sua concessionária.

Lucas Cappellanes é Gerente Comercial – Especialista no Mercado Automotivo, da ReachLocal, empresa global de soluções de marketing digital com foco em soluções para pequenos e médios empreendedores.

Seu site está funcionando? Veja táticas para fazer de seu site uma fonte de ligações

Vá para a página inicial do seu site. Sim, faça isso nesse instante.

Quanto tempo você demorou até localizar o número do seu telefone?

Ok, agora clique em alguma página do seu site como a página de algum produto ou a página sobre a empresa. E agora? Conseguiu localizar facilmente o seu telefone de contato?

Último teste: Acesse seu site a partir de um Smartphone ou Tablet. E aí? Quanto tempo você demorou até localizar seu telefone de contato?

Se você leva mais de cinco segundos para localizar o seu número de telefone em qualquer um desses cenários, seu site tem um problema sério.

Como muitos proprietários de pequenos e médios negócios, você pode acreditar que o telefonema de um potencial cliente pode ser o Santo Graal de seu investimento em marketing, pois essa é uma das formas mais fáceis de comunicação entre você e os seus leads. Você não iria colocar um outdoor ou um anúncio no jornal local sem destacar seu número de telefone, então, por que em seu site seria diferente? Se você quiser mais ligações vindas do seu site, a resposta é simples: Destaque o seu telefone de contato. Aqui estão algumas dicas incrivelmente simples para destacar o número do seu telefone:

1. Destaque seu número no topo de cada página.

Sim, em todas as páginas. Não apenas em sua página inicial ou a página “Entre em contato”. Por quê? Porque as pessoas podem visitar todas as páginas do seu site. Consumidores que estão realmente querendo entrar em contato com você para saber mais sobre produtos ou serviços, solicitar orçamentos ou querendo visitar o seu negócio não acessam apenas a sua página inicial, eles vão navegar em todo seu site para procurar por produtos, informações, avaliações de clientes, vídeos, fotos, e muito mais. Você nunca sabe em qual momento eles vão querer entrar em contato com você. Para facilitar essa ação, coloque seu número de telefone na parte superior de cada página com uma letra e uma cor que seja fácil de visualizar. Lembre-se: quanto mais fácil você conseguir ser contatado, mais ligações você vai receber.

2. Faça um “Call to Action”

Todo site que é eficiente tem um “Call to Action” muito claro em suas páginas. Nesse caso, seus clientes em potencial entrarão em contato com você com mais rapidez. O ideal é você combinar seu “Call to Action” com alguma promoção que atraia o cliente. Com isso, eles vão entrar em contato com você naturalmente. Além disso, faça uma comunicação visual clara para que os visitantes do seu site consigam localizar seu número de telefone com mais rapidez.
Alguns exemplos de “Call To Action” que você pode fazer em seu site:
Ligue agora e ganhe uma avaliação grátis: 4444-4444
Ligue hoje para marcar sua consulta: 5555-5555 – Consultas limitadas
Problemas com encanamento? Ligue para Encanador SP, atendimento 24 horas – 6666-6666

3- Otimize para o Mobile

Quando um consumidor procura um negócio local pelo celular, sabe a primeira informação que ele procura? Exatamente, seu número de telefone. Você pode perder muitas ligações se seu site não estiver otimizado para o Mobile ou com um click-to-call rápido. Ter um bom site responsivo para suas campanhas online e um bom marketing orgânico é imprescindível no mundo mobile de hoje. Então, é hora de investir em no mínimo uma página responsiva com um bom click-to-call para que você possa chegar aos potenciais clientes desse segmento. Pois você não quer perder nenhum cliente em potencial, não é?

DICA EXTRA: Tenha alguém na sua empresa responsável por atender as ligações e retornar os contatos.
Talvez você já esteja recebendo muitos contatos e isso é ótimo. Mas cuidado! A maneira mais fácil de perder um lead quente é deixar de tratá-lo como um lead. Ou seja, não dar um bom atendimento e rápido! E uma das coisas que deixa o consumidor mais nervoso é entrar em contato com uma empresa e ficar esperando na linha sem previsão de ser atendido. Ou pior, deixar uma mensagem e nunca ser retornado. Se você já passou por essa experiência quando entrou em contato com alguma empresa, sabe a sensação que um consumidor pode ter caso isso aconteça na sua empresa. Se você quer aumentar as vendas para os clientes em potencial que ligam para você, considere o uso de um sistema de gravação de chamadas que avisa quando você recebe um novo contato, para que você tenha um meio de retornar as ligações não atendidas imediatamente e entrar em contato com qualquer Lead que não tenha sido atendido imediatamente.