Qual é a importância da experiência do usuário para o marketing?

Mais do que solucionar um problema do cliente, as empresas devem sempre se preocupar em oferecer uma boa experiência ao usuário, também chamado de UX. Esse elemento é indispensável no planejamento e execução de qualquer negócio para que ele tenha sucesso e consiga manter um fluxo frequente e recorrente de vendas. Por isso, preparamos este artigo em que mostraremos o que de fato representa a experiência do usuário e como desenvolvê-la. Confira!

O que é a experiência do usuário?

A experiência do usuário, ou user experience (comumente abreviado como UX), é o conjunto de emoções e percepções que uma pessoa tem ao acessar algum material ou serviço de uma empresa, seja por impacto de uma campanha de marketing, por visitar o site, falar com um representante ou utilizar um produto.

Com tanta competitividade no mercado, a preocupação em oferecer a melhor experiência possível aos usuários se tornou fundamental para qualquer empresa. Nesse contexto, o marketing digital é um aliado muito estratégico, pois apresenta diversas ferramentas e possibilidades para atrair o público. Entretanto, é preciso cuidar para que esses usuários de internet, além de atraídos, se tornem consumidores do seu produto e sejam retidos na cartela de clientes da empresa.

Imagine que você está buscando um determinado item para comprar. Depois de fazer uma pesquisa na internet, abriram-se algumas janelas de marcas diferentes, de forma que você terá que analisar qual a melhor opção. Porém, em uma delas você teve uma navegação complicada, com informações confusas e mal organizadas. Certamente, essa opção perderá espaço em relação às outras!

Por isso, a experiência do usuário é importante para manter uma boa atração e retenção de clientes, de forma a colaborar para o fechamento de vendas frequentes e recorrentes.

Como fazer uma avaliação da UX?

Se a experiência do usuário, conforme falamos no item anterior, possui um impacto direto nas vendas, nada mais interessante que manter uma forte avaliação de cada domínio da marca, a fim de aprimorar a visão dos consumidores, não é mesmo? Por isso, agora mostraremos como criar esse modelo de análise.

Faça testes A/B

O teste A/B é uma importante técnica para avaliar a UX e criar um ambiente de maior conversão. Esse teste consiste em criar duas páginas com o mesmo foco, mas com mudanças objetivas. 

Por exemplo, você deseja avaliar se a cor de um botão de chamada para determinada ação pode interferir no número de pessoas que se cadastram no site. Então, cria duas páginas de conversão, uma com o botão verde e outra com a cor azul. Você mensura o fluxo do site em cada uma das duas páginas e avalia os resultados.

Essa estratégia possui uma grande eficiência se feita de forma planejada e bem estruturada. É preciso ter atenção em utilizar apenas uma variável de cada vez e criar uma boa divisão do fluxo, de modo a não interferir diretamente nos resultados.

Além das cores de botões, que exemplificamos, você pode testar o que achar mais apropriado, como textos, imagens, design da página e disposição dos itens.

Também nas estratégias de marketing digital os testes A/B podem ser aplicados. Você pode, por exemplo, mudar elementos das campanhas e avaliar qual configuração está gerando melhores resultados.

Busque a opinião dos seus usuários

Se você quer avaliar como está a experiência do usuário ao acessar o site da sua empresa, utilizar um produto ou outro tipo de interação, ninguém melhor que o próprio usuário para te dar essa resposta, não é mesmo? Portanto, é essencial que você peça essa informação ao público.

Uma ideia é criar pesquisas de satisfação, questionando cada ponto que deseja analisar. Tenha em mente que o formulário utilizado não deve ser extenso ou complexo, pois a quantidade de respostas pode inviabilizar uma boa análise.

Avalie as métricas de desempenho

Outra possibilidade para avaliar a experiência do usuário é acompanhar as métricas de desempenho. A taxa de conversão, por exemplo, pode ser um bom indicador de como o seu ambiente on-line está recebendo os visitantes.

Como a taxa é uma relação entre o fluxo de visitas e as vendas, pense: se há muitas pessoas no site, mas poucas vendas concluídas, isso pode ser um sinal de dificuldade na navegação.

A taxa de rejeição do site também é um bom indicador. Essa métrica mostra as páginas das quais os usuários entram e saem sem acessar outras informações.

Com tantas possibilidades no marketing digital, como a utilização das redes sociais, e-mail marketing e campanhas de anúncios, é preciso acompanhar os resultados de cada ação com o intuito de otimizar as conversões. Cada interação pode gerar uma experiência, que deve ser analisada, medida e otimizada.

Como gerar uma melhor experiência?

Agora que vimos a grande importância da UX e como ela deve ser monitorada, mostraremos algumas dicas para que você melhore a experiência dos seus usuários. Acompanhe:

Construa uma boa escaneabilidade das páginas

Cada página dentro do seu site deve ter uma fácil e agradável escaneabilidade. Isso representa a facilidade de leitura e interpretação das informações. Por exemplo, se você deseja investir em marketing de conteúdo, mas cria textos sem qualquer formatação, a leitura se torna pesada e afasta os visitantes.

Da mesma forma, se os seus produtos dentro da loja virtual estiverem dispostos de forma aleatória e desorganizada, os resultados podem não ser os esperados.

Por isso, crie um ambiente com design agradável e intuitivo, que ofereça uma boa experiência do usuário.

Adapte seu site para os dispositivos móveis

Os dispositivos móveis devem sempre estar nas estratégias de marketing e vendas das empresas. Os aparelhos são cada vez mais utilizados para a navegação. Empresas que criam seus domínios sem que eles sejam adaptados para esse uso, acabam perdendo grandes oportunidades.

Por isso, adapte suas páginas para esses dispositivos e promova uma boa usabilidade aos clientes.

Use uma linguagem de acordo com a sua persona

Por fim, não se esqueça de utilizar a linguagem adequada nas suas campanhas de marketing e dentro dos seus domínios. Se utilizar uma comunicação confusa ou divergente daquilo que seu público utiliza, a compreensão das mensagens pode ser afetada e os resultados também.

Defina a persona do seu negócio e construa cada estratégia com base nessas informações levantadas.

Portanto, como vimos em nosso artigo, a preocupação em oferecer uma boa experiência do usuário é indispensável em qualquer tipo de empresa. Esse trabalho garante um melhor desempenho com as ações, otimizando cada recurso empregado e gerando maiores vendas.

Tenha atenção com as dicas que fornecemos e mantenha um acompanhamento constante das suas atividades.

Gostou do nosso conteúdo sobre a experiência do usuário para o marketing? Então, deixe seu comentário no post e contribua com a nossa discussão.

Machine Learning: a inteligência artificial no marketing digital

Se você está por dentro das novidades do mundo tecnológico, certamente já ouviu falar de machine learning. Além de ser um dos temas mais explorados na cultura pop, tem se mostrado uma inovação promissora para empreendedores que estão de olho no futuro.

Trata-se de uma aplicação de inteligência artificial usada para fazer com que sistemas computacionais atuem como se estivessem aprendendo com dados, ou seja, sem algum tipo de programação prévia.

Pareceu complicado? Não se preocupe! Ao longo do texto mostraremos como o conceito é bem simples. Continue a leitura e saiba mais!

Como o machine learning funciona?

Embora um mecanismo que aprenda automaticamente pareça ser coisa da ficção, na verdade é algo que está bem próximo da nossa realidade. O machine learning consiste em emular o aprendizado humano em máquinas.

No aprendizado supervisionado (supervised learning) as entradas (inputs) de exemplo são apresentadas junto a algumas saídas (outputs) para que o sistema identifique os padrões que levam a esse resultado.

Já no aprendizado não supervisionado (unsupervised learning) o sistema interage com informações não rotuladas, tendo uma assimilação de dados mais independente.

A grande vantagem aqui é que, diferentemente dos seres humanos, sistemas computacionais podem interagir com uma quantidade de informações absurda, permitindo várias aplicações interessantes, como veremos a seguir.

Quais são os benefícios dessa tecnologia?

Aliar o machine learning com o marketing digital pode criar uma estratégia poderosa. Essa forma de inovação permite que a análise de informações seja feita em uma velocidade cada vez mais impressionante, fazendo com que as empresas tenham uma presença virtual cada vez mais dinâmica.

Não é só o marketing que é beneficiado com essa tecnologia. O seu uso permite que a prospecção de clientes seja mais bem-feita, já que o registro de dados possibilita abordagens mais personalizadas.

Graças a esse nível de personalização automatizada, tanto as estratégias de inbound quanto as de outbound passam a se reinventar. Ou seja, uma nova forma de fazer marketing pode ser que esteja prestes a pintar por aí.

Adaptar a interação ao gosto do consumidor representa uma vantagem competitiva e o machine learning pode permitir que isso seja feito com muita eficácia, mesmo para um volume alto de leads.

Como implementar no meu processo produtivo?

Processos produtivos também podem sentir os efeitos do machine learning. O aprendizado de máquinas, como tem sido chamado em terras tupiniquins, permite um reconhecimento preciso de padrões.

Sabe quando sua empresa passa pelo mesmo tipo de problema, mas você nunca percebe quando ele está prestes a acontecer? Essa tecnologia permite que você identifique as características que assinalam o problema, facilitando a adoção de medidas preventivas.

Além de evitar erros, você pode passar a lidar com um processo produtivo mais veloz por meio da automação de novas áreas: uma boa aposta na redução de custos.

Como implementar na minha estratégia de marketing?

Mesmo para quem já tem uma presença digital estabelecida, investir em machine learning é possibilitar um registro rápido do comportamento de navegação dos seus potenciais clientes. Assim, toda a estratégia terá a persona como centro, gerando identificação com muito mais facilidade.

Além disso, você terá em mãos uma definição mais precisa dos perfis que convertem bem e uma ótima maneira de qualificar seus leads, segmentando seu público e atuando em um nicho de mercado mais específico.

Outro fator útil é a capacidade ilimitada de entrada de informações. É uma excelente maneira de otimizar pesquisas, ler tendências do mercado e saber para onde seu negócio está indo.

Quais são os outros usos para essa tecnologia?

Como você pode ver, o machine learning pode mudar completamente as formas de se fazer marketing hoje. Apresentar ofertas individualizadas com um nível de personalização alto era algo impensável há alguns anos.

Porém, seus usos não se resumem apenas em trazer clientes e aprimorar processos. A própria comunicação entre os setores pode se tornar mais harmônica. É uma forma efetiva de antecipar as necessidades e os problemas mais recorrentes de seus funcionários, oferecendo soluções melhores de maneira mais prática.

Esqueça aquela ideia de empresa com milhares de níveis hierárquicos distantes em que sua mensagem tem de passar por milhares de atendentes. O machine learning pode tornar esse tipo de estrutura ultrapassada.

Como implementar na minha gestão?

Você se lembra daquele ditado “o que não é mensurável, não é gerenciável”? O machine learning abre um leque de possibilidades para comportamentos preditivos: fica mais fácil prever indicativos, taxas, etc.

Em outras palavras, você passa a ter um melhor entendimento de como seus processos funcionam e como geri-los melhor. É a tecnologia mais adequada ao business analytics, uma administração que tende a se concentrar em dados e estatísticas.

O machine learning tem usos até para a segurança, podendo indicar com antecedência quais são as condições de riscos que causam os problemas mais frequentes, contribuindo para evitar complicações.

Onde isso está sendo feito hoje?

O uso em gigantes como o Google, por exemplo, começa a revolucionar as formas de lidar com SEO, além de usos mais específicos, como a busca por voz.

Os agricultores também não ficam de fora. A Monsanto, gigante da biotecnologia agrícola, já tem implementado medidas de machine learning para auxiliar na definição das melhores plantações.

Chatbots também são uma tendência. Os experimentos com essa tecnologia têm mudado o atendimento ao cliente em diversas empresas. Interfaces que adaptam sua linguagem aos usuários já são uma realidade em aplicativos como o SimSimi, por exemplo.

O machine learning pode ter usos incríveis para empreendedores dispostos a investir no futuro. Embora seja uma ideia ainda experimental, diversas iniciativas estão tendo bons resultados com o uso dela.

Não se esqueça que essa é apenas uma das inovações que permitem criar uma estratégia alinhada com a transformação digital. Há diversas outras que também podem mudar as coisas na sua empresa: big data, internet das coisas, business intelligence, realidade virtual, computação na nuvem, etc. Vale a pena dar uma olhada nelas!

E aí, o que achou desta tecnologia? Tem alguma dúvida sobre qual a melhor maneira de ser implementada no seu negócio? Deixe nos comentários!