Experiência do cliente: sua empresa está pronta para essa nova era?

Definitivamente, o processo de compra pelos consumidores mudou bastante nos últimos tempos. Aquelas vendas forçadas, com vendedores insistentes e invasivos, não têm mais espaço. Agora, as empresas devem se preocupar em criar uma boa experiência do cliente, de forma a atender as suas necessidades e estreitar os relacionamentos.

As marcas que se preocupam com isso conseguem atrair novos consumidores e, ainda mais impactante que isso, fidelizar aqueles que já conhecem a empresa.

Então, se você também quer deixar a sua empresa pronta para essa nova era, confira este artigo!

Qual é a importância de implantar esse recurso no seu negócio?

Os consumidores não buscam mais somente um produto ou serviço. Eles querem vivenciar uma boa experiência com as marcas. Para isso, todas as interações, desde o primeiro contato até o fechamento do pedido, passam por uma avaliação bem crítica. Se a experiência não for agradável ou não alcançar a expectativa, o cliente pode buscar outra opção no mercado.

Inclusive, a identidade da marca já se tornou um elemento observado entre o público no momento da escolha. Organizações que se preocupam com o meio ambiente, por exemplo, conseguem conquistar o respeito e a preferência dos consumidores. Veja alguns pontos importantes da promoção de uma boa experiência do cliente:

Experiências personalizadas

A base de uma boa experiência é entender e atender as necessidades do consumidor. Para isso, precisamos lembrar que os clientes não são iguais. A jornada de compra, por exemplo, é um mapeamento de todo o caminho que os clientes devem percorrer até o fechamento. Então, cada estágio tem suas necessidades definidas e, assim, tratativas diferentes.

Ao criar conteúdo de divulgação, deve-se pensar para qual estágio da jornada ele é destinado, qual é o seu objetivo, quais as dúvidas serão esclarecidas e, inclusive, o tipo de linguagem a ser utilizado.

Todo esse planejamento permite que a marca ofereça uma experiência personalizada ao cliente. A partir da utilização dos dados analíticos e boas ferramentas, sua empresa pode criar todo um plano de ação para personalizar os contatos.

Estratégias efetivas

Outra grande importância em criar uma boa experiência do cliente é a otimização das estratégias, tornando-as mais efetivas. Quando uma marca se preocupa com cada ponto de interação do consumidor com a empresa, os métodos se tornam mais eficientes no sentido de conquistar a preferência da pessoa.

É importante sabermos que as estratégias de marketing são complexas e podem gerar resultados diferentes de acordo com o público-alvo. Com isso, torna-se fundamental estudar os efeitos e encontrar as ações com melhor desempenho, otimizando os investimentos e buscando maior lucratividade.

Dados analíticos

Empresas que não se preocupam com a análise de dados não conseguem utilizar toda a capacidade das ferramentas disponíveis. Com a internet, muitas informações relevantes, capazes de gerar efeitos bem impactantes, são disponibilizadas.

Um exemplo do que pode ser feito é analisar a localização geográfica dos seus clientes. Isso permite que você avalie um padrão, criando ações de marketing específicas para cada região, se for interessante.

Outras estratégias dizem respeito ao comportamento dos usuários. Você pode evidenciar anúncios para aqueles visitantes do site que não concluíram uma compra ainda. Essa é só uma das possibilidades criadas ao analisar e utilizar os dados.

Como gerar uma ótima experiência do cliente?

Agora, daremos algumas dicas para que você ofereça uma boa experiência ao seu cliente. Veja:

Trabalhe o marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo vem atraindo cada vez mais empresas. A estratégia consiste em criar um canal de divulgação de conhecimento, como um blog, mantendo-o sempre atualizado.

Você deve criar os conteúdos pensando na jornada de compra e no funil de vendas, de forma que os materiais solucionem as dúvidas dos usuários em cada estágio.

Realize pesquisas de satisfação

Para oferecer uma boa experiência do cliente, nada melhor do que consultá-los para criar uma avaliação. As pesquisas de satisfação são necessárias para que você avalie se os processos estão realmente apresentando um bom desempenho. Lembre-se de não complicar muito as pesquisas, evitando perguntas complexas e em excesso.

Implante a cultura de dados

Já falamos neste artigo da grande importância que os dados têm nas estratégias das empresas, mas vale ressaltarmos. Implantar a cultura de dados na sua companhia permite que você aplique maior inteligência nas ações, eliminando as crenças e achismos que podem colocar qualquer investimento em risco.

Invista em UX

UX, ou User Experience, é relativo a toda a experiência do cliente dentro do ambiente online da marca. Ao criar um site, você deve se preocupar em fornecer um local intuitivo, agradável e de fácil acesso para qualquer usuário.

Além de criar um ambiente de maior desempenho, seu site pode ser melhor ranqueado pelos mecanismos de busca.

Automatize os processos

Automatizar os processos é uma boa forma de melhorar a experiência do cliente. O chatbot, por exemplo, é uma grande solução que vem sendo aprimorada pelas empresas.

A utilização de inteligência artificial permite criar sistemas de atendimento ao cliente, permitindo que eles tirem suas dúvidas de forma simples e prática.

Ofereça suporte e atendimento de qualidade

Falando em atendimento, esse é o nosso último ponto para aprimorarmos a experiência do cliente. Se você quer ter sucesso nesse objetivo, precisa se preocupar com o serviço de atendimento.

Tão importante quanto oferecer um produto ou serviço de qualidade, o suporte ao consumidor pode ser a chave para se criar um relacionamento duradouro. Afinal, um cliente não ficará satisfeito se não tiver o atendimento apropriado quando precisar.

Então, disponibilize diferentes canais de comunicação e mantenha um padrão de alta qualidade em todos eles. Assim, além de atrair novos negócios, clientes fidelizados, com compras frequentes e recorrentes, serão gerados!

Portanto, como vimos em nosso artigo, qualquer empresa que deseja alcançar o sucesso precisa se preocupar com a experiência do cliente. Estamos vivendo uma era em que a sensação gerada nas interações é tão importante quanto a qualidade dos produtos ou serviços oferecidos.

Não se esqueça de que se você não tiver a preocupação com a experiência, a concorrência está logo ali! Agora que você já conhece a importância da experiência do cliente, veja como melhorar o relacionamento com o consumidor!

Otimização de sites: o guia completo

Destacar a sua empresa em meio a tantas opções na internet é um trabalho que vale muito a pena. Sempre que o público precisa encontrar alguma informação, como produtos, preços e avaliações, ele utiliza os buscadores, como o Google. Então, para estar nas primeiras posições entre as respostas, é preciso entender a otimização de sites.

Essa otimização permite que o seu ambiente virtual receba mais visitantes e, consequentemente, mais vendas sejam concluídas, gerando maior lucratividade. Interessante, não é mesmo? Por essa razão, qualquer empresa pode e deve buscar esse trabalho.

Criamos este conteúdo, que é um guia completo de otimização de sites, justamente para lhe mostrar tudo o que você precisa saber para trabalhar as suas estratégias digitais. Vamos abordar os seguintes tópicos:

  • entenda o que é a otimização de sites;
  • a importância da palavra-chave na otimização de sites;
  • a escolha da palavra-chave ideal;
  • quais são e como aplicar as técnicas de SEO; e
  • saiba como tornar a navegação do seu site responsiva para o usuário.

E então, está preparado para começarmos? Boa leitura!

Entenda o que é a otimização de sites

A otimização de sites é um trabalho que visa aumentar a encontrabilidade das páginas para a busca orgânica, a não paga. A finalidade com isso é criar um ambiente mais agradável ao público e que gere um maior tráfego e maior conversão em vendas.

Em inglês, esse trabalho é visto como SEO — Search Engine Optimization. O SEO é tão importante nos dias de hoje que já há vagas nas empresas específicas para essa função, como Analistas de SEO.

Antes de mais nada, vamos explicar o que é a busca orgânica e como o Google organiza as buscas. Quando você utiliza o buscador, na página de respostas há links de direcionamentos. Os primeiros lugares, no topo da página, ficam os links com uma marcação de “anúncio”. Esses são links patrocinados, quando você decide anunciar no Google, dentro da plataforma do Google Adwords. No entanto, as páginas seguintes não são pagas, são orgânicas.

Para alcançar essas posições de destaque na busca orgânica é preciso investir nas técnicas de SEO.

Mas por que realmente é necessário trabalhar a otimização? Para responder isso, vamos pensar em um estabelecimento físico. Imagine que você cria uma empresa que atende as necessidades dos seus clientes, com produtos de qualidade e que são buscados pelos consumidores. Porém, você escolheu uma região pouco frequentada pelo público-alvo, de difícil acesso. Qual será a resposta desse investimento nas vendas? Certamente não será aquilo que você esperava!

Para um estabelecimento físico dar certo, a escolha de uma boa localização é fundamental. Na internet isso não é diferente. Se você criar uma loja virtual, mas o público não a encontra, as vendas não serão boas.

Para ilustrar o que estamos falando, vamos utilizar uma referência bem interessante. Um estudo fez uma comparação de volume de cliques entre as páginas mostradas na busca do Google. Como resultado, a primeira posição da busca orgânica recebeu quase 35% dos cliques. A segunda ficou com aproximadamente 15% e a terceira cerca de 8%. Ou seja, os primeiros lugares concentram quase 60% dos cliques. Estar fora deles é perder tráfego e, consequentemente, vendas!

A importância da palavra-chave na otimização de sites

Para entender a otimização de sites tudo começa pela palavra-chave. Ela representa o termo principal utilizado na página, você vai entender melhor quando explicarmos as técnicas, nos próximos tópicos.

Agora, pense em como você faz uma busca na internet quando está querendo saber mais informações sobre algo ou encontrar um produto. Provavelmente você abre uma página do Google, digita um determinado termo e manda pesquisar, certo? Então, esse termo que você utilizou é a palavra-chave.

Basicamente, existem dois tipos de palavras-chave: head tail e long tail.

Head tail

Head tail são os termos mais curtos e generalistas. Normalmente eles são utilizados no início de uma pesquisa, quando o usuário ainda não tem um conhecimento tão grande sobre aquilo que está pesquisando, ou seja, ele ainda está no topo do funil.

Por exemplo, imagine que eu esteja avaliando a compra de uma televisão, mas ainda não fiz nenhuma pesquisa e não sei o modelo, tamanho, marca, nada. Então, entrei no Google e digitei o termo “televisão”. Esse é um head tail e que me mostrará aparelhos de diversos modelos, marcas e características.

A head tail tem uma característica bem interessante: o alto volume de buscas. Pensando no funil, há uma maior quantidade de pessoas no topo, e isso explica o motivo de termos uma alta procura por esse tipo de palavra-chave.

Porém, como é mais generalista e com maior volume de pesquisas, as palavras-chave head tail apresentam um alto nível de concorrência, sendo mais difícil e demorado para ranquear bem.

Long tail

Já o long tail representa os termos mais específicos. São mais longos e direcionados para aquilo que o usuário procura.

Seguindo nosso exemplo criado no head tail, da televisão, imagine que agora eu já saiba mais informações do aparelho que quero comprar. Então, abri uma janela do Google e digitei o seguinte termo: “televisão 42 polegadas smart tv 4k”. Agora, com essa descrição, as respostas são bem mais direcionadas aquilo que eu preciso, pois eu usei uma long tail.

No entanto, quanto mais informações eu colocar, mais segmentada será a resposta. Menos pessoas fazem esse tipo de busca, ou seja, o volume de procura pelo termo em questão é menor.

A concorrência para o long tail é inferior ao head, uma vez que já é direcionado para somente os produtos que atendem às características. Isso diminui a dificuldade em colocar as páginas em uma melhor posição nas pesquisas.

Para fechar, como a long tail é mais específica, significa que os usuários que as utilizam tendem a estar mais próximos de fechar as compras, ou seja, no meio ou fundo do funil de vendas.

Então, recapitulando as informações que mostramos e criando uma comparação:

Head tail

  • termos generalistas;
  • alto volume de buscas;
  • alta concorrência e dificuldade para ranquear;
  • usuários no topo do funil, mais distantes da compra.

Long tail

  • termos específicos;
  • baixo volume de buscas;
  • baixa concorrência e menor dificuldade para ranquear;
  • usuários no meio ou fundo do funil de vendas, mais perto de fechar as compras.

A escolha da palavra-chave ideal

Agora que você já sabe um pouco sobre a importância da palavra-chave e as diferenças entre head tail e long tail, deve estar se perguntando quando usar cada uma delas e como definir esses termos, correto? Se essa é a sua dúvida atual, vamos explicá-la agora.

Cada página criada na internet carrega uma palavra-chave. Se você cria uma página de produto, por exemplo, é interessante destacar um termo que faça a referência ao item. Se você cria um conteúdo para o blog, funciona da mesma forma, destacando uma palavra-chave importante para o texto.

Porém, saber se nesse espaço cabe um head tail ou long tail é você mesmo que deve responder. Será que o seu conteúdo fala sobre algo específico ou é uma página generalista? O público dessa página já está apto para a compra ou ainda está conhecendo a oportunidade? Essas questões ajudam a esclarecer sobre o tipo de termo a ser utilizado.

Mas como encontrar esses termos? Como saber qual é a palavra-chave ideal para cada página? Existem ferramentas bem interessantes para isso.

Keyword Planner

Já que estamos focando no Google, vamos mostrar uma ferramenta que eles mesmo disponibilizam: o Keyword Planner. Ela é bem interessante e ajuda as empresas no objetivo de trabalhar a otimização de sites.

Trata-se de uma ferramenta gratuita e de simples utilização. Basta acessá-la e digitar um termo relacionado ao que você está tratando. Então, serão mostradas algumas sugestões de palavras-chave, com o volume de buscas de cada uma delas, o nível de concorrência e também o valor sugerido caso queria investir no Google Adwords.

SEMRush

O SEMRush é uma ferramenta paga, mas que pode ajudar bastante na otimização de sites. Ele mostra um panorama completo dos termos que você pode utilizar. Assim como o Keyword Planner, quando você digita um primeiro termo, são mostradas sugestões de palavras relacionadas, com uma série de informações sobre elas, tais como volume, concorrência e também mostra as condições para patrocinar os termos.

O interessante no trabalho de otimização de sites é pesquisar quais são as principais palavras-chave utilizadas pelo seu público-alvo, avaliando o nível de procura e concorrência, principalmente, para traçar uma estratégia que leve suas páginas até o topo das pesquisas.

Quais são e como aplicar as técnicas de SEO

Agora que você já tem um bom conhecimento sobre palavras-chave, entraremos no trabalho de otimização de sites em si. Fizemos uma listagem das principais técnicas de SEO para que você comece a aplicar no seu site agora mesmo. Acompanhe:

Estrutura de links

Um dos fatores mais considerados pelos mecanismos de busca na hora de criar o ranqueamento das páginas é a estrutura de links. Quando você insere links internos nas suas páginas, direcionando para novos conteúdos dentro do seu próprio site, o usuário pode acessar mais informações, de forma completa.

A estratégia de links internos é interessante porque promove uma melhor experiência do usuário, uma vez que ele pode acessar várias páginas relevantes para aquilo que está buscando.

Além disso, também é benéfica para o site em geral, uma vez que o tempo de permanência daquele visitante tende a aumentar e várias páginas receberão acesso.

Outra dica valiosa é incluir links externos. Muitas pessoas podem achar que essa estratégia é não boa porque está direcionando o seu visitante para um outro site, mas não é bem assim. Quando você inclui um link externo, está considerando que essa referência é relevante para o usuário.

O inverso também pode acontecer. Se o seu site se transforma em uma referência no mercado que está incluído, outras páginas farão o direcionamento para você e isso gera uma grande relevância para os mecanismos de busca.

Então, planeje uma estrutura de links internos e externos para as suas páginas. Uma boa ideia é pensar também nos tipos de palavras-chave. Ou seja, você cria páginas com long tail para ranquear bem com maior velocidade. Então, direciona essas páginas para uma com head tail, direcionando o fluxo de visitantes e fazendo com que ela ganhe tração no posicionamento orgânico.

Otimização das imagens

Os mecanismos de busca não conseguem reconhecer uma imagem em um conteúdo. Para eles, é somente um espaço vazio. Então, para tornar as imagens reconhecidas e valorizadas, você precisa utilizar o campo de alt text, ou texto alternativo.

O Google e outros mecanismos farão a leitura das imagens por esse campo. É interessante preencher esse espaço com a palavra-chave que você deseja para a página.

Além disso, lembre-se sempre de trabalhar com imagens originais e tome cuidado para não carregar fotos e vídeos pesados, que podem prejudicar a abertura das páginas, pois isso também é um fator de ranqueamento do seu site.

Endereço eletrônico amigável

A URL, ou endereço eletrônico, também é um ponto observado no trabalho de otimização de sites. Ao verificar o código o usuário deve conseguir identificar o assunto da página. É interessante encaixar a palavra-chave também nesse espaço.

Páginas que têm a URL como uma sequência numérica não são bem representadas. Já aquelas mais simples e objetivas, sim!

Então, tenha atenção no momento de criar o endereço eletrônico e procure ser objetivo nas palavras.

Uso de palavras-chave de forma estratégica

Neste guia completa já ficou bem clara a grande importância que têm as palavras-chave, certo? Elas impactam em todo o trabalho de otimização de sites, desde as pesquisas iniciais até as técnicas em si.

Nas páginas elas também devem ser usadas de forma estratégica para alavancar os resultados.

Se você deseja investir no Inbound Marketing, criando ações para fazer com que seus clientes cheguem até você, precisa começar a criar conteúdos relevantes. Essa estratégia gera uma série de benefícios, como maior credibilidade, conhecimento da marca, redução no ciclo de venda, menor solicitação ao setor de atendimento, maior satisfação dos clientes, maior fidelização, entre outros.

A base do Inbound é a criação de conteúdos, e aqui você também deve se importar com as palavras-chave. Ao criar um material relevante, você precisa definir a palavra-chave para a página. Então, coloque esse termo pelo menos uma vez na introdução do conteúdo e uma vez na conclusão. Além disso, trabalhe o termo no desenvolvimento e, se possível, em ao menos um dos intertítulos.

Lembre-se de colocar a palavra-chave também nas imagens, no campo de texto alternativo.

Tempo de carregamento das páginas

Como já citamos, o tempo de carregamento das páginas também é um fator de influência para ganhar posições na busca orgânica. Se você cria um ambiente que demora a carregar por completo, prejudica a experiência do usuário e certamente o buscador fará uma penalização pesada!

O Google PageSpeed é uma boa ferramenta para se utilizar. Ela mostra o desempenho da sua página, quanto tempo ela demora para carregar e ainda uma avaliação, com nota de 0 a 100, para o site. É interessante que a ferramenta mostra o panorama do site tanto para a versão desktop como para o site mobile.

Usabilidade do site

A usabilidade dos usuários dentro do site também é importante para a otimização. Uma vez que o Google e demais buscadores desejam oferecer respostas relevantes para o público, sempre encaminhando o tráfego para ambientes em que encontrarão as respostas para o que procuram, serão priorizadas páginas com boa qualidade de uso.

Se o seu público entra no site e tem dificuldades em encontrar aquilo que precisam, eles fecharão a página e buscarão outras opções. Esse movimento de entrar e sair sem conversão é penalizado pelos buscadores.

Então, no momento de criar as suas páginas, pense sempre em estruturar um ambiente agradável e de fácil manipulação. Os usuários não devem ser exigidos quanto a conhecimento em sites e compras online. Qualquer pessoa deve ser capaz de achar informações e fechar uma compra com facilidade e experiência agradável.

Engajamento dos usuários

Um dos principais objetivos das empresas, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte, é criar engajamento do público com a marca. Esse engajamento consiste na interação, seja comentando publicações nas redes sociais, compartilhando, criando avaliações dos produtos nos sites ou indicando a empresa para novos consumidores.

O relacionamento com o público, aliás, gera uma série de benefícios. Empresas que se colocam mais próximas aos seus clientes conseguem gerar uma maior fidelização. Por isso é preciso abrir diferentes canais de contato e sempre prezar por um bom atendimento.

Esse trabalho também entra na otimização de sites. Uma boa ideia é abrir a possibilidade para o público avaliar os itens dentro do ambiente online. Dessa forma, comentários serão criados e novos usuários poderão avaliar a compra a partir de uma visão do público, imparcial. Isso melhora a experiência do usuário.

Além disso, não se esqueça de demonstrar as suas redes sociais no site.

Heading tags

Dentro das suas páginas você deve destacar as informações mais relevantes e agrupar os assuntos, ajudando o usuário a reconhecer mais facilmente o que ele procura.

Em um conteúdo do blog, por exemplo, é interessante criar intertítulos, chamados de heading tags. Eles são distribuídos em forma hierárquica, ou seja, o título da página é o heading tag 1, ou H1, enquanto os principais subtítulos são H2. Dentro deles podem ser criados H3, H4 e por aí vai.

Essa organização é necessária para ajudar o usuário a ter uma melhor experiência dentro das suas páginas.

Lembre-se de colocar também as palavras-chave no espaço da heading tag, preferencialmente em H1 e H2.

Estrutura para dispositivos móveis

A utilização dos smartphones no dia a dia vem só crescendo, e isso impacta na criação dos sites empresariais. Afinal, se você não considerar essa utilização, pode limitar a sua empresa e perder uma grande parcela do público.

Então, você deve criar um ambiente responsivo, ou seja, aquele que se adapta à tela do dispositivo utilizado pelo usuário sem perder qualidade de visualização e usabilidade.

Google, Bing, Yahoo! e demais buscadores estão de olho na utilização dos celulares como dispositivo de acesso aos sites e já começaram a pontuar bem as empresas que investem em um site mobile.

Então, se você não quer ficar para trás da concorrência, não se esqueça da estrutura responsiva do seu ambiente digital.

Call To Action

Por fim, deixamos um ponto que, apesar de não ser uma das técnicas de otimização de sites, é muito importante para esse trabalho: a CTA. A sigla representa Call To Action, ou chamada para ação, traduzida ao português.

Mesmo que você não saiba o que significa, muito provavelmente já viu e foi impactado por uma CTA. Ela é um direcionamento para o usuário, um indicativo do que fazer.

Por exemplo, você leu um conteúdo no blog de uma empresa e, ao final do texto, encontrou uma mensagem dizendo para entrar em contato com a empresa. Essa era a CTA planejada. Então, o público fará aquilo que foi sugerido. Se você não faz isso, há uma dispersão das atividades. O usuário pode simplesmente fechar a página e encerrar o ciclo.

Por isso, pense na CTA sempre que executar uma estratégia, seja um conteúdo no blog, um botão em uma landing page, a mensagem de um e-mail marketing, entre outros.

Saiba como tornar a navegação do seu site responsiva para o usuário

Devida a importância, criamos este tópico para falar um pouco sobre o site responsivo, ou site mobile.

Para tornar o seu ambiente online adequado para a utilização em dispositivos móveis você precisa pensar na estrutura de criação. Nesse momento uma ótima solução é contar com o ReachSite. Ele tem um design profissional e é responsivo, gerando duas versões: uma web, para desktop, e outra mobile, para dispositivos móveis. Você também pode contar com o ReachEdge, que é uma solução em conversão, que conta com Machine Learning para aumentar as vendas da sua plataforma.

Dessa forma, todo o seu conteúdo será criado já pensando em oferecer uma completa e agradável usabilidade aos seus visitantes, tornando a conversão mais propensa a acontecer.

Portanto, como vimos ao longo do nosso guia completo, o trabalho de otimização de sites é fundamental nos dias atuais. Ele deve ser feito para garantir que a sua empresa esteja entre as primeiras posições das buscas, atraindo um bom volume de tráfego e aumentando as chances de vendas e lucratividade.

Esteja atento aos pontos que listamos e verifique se o seu site está cumprindo com os requisitos. Não deixe de contar com as nossas soluções para lhe ajudar nesse desafio.

Agora, assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos relevantes como este para lhe ajudar a buscar melhores resultados na empresa!

7 ações de marketing digital para utilizar no Outubro Rosa

Em épocas nas quais campanhas e ações de conscientização estão sendo propagadas, alguns assuntos sobre saúde ganham uma atenção especial nos mecanismos de busca. Isso faz com que o Outubro Rosa sirva como uma grande oportunidade para atrair pacientes.

Nessa parte do ano, o tema que ganha um destaque maior é o câncer de mama: as pessoas vão em busca de informações sobre as melhores práticas de prevenção e cuidado. O laço rosa se tornou um símbolo da prevenção em 1990. Desde então, as pessoas usam essa época para incentivar exames como a mamografia, voltada a detectar o tumor na fase inicial na qual a chance de cura é muito maior.

Mas a campanha só foi ganhar mais atenção em terras tupiniquins a partir de 2002, com os profissionais recomendando a mamografia preventiva a partir dos 50 anos. Quer saber como conseguir mais pacientes e ainda contribuir para a conscientização? Então, continue a leitura com a gente!

1. Conteúdo online

O marketing de conteúdo é uma das melhores estratégias para aproveitar temas que estão com um volume alto de pesquisas nos mecanismos de busca, por meio de artigos e materiais educativos.

Digamos que uma pessoa pesquise sobre os fatores de risco da doença no Google, inserindo sua dúvida utilizando palavras-chave. Um blog post com uma boa estratégia de SEO pode fazer com que seu conteúdo fique indexado nas primeiras páginas do buscador.

Assim, o material faz com que a pessoa solucione a sua dúvida, e ainda gera autoridade, ou seja, o público fica mais propenso a apostar em você para solucionar questões de saúde.

2. Links patrocinados

Todo crescimento orgânico demanda tempo. E o que isso significa? Lembra de quando falamos que o Outubro Rosa aumenta o volume de buscas sobre o assunto na web? Então, o SEO não é a única maneira de aproveitar isso.

O ideal é que estratégias de crescimento orgânico sejam dimensionadas a longo prazo, para ter volume de material e público suficientes. Por outro lado, links patrocinados podem impulsionar seus posts em um período menor de tempo, inserindo-os em um espaço reservado para anúncios nas primeira página do Google.

As duas estratégias se complementam: os links patrocinados trazem visibilidade inicial e o SEO sustenta o público por um período maior de tempo.

3. Otimização do site

Imagine que seu público entrou em contato com os conteúdos sobre o Outubro Rosa e decide saber um pouco mais sobre o que você ou a sua empresa é capaz de oferecer. Esse tipo de informação tem que estar disponível em algum lugar, certo?

O site institucional serve para dispor as informações mais básicas e fundamentais sobre os serviços que você oferece. Se uma mulher busca os serviços de uma clínica para fazer exames de prevenção, é na página que ela se informa sobre os agendamentos, por exemplo.

O ideal é que o site seja responsivo, ou seja, capaz de ser exibido com qualidade em diferentes dispositivos e dimensões de tela. Desse modo, os pacientes também podem se informar usando seus smartphones e tablets.

4. Anúncios nas redes sociais

Que as redes sociais são um dos meios mais usados para comunicação hoje, isso ninguém mais tem dúvida. É lá que o público entra em contato com uma quantidade diversificada de informações, como publicações de amigos, notícias etc.

Isso ressalta a importância da presença nessa mídia. O Outubro Rosa recheia as redes de publicações sobre o assunto, aumentando a chance da sua página encontrar espaços no feed das pessoas.

Os anúncios em plataformas como o Facebook Ads, por exemplo, são segmentados e aparecem para as pessoas mais suscetíveis a se tornar pacientes, maximizando as chances de retorno desse investimento.

5. Anúncios na rede de display

Se você navega na internet há um tempo, certamente já reparou naqueles anúncios que aparecem na barra superior ou lateral dos sites. Esse tipo de exibição faz parte dos anúncios da rede de display do Google Ads: também exibidos no YouTube, Gmail e nos aplicativos da Play Store.

A grande vantagem desses anúncios é a exibição com base no histórico de consumo do seu público: se as pesquisas sobre questões de saúde são frequentes, há uma chance maior dos materiais relacionados aos seus serviços aparecerem na rede. Outro fator útil é o apelo visual. Os anúncios, com o uso de imagens, se tornam mais atrativos e tendem a gerar mais cliques, aumentando a exibição da sua página.

6. Captura de leads

Lembra de quando falamos que o volume de buscas e mais alto em certos períodos do ano? O resultado dos conteúdos e dos links patrocinados é um aumento no número de visitantes da página. E o que você vai fazer com esse tráfego?

No momento em que potenciais pacientes entram em contato com o seu conteúdo, o próximo passo é torná-los leads, isto é, pessoas que consomem materiais e têm interesse em exames ou consultas, por exemplo.

Assim que a persona, personagem fictícia que representa o seu público-alvo, lê um blog post sobre prevenção do câncer de mama, ela pode garimpar seus conteúdos em busca de mais informações. Desse modo, as publicações podem levá-la a uma landing page, ou seja uma página de captura oferecendo algum material rico em troca de informações que vão compor o fluxo de nutrição.

7. Nutrição de leads

O fluxo de nutrição é uma maneira de intensificar a comunicação com os leads por meio de contatos por e-mail. Desse modo, a interação se torna mais agregadora, familiarizando a presença no cotidiano da sua audiência.

Assim que a lista de e-malis é construída, é preciso determinar como os disparos vão ser feitos para realizar o propósito de nutrir e criar identificação. É importante ter a persona bem definida para determinar qual vai ser o tom de voz e a linguagem na composição da mensagem.

Além disso, ter um calendário editorial vai ser importante na hora de segmentar os e-mails. Lembre-se de ser estratégico nas datas, considerando o quão favoráveis as pessoas estarão em determinada época do ano.

Por fim, insira um CTA (chamada para a ação) no corpo do seu e-mail. O ideal é que a ação seja clara e objetiva, sem ambiguidade ou redação confusa. Em geral, mensagens curtas e que vão direto ao ponto convertem mais.

O Outubro Rosa, como você pôde ver, serve como uma excelente oportunidade para conseguir pacientes e ainda contribuir para a conscientização e disseminação de informações educativas. Se sua empresa atua em outro segmento, o Outubro Rosa ainda pode ser aproveitado para aumentar a presença na web com materiais relevantes sobre o assunto.

O que achou no nosso texto? Quer aprender mais coisas sobre como usar a web para conseguir mais pacientes? Então assine nossa newsletter!

Como mensurar os resultados da minha campanha de Marketing?

O investimento em marketing digital tem crescido bastante. Várias empresas já perceberam que, para ter espaço e sucesso nos negócios, é preciso garantir uma boa presença digital, além de saber utilizar muito bem as ferramentas disponíveis no mundo virtual.
Por isso, é preciso entender como as melhores estratégias de marketing digital funcionam, descobrir em quais delas a sua empresa pode encontrar melhores resultados, e como transformar essas estratégias em um verdadeiro sucesso.

 

Clique na imagem para acessar o e-book:

Conheça os 7 maiores mitos do marketing digital

O marketing digital é um tema que vem sendo cada vez mais debatido por gestores e empreendedores devido aos bons resultados gerados por meio das plataformas digitais.

Certamente, você já ouviu falar sobre os benefícios que estratégias online podem oferecer às empresas, mas esse assunto ainda gera muitos questionamentos por parte de quem não tem familiaridade com a prática.

Se esse é o seu caso, acompanhe este post que vamos desvendar os principais mitos do marketing digital. Veja!

1. Marketing digital é apenas para loja virtual

Esse é um raciocínio comum, mas bastante equivocado. Claro que uma empresa que realiza operações online precisa se comunicar de forma eficiente no ambiente em que está inserida, mas isso não significa que uma loja física ou um prestador de serviços não possa utilizar táticas de marketing digital.

Hoje em dia, não existem mais fronteiras entre o on e o off. A comunicação, seja pessoal ou empresarial, tem se tornado cada vez mais digital, então, por qual motivo somente um e-commerce deve se comunicar dessa forma?

2. É só ter um site

Não é tão simples assim — marketing digital é muito mais que só ter um site para eventualmente ser encontrado no Google. A página também não deve ter como única função causar boa impressão no rodapé do cartão de visitas.

Muitas ferramentas de comunicação digital fazem parte do dia a dia do profissional de marketing e um planejamento estratégico direciona o caminho a ser adotado de acordo com o perfil da empresa.

Ações de e-mail marketing, inbound marketing, anúncios em buscadores e redes sociais, SEO (otimização para buscadores, como o Google), campanhas com influenciadores digitais, entre outros, podem ser citados como exemplos de táticas a serem trabalhadas. O site é apenas a ponta do iceberg.

3. Marketing digital é caro

Esse é um dos principais mitos do marketing digital e, felizmente, não tem fundamento. Essa ferramenta de divulgação tem como uma de suas principais características o investimento acessível. Pequenas e médias empresas conquistam resultados muito satisfatórios com investimentos adequados a sua realidade.

Se compararmos o valor de investimento em marketing digital ao pago por anúncios em mídias como TV, rádio e jornal, é fácil chegar à conclusão de que as plataformas virtuais possuem melhor custo-benefício.

Mais uma importante vantagem que o marketing digital oferece e que impacta diretamente os custos é a possibilidade de realizar testes. Em grande parte das vezes, é possível fazer um pequeno investimento para testar a resposta do público e, conforme for o retorno, aumentar ou diminuir o valor investido.

4. É preciso aumentar a equipe

Estar próximo de profissionais com conhecimento no assunto é fundamental para o bom andamento das estratégias de marketing — sobretudo utilizando as mídias digitais —, mas engana-se quem pensa que isso significa, necessariamente, aumentar a equipe.

Agências de marketing são prestadoras de serviços preparadas para atender esse tipo de demanda, ou seja, realizam o trabalho de comunicação digital para empresas que necessitam de suporte nessa área.

O mais interessante desse modelo de ação é que ao contratar uma agência você contará com profissionais experts no mercado e que oferecem um serviço de qualidade elevada.

5. É só postar no Facebook

Mais um dos grandes mitos do marketing digital. Acreditar que somente posts no Facebook serão responsáveis pela construção da marca e aumento de vendas é um erro gigantesco.

Primeiramente, é importante ressaltar que a definição de canais é feita no planejamento estratégico, isto é, sem as devidas análises é impossível dizer se o Facebook é um bom investimento para sua empresa.

Antes de estabelecer quais mídias serão utilizadas é preciso, também, conhecer o comportamento do público-alvo, definir personas, estudar questões relacionadas ao micro e macroambiente e analisar o perfil do negócio — enfim, realizar um trabalho minucioso.

Depois disso, ainda é essencial determinar as táticas de atração, retenção e conversão, ou seja, para atingir bons resultados, definitivamente não basta só fazer posts no Facebook.

6. SEO só se trabalha uma vez

O SEO (search engine optimization) é uma das principais estratégias de marketing digital. O trabalho de otimização de sites é complexo e requer o apoio de diversas áreas, como tecnologia da informação, desenvolvimento de sites, redação, design web, entre outras.

Colocar um plano de SEO em prática apenas uma vez e nunca mais dar atenção a isso é um grande deslize. O trabalho de otimização de site não é um projeto único, ou seja, precisa de manutenção, revisão e aperfeiçoamento.

Os motores de busca se atualizam constantemente, logo, as estratégias de SEO devem ser testadas e analisadas com certa frequência para que os resultados sejam visíveis.

7. Se investir em propaganda não precisa gastar com marketing digital

Para começar, é importante lembrar que tudo o que gera benefícios para sua empresa não é gasto, é investimento.

Marketing é muito mais complexo que só propagar a mensagem, função da propaganda. Por trás da mensagem propagada deve existir muitas análises, pesquisas, determinação de táticas e definição de estratégias, portanto, desembolsar um valor para fazer propaganda sem esses aspectos muito bem estabelecidos é o mesmo que jogar dinheiro fora.

Nada impede sua empresa de investir em propaganda em meios de comunicação como rádio, jornal ou, até mesmo, a distribuição de materiais gráficos, mas lembre-se que qualquer investimento precisa gerar retorno.

Por falar em retorno, um dos principais diferenciais do marketing online é a possibilidade de mensurar de forma detalhada a resposta do público impactado por suas ações, isto é, a capacidade de saber em tempo real os números de uma campanha ou a reação do público a uma promoção.

Quando o assunto é marketing digital, muitas são as dúvidas, especulações e polêmicas. Por se tratar de uma maneira relativamente nova de se comunicar é comum que existam questões envolvendo o tema.

Nosso objetivo com este post é desvendar os principais mitos do marketing digital para que você se sinta cada vez mais próximo dessa estratégia que pode ser um divisor de águas no seu negócio.

Gostou de descobrir detalhes sobre o marketing digital? Então, para saber mais sobre o assunto, veja o post especial sobre comunicação digital que preparamos!

5 motivos para sua empresa ter um perfil nas redes sociais

Há temos atrás, as propagandas em jornais e televisões eram satisfatórias. Porém, com o crescimento da internet, a forma de se comunicar com os clientes mudou. O Brasil está em 2º lugar no ranking de países que possuem a maior quantidade de usuários ativos, e, por isso, é essencial que a sua empresa tenha um perfil nas redes sociais.

A popularização da internet se deu a partir dos anos 2000, quando as redes sociais — Fotolog, Orkut, Friendster e MySpace — começaram a ganhar força. Somente em 2011 surgiu o Facebook, rede social que atualmente atinge mais de 78 milhões de pessoas no país.

Pensando nisso, desenvolvemos este post com 5 motivos que vão te convencer a fazer um perfil nas redes sociais para a sua empresa agora mesmo. Confira!

1. Os seus clientes (e concorrentes) estão lá

As redes sociais são ambientes excelentes para o compartilhamento de informações, e também importantes canais de relacionamentos. Nesse cenário, você, como empreendedor, precisa ter em mente que os seus clientes estão participando delas — ou você ainda possui alguma dúvida sobre isso?

As redes sociais atingem tanto homens quanto mulheres de todas as idades, então, por meio delas é possível criar estratégias para promover a interatividade, divulgação e até mesmo sair na frente da sua concorrência.

Vejamos como isso acontece na prática: o primeiro passo é fazer uma pesquisa de mercado para identificar em quais mídias o seu público está presente. Alguns exemplos são:

  • Facebook;
  • Twitter;
  • LinkedIn;
  • Google +;
  • Pinterest;
  • Instagram.

Depois, faça uma análise das personas — personagens semifictícios que representam o cliente ideal. Assim, você começa ter informações para criar estratégias e investir no marketing online. 

2. Dá a possibilidade de entender o comportamento dos clientes

A internet mudou a forma como as coisas acontecem e tornou essencial a presença digital das marcas. A partir dela, é possível criar uma relação acessível, dinâmica e assertiva com o seu público. Mais do que isso, é possível engajar e encantar os seus clientes, pois, com um perfil nas redes sociais você consegue:

  • estudar o seu público-alvo;
  • compreender as personas;
  • identificar quais são os tipos de conteúdo que eles consomem;
  • saber quais são as suas principais dúvidas;
  • analisar como eles se relacionam com as marcas;
  • dialogar melhor com o público que você quer atingir;
  • aumentar os seus resultados online;
  • melhorar a imagem da empresa;
  • possibilitar o fortalecimento do brand awareness;
  • prospectar novos clientes;
  • influenciar as suas vendas e fazer com que os seus indicadores comerciais cresçam.

E aí? Você ainda tem dúvidas sobre a possibilidade de criar um relacionamento forte com seus clientes? Continue lendo para ter a absoluta certeza!

3. Proporciona maior facilidade de construir e manter os relacionamentos

As redes sociais permitem que você construa novos relacionamentos com prospects e também mantenha o contato com os clientes atuais.

Para você ter uma ideia, a missão do Facebook é manter todas as pessoas conectadas. Consequentemente, você quer que as pessoas estejam conectadas com a sua marca, certo? Assim, há a possibilidade de:

  • promover bons canais de atendimento;
  • aumentar o tráfego do seu site/blog;
  • criar planos de fidelização;
  • criar maneiras para trocar experiências com os clientes;
  • fazer com que os clientes se tornem engajados com a marca.

4. Garante a possibilidade de conquistar novos clientes

Como citamos anteriormente, as redes sociais são importantes porque, além da possibilidade de fidelizar os seus clientes antigos, elas permitem que você conquiste novos e potencialize os prospects.

É necessário, entretanto, criar estratégias para que as pessoas se identifiquem com a sua marca por meio de conteúdos de qualidade e anúncios que despertem o seu interesse.

Por isso, é muito importante ter um expert em marketing de conteúdo em sua equipe. Somente dessa maneira as suas estratégias se tornam eficazes em um curto período de tempo e você obtém parâmetros mensuráveis.

Isso significa que não vai adiantar você apenas criar um perfil em uma rede social e deixá-lo parado ou publicar conteúdos ruins. Aliás, são inúmeras as empresas que ainda não se deram conta da necessidade de investir em um profissional que saiba gerenciar as mídias sociais para não denegrir a sua imagem.

Lembre-se de que é a sua imagem que está em jogo, portanto, é inadmissível postagens com erros ortográficos, imagens com má qualidade, poluição visual, mensagens caóticas ou sem clareza e um layout bagunçado.

5. Proporciona e melhora os relacionamentos

Uma das maiores vantagens de sua empresa ter um perfil nas redes sociais é que ela permite o contato humano e próximo com seus clientes. Isso significa que se você souber administrar, consegue criar uma sólida base de relacionamentos.

Nesse contexto, muitas empresas estão implementando o SAC 2.0: uma evolução das tradicionais centrais de relacionamento com o cliente. Consiste em um ambiente que proporciona a interação humana com a real, seja nas redes sociais, em um chat ou seus canais de autoatendimento.

O relacionamento com o cliente é uma ferramenta essencial e isso não se resume em atendê-lo bem ao telefone ou respondendo imediatamente o seu e-mail. É preciso saber propor uma comunicação assertiva onde quer que ele esteja.

Pense bem: o seu cliente tem voz ativa e utiliza as redes sociais para expressar a sua opinião sobre os assuntos de seu interesse, inclusive sua marca — sendo uma visão positiva ou não.

Por isso, saber atendê-lo bem nas redes sociais não significa criar mensagens automáticas instantâneas, como em um processo robotizado. É preciso saber conversar, trocar ideias, dar dicas e estabelecer um relacionamento agradável. Assim, ele sente confiança e começa a divulgar a sua marca.

As redes sociais tiveram um crescimento gigantesco e acabaram mudando a forma como as pessoas se relacionam e trocam informações.

Hoje, inevitavelmente, as empresas precisam ter um perfil nas redes sociais se quiserem o sucesso e a propagação do seu negócio. Então, converse com a sua equipe, e comece a marcar presença no universo online para aproveitar os benefícios que ele pode trazer para o seu negócio.

Agora, aproveite e compartilhe este conteúdo em suas redes sociais. Temos certeza de que ele também será útil para alguns dos seus amigos!

Como escolher os canais de comunicação adequados?

Qual empreendedor não deseja desenvolver o seu negócio, conquistar mais clientes e expandir a participação no mercado? Esses desejos são comuns entre empresários de forma geral, não importa o nicho do mercado ou tamanho da organização. Para isso acontecer, escolher bem os canais de comunicação com o público é fundamental!

Uma marca que não cria as condições para que os clientes possam tirar as suas dúvidas e dar sugestões, investindo em um bom relacionamento com eles, não consegue atingir os objetivos traçados.

Por isso, para ajudar você a entender quais são os canais mais adequados e que podem trazer bons resultados para a sua empresa, criamos este conteúdo. Boa leitura!

Faça uma boa pesquisa com o seu público-alvo

O primeiro passo para definir quais serão os canais de comunicação disponibilizados pela empresa é entender quem é o público-alvo e quais são suas preferências. Isso é fundamental para a estratégia de comunicação, pois não adianta oferecer um canal que não é utilizado frequentemente pelos seus potenciais clientes.

Os costumes, a cultura e até mesmo a linguagem são fatores importantes para entender:

  • onde seu público-alvo busca informações;
  • qual a frequência com que faz isso;
  • quais as principais necessidades dele.

Conheça os principais canais de comunicação

Confira abaixo uma lista com os meios de comunicação mais eficientes.

Ligações telefônicas

Um dos canais de comunicação mais tradicionais e utilizados pelas empresas ainda é a ligação telefônica. Quando um consumidor busca por determinado produto ou serviço na internet, ele costuma procurar pelo número de telefone disponibilizado. Dessa forma, pode fazer um contato rápido com um representante, resolvendo sua dúvida de forma prática.

Em contrapartida, não encontrar essa via de contato disponível pode despertar uma certa insegurança no usuário. Afinal, além de ser um canal de comunicação direto, o telefone é uma prova de que aquela empresa realmente existe e possui uma sede fixa.

E-mail

O e-mail também é uma excelente opção de comunicação. O relacionamento com o cliente pode ser bem preservado e alimentado com o envio de mensagens certeiras.

A prática do e-mail marketing, por exemplo, é uma das estratégias que apresentam a maior taxa de conversão. Enviar conteúdos para o cliente que compartilhem conhecimento e ajudem nas dores e necessidades dele não apenas o aproxima, como também pode torná-lo promotor da marca. Assim, ele divulga os produtos e serviços, de forma orgânica e com alta credibilidade, já que não é alguém vinculado à empresa.

Então, crie um e-mail para que o público possa entrar em contato. Na verdade, é interessante ter mais de um, separando os endereços por assunto, como:

  • financeiro;
  • contato;
  • orçamento ou o que for mais conveniente.

Lembre-se que é fundamental responder todas as mensagens de forma rápida, para não deixar os contatos esperando e com a impressão de que não tiveram seus e-mails lidos.

Chat on-line

Muitas empresas encontraram no chat on-line uma ótima opção de atendimento virtual rápido e eficiente. É muito prático para o cliente entrar no site de uma empresa e tirar suas dúvidas imediatamente usando esse recurso.

Hoje, essa opção é um dos principais canais de comunicação em sites corporativos, exatamente pela praticidade e agilidade que oferece. Para lidar com um público cada vez mais exigente, que necessita de informações rápidas e precisas, o chat on-line ajuda bastante.

É interessante que você mantenha uma boa disponibilidade no chat, com pessoas bem treinadas para atender às chamadas. Além disso, deixe claro o horário de atendimento ao público.

Chatbot

O chatbot é uma das tendências do mercado. A automatização do atendimento pode gerar uma boa experiência para o cliente e, ao mesmo tempo, reduzir os esforços da equipe de atendimento, que pode ter sua atenção direcionada para ações mais estratégicas.

Além desses aspectos positivos, a grande vantagem do chatbot está na possibilidade de utilizar a inteligência artificial para criar conexões interessantes. As dúvidas mais comuns  que poderiam consumir muito tempo de atendimento humano  são solucionadas de forma automatizada, mantendo uma boa experiência.

Aplicativos de mensagens

Outra boa opção entre os canais de comunicação são os aplicativos de mensagens instantâneas, como o WhatsApp. Utilizando-os, a marca consegue enviar mensagens rapidamente, disparando cada uma de forma individual ou simultânea, para um grupo de consumidores.

Podem ser direcionadas mensagens promocionais, sobre novidades e lançamentos de produtos ou dicas práticas, que vão manter próximo o relacionamento com o cliente.

Redes sociais

As redes sociais são ferramentas de muito poder para qualquer organização, seja ela de pequeno, médio ou grande porte. As plataformas não são somente uma forma de divulgação, mas também podem servir como canal de contato.

Ao fazer uma postagem  com uma imagem, texto ou vídeo interessante  um cliente em potencial pode se identificar com a publicação e começar uma conversa. A partir disso, surge a possibilidade de estreitar o relacionamento e apresentar os produtos ou serviços da empresa.

Além disso, as plataformas dispõem de formas de contato direito e particular  como o Messenger do Facebook. Essa pode ser uma forma de o público conhecer a empresa pelas postagens e entrar em contato com um representante, de forma rápida e bem simples.

SMS

Não podemos nos esquecer do SMS, ou Short Message Service. Ainda que os aplicativos de mensagens tenham reduzido bastante o uso desse recurso, ele ainda é uma boa opção como canal de comunicação para as empresas.

Você pode, por exemplo, enviar o andamento do pedido, com mensagens em cada estágio, como:

  • pedido recebido;
  • pagamento aprovado;
  • processo de embalagem;
  • despacho;
  • produto entregue.

Esse acompanhamento aumenta o grau de confiabilidade do consumidor e pode ser usado como um diferencial competitivo para a marca.

Como vimos em nosso artigo, qualquer empresa deve sempre se preocupar em estar próxima ao seu público-alvo. Para isso, abrir diferentes canais de comunicação é primordial.

Listamos algumas das principais opções existentes no mercado, mas devemos salientar que é muito importante que você analise o seu público quanto às preferências e necessidades dele.

É provável que os seus consumidores utilizem mais um canal de comunicação do que outro. As próprias redes sociais são exemplos disso. Por isso, faça uma pesquisa aprofundada e mostre que a sua empresa se preocupa com o relacionamento!

Agora que você já sabe como escolher os canais de comunicação para a sua empresa, confira o nosso conteúdo com a explicação do que é a persona e como criar essa definição para o seu negócio!

Qual é a importância dos diretórios de busca na sua estratégia de Marketing Digital?

Os diretórios de busca foram os primeiros grandes aliados para quem desejava divulgar sites na web. Entretanto, devido às mudanças dos critérios de ranqueamento dos mecanismos de pesquisa, esse recurso passou a dividir espaço com outras estratégias.

Mas será que os diretórios são mesmo dispensáveis hoje em dia? Ainda que sejam um recurso um pouco antigo do marketing digital, não dá para descartar sua importância em situações específicas. Para alguns casos, ainda podem ser muito bons!

O post a seguir vai trazer tudo o que você precisa saber sobre a atuação dos diretórios de busca e esclarecer se eles ainda podem entregar resultados satisfatórios. Continue a leitura!

A importância dos diretórios no início de tudo

Os diretórios surgiram como o primeiro recurso para indexação de sites na web, tornando-os visíveis especialmente nos mecanismos de busca do Google. Essas ferramentas permitiam que os sites fossem cadastrados de forma rápida e por subdivisões, criando até mesmo diretórios de prestadores de serviços específicos.

Basicamente, eles catalogavam os sites presentes na web reunindo tudo e dividindo por diferentes especialidades. Entre suas vantagens está o fortalecimento dos links, fator muito importante para a relevância da página.

Era por meio do banco de dados dos diretórios que o Google tirava como base os sites mais importantes para indicar nas buscas dos usuários. A ferramenta já foi o principal recurso para divulgação de presença online, visando aumentar o fluxo de visitantes para os sites.

Entretanto, com o passar do tempo e as mudanças do algoritmo do Google, o diretório foi gradativamente dividindo espaço com outras estratégias.

Os diretórios de busca como recurso atual

A discussão existe e é pertinente: os diretórios de busca ainda conseguem fazer algo de relevante pelo meu site? A resposta é: sim, desde que sejam usados da maneira correta! Alguns fatores precisam ser bem definidos e considerados na hora de investir nesse recurso.

Como falamos, os diretórios hoje não são tão eficientes com o algoritmo do Google, mas em casos específicos e da maneira correta, é possível tirar proveito para tornar um endereço na web relevante.

Antes de tudo, é importante ressaltar que eles devem ser utilizados como apoio às estratégias de SEO, nunca sozinhos. Caso contrário, os resultados ficarão muito abaixo do esperado.

Quando fazer

Na hora de indexar novos endereços na web, o Google utiliza dados de outros sites que já estejam ranqueando esses links. Sendo assim, especialmente para os novos endereços, é interessante fazer o registro nos diretórios de busca, pelo menos inicialmente. Eles oferecem links de qualidade e relevantes para o Google.

Uma das vantagens dos diretórios é a possibilidade de tráfego referencial. Esse recurso consiste em indicações do link do seu site em outras páginas ou blogs, feitos de maneira natural quando é abordado algum tema relacionado ao seu tipo de negócio. Por isso o termo “referencial”.

É possível agregar boa popularidade e impulsionar um tráfego considerável somente com esse primeiro passo de registro de um novo site, mas é importante que isso seja feito com um diretório de qualidade.

Fundamental fazer um trabalho completo

É necessário considerar que essas ferramentas sejam combinadas também com outras estratégias de SEO, já que elas cumprem um papel fundamental no posicionamento de sites em rankings de buscas.

Além do aumento de tráfego e da garantia de um bom ranqueamento nas pesquisas de Google, o SEO permite também que os sites figurem no ilocal, uma plataforma online que funciona como um diretório de fornecedores e prestadores de serviço, divididos por categoria.

Nas informações de cada uma dessas empresas, é possível encontrar todos os dados sobre ela, inclusive links.

Fundamental para pequenas e médias empresas

Alguns dos principais mercados dos diretórios de busca atualmente são as pequenas e médias empresas, que precisam de investimentos iniciais em estratégias de marketing digital para ganharem um destaque rápido por meio de links de qualidade.

Os diretórios conseguem oferecer isso graças à consulta do Google, conforme falamos. Por esse motivo, é importante que o investimento inicial dessas empresas de menor porte seja nos diretórios de busca.

Além disso, o orçamento das organizações é bem mais limitado do que o das grandes empresas, o que impossibilita investir em outras estratégias de marketing digital. Os diretórios são opções bastante consistentes, eficientes e com um ótimo custo-benefício.

O surgimento dos diretórios de busca no Brasil

Os diretórios surgiram no Brasil por volta de 1995, quando a internet abriu espaço para as empresas anunciarem seus serviços. Rapidamente cresceu o número de páginas empresariais e, assim como no mundo físico, era necessário um local para reunir todos esses endereços. Uma espécie de lista online.

Os diretórios passaram a receber os cadastros dessas empresas com as URLs e uma série de outros dados (como palavras-chave) para especificarem o nicho de mercado de cada um desses negócios.

Era possível também pagar para que esses diretórios posicionassem sua página entre os primeiros no ranking, mais ou menos o que acontece hoje em dia com as estratégias de marketing digital.

A mudança no modelo de negócio

Cada vez mais havia o interesse pela divulgação dos sites empresariais, e isso acabou refletindo na eficácia dos diretórios de busca, que passaram a oferecer resultados muito extensos e até mesmo confusos, além de pouco relevantes.

Isso acontecia porque quem cadastrava manualmente os sites usava um excesso de palavras-chave, com tags inapropriadas, tudo para aumentar a visibilidade do site. O efeito colateral era a perda de relevância.

Os diretórios passaram então a usar os crawlers. A ferramenta era capaz de fazer um registro mais detalhado e inteligente dos dados dos sites, inclusive verificando se as palavras-chave registradas constavam, de fato, nas páginas cadastradas. Isso refinou a busca, fazendo-a ser relevante e precisa novamente.

No Brasil da década de 1990, os mais importantes diretórios de busca eram o Cadê?, o Altavista e o Yahoo. Mais tarde, todos passaram a ser um só.

Neste post, você pôde ver como os diretórios de busca, se bem utilizados e escolhidos com cuidado, ainda podem ser muito úteis dentro da estratégia de marketing digital de uma empresa. Quer ver mais conteúdos como este? Curta nossa página no Facebook!