Quer autoridade online para o seu negócio? 6 tipos de conteúdo que o seu blog deve ter!

Diversas empresas na tentativa de estabelecer uma presença digital consistente, acabam lidando com a falta de uma boa estratégia de marketing de conteúdo e SEO, resultando em matérias genéricas e mal exploradas, prejudicando o ranqueamento no Google. Por isso, é fundamental escolher os melhores tipos de conteúdo para seu blog.

Além de contribuir para o crescimento orgânico da sua marca, um bom aproveitamento de materiais diversificados no seu blog permite que um alcance grande por meio de um investimento razoavelmente baixo.

E aí? Bateu a curiosidade para saber como explorar os conteúdos na sua estratégia de marketing? Então acompanhe o texto com a gente!

1. Blog posts

Sempre que se fala em marketing de conteúdo a primeira coisa que vem à cabeça são os blog posts. Trata-se da forma de conteúdo mais familiar, exigindo poucos recursos com um processo simples de produção e publicação.

Uma das grandes vantagens do texto educativo é a baixa transitoriedade de público, isto é, tende a permanecer com um bom número de visitas por um tempo maior. Desse modo, a veiculação das matérias é de baixo custo inicial, por exigir pouca infraestrutura.

Lembre-se que o foco aqui não é em vender o produto, mas em ajudar na resolução dos problemas da persona. Por isso, se concentre em pautar o conteúdo com base em dicas práticas e linguagem acessível.

2. E-books

Se você navega na web há um tempo, certamente já se deparou com algum material rico sendo oferecido em uma landing page, isto é, uma página de captura que dá acesso a algum serviço gratuito em troca de informações.

Os e-books são o tipo de material rico mais comum. Em linhas gerais, se resumem a livros virtuais com conteúdos mais densos e um número de palavras maior que o de um blog post. Nesse contexto, há um trabalho de design, diagramação e formatação em PDF, voltado a gerar autoridade e a melhorar a experiência de leitura.

Em resumo, o e-book é um material mais detalhado e específico, que pode ser usado como uma valiosa ferramenta para atrair leads e ainda ajudar a lapidar o e-mail marketing por meio das informações coletadas na landing page.

3. Vídeos

Sabe quando você se deixa levar em plataformas como o YouTube, explorando os conteúdos relacionados? Essa é uma das principais vantagens do vídeo: a possibilidade de estar hospedado em plataformas multimídia.

Trata-se de uma das formas mais dinâmicas e populares de mídia, atuando como uma grande tendência de consumo na web. Diferente do blog post, videos necessitam de cuidados específicos como produção, qualidade de imagem, áudio, etc.

Um fator útil é a possibilidade de demonstrações visuais do produto, diversificando as formas de exposição. Além de servir como um diferencial persuasivo, abre espaço para boas apresentações.

4. Webinars

Em linhas gerais, os webinars são o que supre a demanda virtual por palestras, ou seja, como o próprio nome diz, um seminário para a web. A grande vantagem é o alcance mais amplo que um evento presencial a um custo muito menor, além da possibilidade de incorporar o webinar a uma landing page.

Desse modo, o investimento é similar ao de um conteúdo em vídeo, dispensando gastos com o aluguel de espaços físicos. Por ser ao vivo, é necessário se atentar a escolha de uma plataforma com boa qualidade e poucas quedas para fazer a transmissão.

O conteúdo mais denso faz com que os webinars sejam usados como iscas de leads, contribuindo para o fluxo de nutrição por email. A facilidade e o encorajamento de interações do público geram engajamento e torna a toda a estratégia mais enriquecedora para o público.

Não se esqueça de escolher bem o horário de transmissão do webinar e de cuidar da parte técnica da plataforma. Qual o uptime do vídeo? Quantos visitantes a plataforma suporta por transmissão? Todas essas perguntas devem ser respondidas.

5. Infográficos

Os materiais com mais popularidade nas redes sociais costumam ter forte apelo visual. Por isso, o infográfico é um dos tipos de conteúdo mais importantes da web. Trata-se de uma maneira de sintetizar informações com o uso de ilustrações, gráficos, tabelas e estatísticas.

O número de palavras costuma ser menor que o de um blog post, permitindo a assimilação rápida e a simplificação de conceitos, além de trazer uma abordagem mais direta e objetiva sobre o assunto.

Infográficos têm utilidade no branding e na manutenção da identidade visual da marca, já que é uma peça gráfica da empresa que vai estar circulando pela web com possibilidades de usos em landing pages, em posts comuns e em publicações nas redes sociais.

6. Estudos de caso

Dúvidas sobre a qualidade de um produto são muito comuns na web. Se isso já aconteceu com você, sabe o quão é importante o depoimento de alguém que já tenha sido um consumidor da empresa. É para isso que servem os estudos de caso: mostrar o funcionamento de um item provando a sua eficiência.

Diferente de conteúdos focados em vendas, o estudo de caso provoca a vontade de consumo por meio da visão de um cliente, espelhando as dificuldades da persona e exemplificando a resolução do problema. Assim, o lead avança na jornada com maiores chances de compra, já que agora tem uma evidência de que a marca é confiável.

Além disso, há a inserção de elementos de storytelling na estratégia, influenciando positivamente na reputação da empresa e contribuindo para aumentar a credibilidade e a autoridade na web.

Como você pode ver, a escolha dos melhores tipos de conteúdo pode influenciar no desempenho da campanha, na visibilidade e no engajamento. Aliado a uma estratégia eficaz de marketing digital, materiais bem produzidos costumam dar um up no ranqueamento das páginas da empresa.

O conteúdo traz a possibilidade de alterar o plano de ação e o público-alvo com facilidade, criando campanhas mais assertivas com um feedback ágil e valioso. Lembre-se que para que a estratégia seja bem-sucedida, é necessário dimensioná-la no longo prazo, já que os resultados não aparecem rapidamente.

E você, gostou do nosso texto? Quer saber mais sobre como melhorar sua presença na web? Então, leia nosso artigo sobre como aumentar o tráfego orgânico.

Você Também Vai Gostar